O fracasso na reforma do Peru deve causar um desvio para a extrema esquerda

Fou muito Neste século, o Peru despontou na América Latina como um sucesso. A economia cresceu a uma taxa média anual de 5,6% entre 2001 e 2016, enquanto a proporção daqueles que vivem abaixo da linha de pobreza nacional diminuiu de mais de 60% para 21% no mesmo período. A desigualdade também diminuiu à medida que a renda das pessoas que vivem nos Andes, há muito a região mais pobre, cresceu mais rápido do que a média nacional. Assim como o Chile e a Colômbia, que também se saíram bem economicamente, o Peru buscou políticas econômicas de livre mercado e crescimento baseado nas exportações, evitando o protecionismo governamental que tem prejudicado a Argentina e o Brasil.

O progresso em grande parte estagnou, primeiro por causa das lutas políticas que produziram quatro presidentes (e oito ministros das finanças) no período de cinco anos. Então veio a epidemia que matou 190.000 peruanos e empurrou três milhões para a pobreza. Agora, o futuro do Peru está refém de um segundo turno presidencial divisionista. Com quase todos os votos apurados, Pedro Castillo, professor de escola rural, agricultor de subsistência e líder sindical, estava vencendo Keiko Fujimori, filha de Alberto Fujimori, o conservador que governou o país como autocrata nos anos 1990. Nenhum dos candidatos é considerado um modelo de democracia.

Castillo representa o clamor por justiça social de um peruano que se sentiu deixado para trás, principalmente durante a pandemia. Ele admira Evo Morales, o ex-homem forte socialista da Bolívia; Seu partido é liderado por um defensor do comunismo cubano e da ditadura da Venezuela. Ele tem pouca experiência política anterior, com poucas entrevistas e poucas indicações de como e com quem governaria. A Sra. Fujimori tem muita bagagem: quando seu partido ganhou a maioria no Congresso do Peru em 2016-2019, ele tentou sabotar um governo eleito, destruir valiosas reformas educacionais e assumir instituições independentes. Mas atraiu o apoio de muitos que temem uma aventura esquerdista.

READ  Estratégia Portuária Brasil está lançando seu programa de privatizações

O Peru agora enfrenta muitos riscos. O primeiro é uma batalha sobre o resultado, que pode levar vários dias para ser anunciado. A Sra. Fujimori imprudentemente alegou fraude eleitoral, sem evidências sérias. A vitória de Castillo, supondo que seja confirmada, apresenta dois outros perigos. Uma é que ele segue o texto populista de esquerda que ele fez campanha: nacionalizar as minas e convocar uma Assembleia Constituinte para escrever uma nova constituição que pode permitir que ele tome o poder quase absoluto, como fez Morales. Com seu mandato sendo frágil (ele ganhou apenas 15% do total de votos no primeiro turno) e ele pode contar com apenas 42 dos 130 novos membros do Congresso, que terão que delegar um conselho, isso pode ser difícil. Mas se o povo comprou, por exemplo, confiscando uma mina ou as reservas do banco central, é possível. O outro risco, mais provável, é um governo fraco e incompetente que cortará os alicerces da estabilidade econômica e levará a uma prolongada crise de confiança. Seul, uma das moedas mais estáveis ​​da região, já perdeu 8% do valor em relação ao dólar neste ano.

A esperança é que Castillo se dê conta de que, para governar com sucesso o país, precisa do apelo da metade que rejeitou. Para conseguir a melhoria que deseja na vida dos peruanos mais pobres em casa, ele precisa de uma economia crescente e sustentável. Existe precedente. Em 2011, os peruanos elegeram Ollanta Humala, um ex-oficial do exército que havia feito campanha contra o “modelo” econômico. Seu governo introduziu algumas reformas benéficas enquanto mantinha a economia em funcionamento. Mas Castillo tem menos conhecimento do mundo e menos tempo para se adaptar do que Humala.

READ  Huawei chinesa lançou segundo data center brasileiro

Como o Peru chegou aqui é uma lição de como desperdiçar o progresso. Há muito tempo está claro que o país precisa complementar uma economia de mercado com um estado mais eficiente para fornecer serviços públicos muito melhores, principalmente os de saúde. Diversificar a economia da mineração requer um maior investimento em pessoas, inovação e infraestrutura. Em vez disso, o establishment conservador se opôs às mudanças. O mesmo fracasso em criar sociedades mais inclusivas mergulhou o Chile e a Colômbia na turbulência. Como enfatizamos nestas páginas nas últimas semanas, a polarização, a fragmentação e o populismo também estão afetando os gigantes da América Latina, Brasil e México. Mas o caso do Peru, com 18 candidatos no primeiro turno, escolhendo então entre dois extremos no segundo turno, é particularmente grave. Ainda pode haver uma maioria moderada no Peru. Você precisará fazer a voz dela ser ouvida.

Este artigo apareceu na seção Líderes da edição impressa sob o título “O Peru está em perigo”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *