O G20 pré-aprova um documento sobre gestão de resíduos e economia circular

Meio ambiente e sustentabilidade climática

O roteiro apresentado pela presidência brasileira do G20 inclui propostas dos países membros e destaca o papel dos governadores e prefeitos na implementação de políticas públicas inclusivas. O documento previamente aprovado na reunião de Manus incorpora as perspectivas das comunidades e das comunidades tradicionais na definição de políticas ambientais.

21/06/2024 17h30 – Modificado há 5 dias

O G20 pré-aprova um documento sobre resíduos sólidos e economia circular e discute o papel dos coletores de lixo no sucesso das políticas. Imagem: Audiovisual G20 Brasil

O G20 começou a chegar a acordo sobre um roteiro sobre a gestão de resíduos e a economia circular. O documento foi apresentado pela presidência brasileira e discutido na reunião do Grupo de Trabalho de Sustentabilidade Ambiental e Climática do G20, realizada esta semana em Manaus, capital do estado do Amazonas. O documento inclui propostas de estados membros como Canadá e Austrália.

Segundo Adalberto Maluf, Secretário de Meio Ambiente Urbano e Qualidade Ambiental do Ministério do Meio Ambiente e Mudanças Climáticas (Ministério do Meio Ambiente e Mudanças ClimáticasO Brasil apresentou ao G20 o conceito de economia circular inclusiva que foca em medidas para lidar com resíduos sólidos e fechar aterros. Atualmente, 38% dos resíduos globais ainda não têm destino adequado.

“Estabelecemos certos padrões internacionais para capacitar os coletores de lixo, expandir a reciclagem – e estratégias nacionais para aumentar a compostagem e reduzir o desperdício de alimentos. Também introduzimos estes novos conceitos, que ainda não existem a nível global, de economia circular inclusiva. tendo em conta o impacto que aumenta a reciclagem para os trabalhadores informais, em ações que precisam ser tomadas para promover ainda mais a circularidade”, disse Maloof.

O ministro acrescentou que as discussões estão alinhadas a nível global, estabelecendo padrões para melhorar o design dos produtos e limitar os materiais que não podem ser reciclados, com o objectivo de aumentar a circularidade dos produtos do ponto de vista técnico e biológico. A proposta visa influenciar governadores e prefeitos dos países do G20 a implementar políticas públicas de gestão de resíduos sólidos.

READ  O estado brasileiro do Rio Grande do Sul enfrenta problemas econômicos após as enchentes e um caminho pouco claro para a reconstrução

“Saímos com uma estratégia de implementação proposta pelo Brasil para que a economia circular não seja apenas um conceito, mas uma estratégia de implementação e curso de ação por parte dos governos subnacionais. A presidência brasileira tem sido criativa ao destacar o papel dos prefeitos e dos governos subnacionais, porque em última análise. são eles que implementam políticas de gestão de resíduos e impulsionam a economia”, destacou.

Adalberto Maloof, do MMA, e o embaixador Andre Correa do Lago em entrevista coletiva em Manaus na sexta-feira, 21.
Adalberto Maloof, do MMA, e o embaixador Andre Correa do Lago em entrevista coletiva em Manaus na sexta-feira, 21.

Uma perspectiva social sobre a gestão de resíduos sólidos

O Embaixador Andre Correa do Lago, Secretário de Meio Ambiente e Mudanças Climáticas do Ministério das Relações Exteriores do Brasil, confirmou que os Estados Membros concordaram em incorporar uma perspectiva social nas discussões sobre gestão de resíduos sólidos. Correa do Lago enfatizou que o Brasil, junto com países como Canadá e Austrália, faz questão de incluir os povos indígenas na formulação de políticas ambientais. Para ele, o recente foco nestas comunidades representa um importante avanço, refletindo uma nova percepção global sobre a necessidade de levar em conta as culturas e conhecimentos tradicionais na busca de soluções sustentáveis.

“Quando o Brasil levanta a questão dos catadores de lixo, percebemos quantos países do G20 têm esse problema, mas são ignorados ou esquecidos. O foco do Brasil – e a medida em que os países têm respondido a esse problema – tem sido muito impressionante. prepararemos documentos úteis que serão transmitidos às demais etapas do fórum, até a cúpula dos líderes”, disse Lago sobre a reunião de chefes de estado do G20, que será realizada em novembro, no Rio de Janeiro.

Veja também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *