O problema de desligar sua câmera Zoom

Além disso, a abordagem fora da câmera tem o potencial de criar organizações mais inclusivas, diz Gabriel. A pesquisa mostrou que Os recém-chegados às organizações podem experimentar mais estresse do Zoom, porque eles acham que mostrar seus rostos com mais frequência para seus novos companheiros é especialmente importante, diz ela. Mulheres afetado tambémPorque eles são mais propensos a trabalhar em casa Por causa do cuidado infantil. Além disso, a mesma pesquisa descobriu que os introvertidos experimentam o estresse do Zoom mais severamente do que os extrovertidos. Desligar a câmera pode ajudar a aliviar a pressão sobre os trabalhadores desses muitos grupos que podem ser os mais afetados.

Qual é a melhor prática para o futuro?

A boa notícia é que as coisas podem mudar. Enquanto Gabriel acredita que ver as pessoas na frente da câmera ajuda muito os trabalhadores que sentem falta dos colegas, o estresse das videochamadas e Maior impulso à flexibilidade do trabalhador A etiqueta de zoom pode mudar uma nova direção.

Algumas empresas já tornaram as câmeras opcionaisespecialmente como pesquisa adicional Confirma que a abordagem de câmeras opcionais é melhor para a saúde mental das pessoas. Estamos em um “ponto de inflexão, para realmente permitir que as pessoas criem ambientes de trabalho e locais de trabalho que funcionem para elas e não contra elas”, diz Gabriel.

As pessoas encontrarão diferentes equilíbrios. Shen diz que, embora ver pessoas em videochamadas seja útil, “nem sempre pode ser necessário”. Ela sugere que uma equipe poderia fazer três dias de câmeras em uma semana e dois dias de folga, ou algo semelhante para aliviar o estresse do Zoom. “Acho que isso é algo sobre o qual as empresas podem ser mais sábias, ou pelo menos dar uma folga às pessoas”, diz ela.

READ  Reiji teve que lutar pelo Wii Sport como um pacote, e Miyamoto não ficou feliz

Os chefes também precisam confiar nos trabalhadores e aceitar que, se as câmeras estiverem desligadas, isso não significa que as pessoas não estejam engajadas. “Muitas vezes olhamos para a câmera como o único indicador de interação, mas e se usássemos outros recursos com mais cuidado, como enquetes e bate-papos, onde não importa se a câmera de alguém está ligada ou não?” Gabriel diz. Ela diz que o Zoom tem muitas funcionalidades – além da câmera – que mostra a participação dos trabalhadores nas reuniões.

Também acredita que é fundamental para quem está fazendo a ligação definir o tom certo, dizendo aos participantes que ter câmeras não é um requisito – seja um líder de reunião única ou a empresa que define qualquer local remoto – para ter acesso a políticas ou regras estabelecidas.

Empresas e chefes ainda comprometidos em “ligar as câmeras” deveriam se perguntar por que acham que precisam delas. Se é porque temem que os trabalhadores estejam sendo enganados, Gabriel e Shen apontam que a força de trabalho tem se saído bem em telefonemas de décadas. A presença de novas plataformas como o Zoom não significa necessariamente que tudo sobre as práticas antigas esteja desatualizado.

“Só porque a tecnologia pode fazer algo, não significa que sempre faz sentido para nós”, diz Shen.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.