O produtor de ‘Call Me By Your Name’ Rodrigo Teixeira processado por fraude – The Hollywood Reporter

Um carismático produtor de cinema brasileiro que alcançou sucesso em Hollywood com projetos como 2019 baliza E o vencedor do Oscar de 2017 Me chame pelo seu nome Ele agora é acusado por ex-parceiros de negócios de fraude e falta de transparência e, de acordo com uma reclamação, dirige um esquema Ponzi.

O produtor é Rodrigo Teixeira, e sua incansável liderança o tornou um dos queridinhos do cinema brasileiro. Mas de acordo com duas ações judiciais movidas em Los Angeles e São Paulo, Teixeira, 47, exortou brasileiros ricos a investir em sua empresa, RT Features – e eles têm até US $ 16 milhões – mas a maior parte de seu dinheiro supostamente desapareceu, sem manutenção. Com registros suficientes para mostrar para onde foram.

Na Justiça brasileira, Teixeira respondeu que a ação era “improcedente” e carente de “provas materiais”, mas que “acataria a decisão do juiz … sem nem mesmo entrar com recurso”.

Teixeira não respondeu a um pedido de comentário sobre esta matéria dirigindo-a The Hollywood Reporter Em vez disso, para o publicitário, que disse que “uma reclamação conjunta está sendo feita” em um futuro próximo. Teixeira contratou Jill Basinger, da Glaser Well, para representá-lo nos Estados Unidos

Os demandantes são Luis Mosnic, um proeminente financista e patrono das artes em São Paulo, e seu genro Carlos Gross, filho do ex-presidente do Banco Central do Brasil Francisco Gros.

Mosnic conheceu Teixeira em 2009. Na época, Teixeira era casado com Maria Raduan, cujo avô era um dos mais ricos magnatas do gado do Brasil, e o casal perambulava pelos círculos de elite da sociedade paulista. (Eles se separaram no ano passado.) Teixeira recentemente mudou sua carreira de uma carreira em finanças para produção. Sua estratégia era obter o máximo possível de propriedade intelectual, escolhendo os direitos do filme e da televisão para dezenas de títulos de livros.

READ  O interior é uma das grandes obras de arte que saíram da epidemia

“Fiquei surpreso que ele falava com tanta paixão sobre filmes”, diz Musnic. THR. “Achei que seria uma boa ideia oferecer aos meus clientes um investimento pequeno de participação na indústria cinematográfica.”

Mosnich apresentou Teixeira aos seus clientes, encantando-os com vários projetos em curso. Eles cortaram os cheques para ele – qualquer coisa de $ 10.000 a $ 200.000 de cada vez – e ele os receberia em seu campo repleto de estrelas.

No total, foram 10 grandes investidores. Mussnich colocou $ 350.000 de seu próprio dinheiro na RT Features, mas seu genro foi muito mais fundo, assinando cheques de $ 2,8 milhões para Teixeira.

Meses, depois anos, se passaram e não houve nenhuma palavra sobre seu investimento. “Comecei a me sentir desconfortável”, lembra Musnic. Não houve notícias, nem contabilidade, nem acordos de produção de filmes. Então comecei a colocar pressão sobre ele. “

Mas, mais recentemente, em 2018, eles têm se dado bem – tanto que Mosnic e Gross acompanharam Teixeira ao Oscar daquele ano, onde Me chame pelo seu nome Ele ganhou um Oscar de Melhor Roteiro Adaptado. (Texira é uma das 20 produtores certificados do filme.)

O sucesso do filme levou seus sete investidores brasileiros, que esperaram por seis anos enquanto Teixeira os exortava à paciência, a finalmente esperar o retorno do investimento. Não deu em nada – e foi aí que começaram os processos.

Na denúncia de Gross, protocolada em São Paulo, uma das denúncias inclui um investimento de US $ 200 mil no filme de 2017 24 tiros Dirigido pelo diretor iraniano Abbas Kiarostami. Posteriormente, foi revelado que o produtor francês do filme Charles Gilbert, da CG Cinemas, não havia recebido US $ 200.000, e Teixeira não estava de forma alguma envolvido na realização do filme.

READ  Jovens jogadores do FIFA 22 no modo carreira profissional da América do Sul

Esse empréstimo já foi pago – mas dezenas de outros ainda estão faltando. “As rodas que mais rangem tendem a ficar com graxa”, diz Mosnic sobre os esforços de vedação de Teixeira. Em um acordo extrajudicial com outro investidor, filho do gerente bancário brasileiro Carlos Mansour, o cheque de Teixeira foi devolvido, o que levou seu poderoso pai a entrar com uma ação criminal contra Teixeira.

Nos Estados Unidos, o caso continua civil. Também citado nesse processo, Joseph Goss, da JG Management, um gerente de negócios de Santa Monica, aceitou cheques em nome de Teixeira e é acusado em uma reclamação falsa de despesas de fabricação e outras formas de contabilidade criativa. (Geus não retornou uma ligação de THR.)

“O dinheiro fica lá no éter até que você o peça”, diz Mosnic. “O cara não parece estar fornecendo os documentos originais.” Ele acrescenta que a documentação fornecida por Teixeira está “completamente incompleta. É uma grande bagunça”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.