O “Livro das Delícias” de Marcela Lourdy, recolhido por Em Abel

Novas vendas crescentes em “Wheel of Fortune and Fantasy”, vencedora do Grande Prêmio do Júri no Festival de Berlim, a empresa de vendas M-Appeal acaba de lançar-se sobre os direitos mundiais do “Livro das Delícias” brasileiro, de Marcela Lordy “O Livro de Delícias “(” O Livro “dos Praceres ”) – parte de um conjunto de primeiros filmes de uma nova geração de jovens cineastas brasileiras que é um dos novos fenômenos mais interessantes que vemos atualmente no cinema latino-americano.

Também marcando a estreia do primeiro longa de ficção BigBonsai de Deborah Osborne, “O Livro das Delícias” foi co-produzido pela Rizoma e tem sido a força motriz do novo cinema argentino nas últimas duas décadas, levando a vencedores de festivais e mais abertos filmes sobre arte Lado da corrente.

Este último caso é o caso de “The Book of Delights”, co-escrito por Lourdy e a argentina Josefina Trotta, que inclui seus créditos de escrita para a canção “Darkness by Day” de 2013 de Martin DeSalvo.

O Livro das Delícias também se adapta a “Uma Aprendizagem ou Livro dos Prazeres”, um romance tardio escrito por Clarisse Lispector, uma das maiores romancistas contemporâneas do Brasil – embora ainda em grande parte desconhecida ou subestimada. A ludicidade de LeSpector permeia Lourdes, uma saga de amor contemporânea que acompanha a jornada emocional de Lori (Simon Spolador), uma mulher que abandonou a casa de sua família na zona rural do Brasil para dar aulas em uma escola no Rio de Janeiro e herdou o apartamento de sua mãe na praia .

Buscando satisfação sexual, mas emocionalmente insatisfeita por ficar de pé uma noite, ela se sente atraída por Ulisses (Javier Drollas), um autoconfiante professor de filosofia de sua escola. Mas é Ulisses quem espera Lori enquanto ela enfrenta uma crise existencial completa e as normas patriarcais.

READ  Lexington Associates está nomeando Cassio Cassib como consultor sênior para se concentrar no Brasil

Retraída, introspectiva e precisando se reconciliar com outra pessoa e realizar seus próprios desejos, ela hesita em mergulhar no Ulisses e encontrar algum tipo de felicidade.

M-Appeal disse em um comunicado: “Um olhar moderno sobre o trabalho de Lispector”, o filme oferece “uma personagem feminina pioneira que conduz a história de liberdade e empoderamento, uma visão feminina maravilhosa do jogo de sedução e prazer, uma aventura de amor e conquistas femininas no contexto da sociedade patriarcal. “

Adaptando o livro de 1969 para hoje “Quando experimentamos amor desnecessário e fluido e ninguém mais tem paciência ou tempo para os outros”, o que chamou sua atenção sobre a história de Lispector, como disse Lorde, é que “Lori aprende a viver através da humanidade com os desejos , onde o amor não é apenas a gratificação dos instintos.

Ela acrescentou: “Minha grande motivação foi fazer com que o público aceitasse nossa união, nosso entendimento e nosso respeito pela nossa individualidade para vivermos em uma empresa”.

“O Livro das Delícias” é produzido pela bigBonsai e Cinematográfica Marcela, marca registrada do Lordy, e co-produzido pela Rizoma, a carioca República Pureza, e o Canal Brasil, canal brasileiro independente de filmes e séries que tem apoiado a última série da Berlinale. Últimos dias de Gilda “.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *