O estado brasileiro do Rio Grande do Sul enfrenta problemas econômicos após as enchentes e um caminho pouco claro para a reconstrução

Rio de Janeiro (AP) – Inundações no Brasil causaram… Rio Grande do Sul O estado destruiu quase tudo o que era necessário para a actividade económica, desde lojas locais a fábricas, quintas e pastagens de gado.

O desastre ambiental – sem precedentes na história do estado – prejudicou os transportes, inclusive o aeroporto da capital Porto Alegre, que deverá permanecer fechado por vários meses. Partes das principais rodovias também foram fechadas devido a deslizamentos de terra, estradas e pontes desabadas. Os cortes de energia continuam a atormentar o estado. O governador do estado, Eduardo Leite, disse que o Rio Grande do Sul precisará de “algum tipo de Plano Marshall para reconstruir”, embora não tenha sido identificada uma estratégia exata para fazê-lo de uma forma que minimize futuros desastres climáticos.

Gilberto Zini, lojista de Porto Alegre e proprietário de sua loja há 18 anos, sofreu enormes prejuízos.

“Isso nunca aconteceu antes. É muito triste passar por uma situação como esta depois de tantos anos de trabalho”, disse o homem de 50 anos.

Ele acrescentou: “Mas algumas pessoas pagaram o preço com as suas vidas. Isto é uma perda financeira. Vamos reconstruir. Somos fortes.”

Estádio Beira Rio fica inundado após fortes chuvas em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, terça-feira, 7 de maio de 2024. (AP Photo/Carlos Macedo)

A escala da destruição pode ser comparável à furacão KatrinaO furacão que atingiu Nova Orleans em 2005 causou grande devastação nos serviços, na produção e nas vendas, e muitas pessoas provavelmente perderão seus empregos, disse Sergio Valle, economista-chefe da MB Associates. A economia do Rio Grande do Sul – aproximadamente o tamanho do Uruguai e do Paraguai juntos – crescia 3,5% este ano até abril, mas poderia terminar 2024 com um declínio de 2%, de acordo com a sua previsão. Isto significa uma queda de 0,4% no PIB do país, atualmente esperado em 2%. O Bradesco espera queda de 4%, ou seja, crescimento zero neste ano.

READ  Apex Brasil & Elets organiza AgriTalks, Webinar sobre Inovações Agropecuárias e Segurança Alimentar em 28 de setembro - Revista E-Government

A maioria dos 497 municípios do estado foi afetada e as perdas financeiras já atingiram 10 bilhões de reais (US$ 1,9 bilhão), estimou a União Nacional dos Municípios no início deste mês. Segundo estimativas divulgadas pela Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul na semana passada, cerca de 94% da atividade econômica do estado foi interrompida de uma forma ou de outra.

“Inúmeros negócios foram completamente interrompidos. Além das enormes perdas financeiras, os problemas logísticos provavelmente terão um impacto significativo em toda a atividade económica do estado”, afirmou um estudo preliminar de 13 de maio.

foto

Homem caminha por área inundada por fortes chuvas, em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, 3 de maio de 2024. (AP Photo/Carlos Macedo)

As áreas mais atingidas incluem Porto Alegre e a região da Serra, no nordeste do estado, que abriga fábricas de automóveis, máquinas e móveis. Fortes chuvas também atingiram os vales do Rio Pardo e Tacuari, conhecidos por suas indústrias de carne. O Rio Grande do Sul responde por 12,6% do robusto PIB agrícola do país, segundo o banco local Bradesco. Quase 70% do arroz do Brasil e 13% dos seus produtos lácteos vêm do estado, de acordo com um relatório da S&P Global de 13 de maio.

“Muitas vezes são necessários 10 anos para um município inundado regressar ao seu nível anterior de actividade económica”, disse Gustavo Pinheiro, membro associado sénior do think tank sobre alterações climáticas E3G.

O número de vítimas humanas devido às chuvas torrenciais atingiu até agora pelo menos 163 pessoas, e 72 pessoas ainda estão desaparecidas. Mais de 640 mil pessoas foram forçadas a fugir das suas casas, incluindo 65 mil pessoas que estavam abrigadas em escolas e ginásios.

READ  Fortalecimento das relações econômicas entre Brasil e Coreia

O governo federal brasileiro anunciou um pacote de ajuda no valor de 50,9 bilhões de reais (US$ 10 bilhões) para funcionários, beneficiários de assistência pública, estados, municípios, empresas e produtores rurais. Mas à medida que o tempo passa e os níveis de água permanecem elevados, a quantidade necessária para reconstruir continua a aumentar, disse a Vale. Ele estimou que o valor poderia chegar a 120 bilhões de reais (US$ 29 bilhões).

Embora o montante total necessário ainda não esteja claro, o custo para o orçamento federal surge num momento em que a dívida pública está a aumentar em percentagem do PIB, o que poderia tornar o Brasil menos atraente para os investidores.

Este não deve ser responsabilizado pela área inundada, disse Carla Bini, economista da Fundação Getulio Vargas, um think tank e universidade.

“O governo federal não pode deixar de apoiar um estado que foi completamente devastado só porque o mercado financeiro acredita que existe um risco financeiro”, disse Binney.

As fortes chuvas que causaram as inundações podem ser atribuídas principalmente às alterações climáticas causadas pelo homem, de acordo com uma avaliação publicada em 10 de Maio pela ClimaMeter, uma equipa científica de modelização climática da Universidade de Paris-Saclay, em França.

A enchente deste mês foi a quarta que o Rio Grande do Sul sofreu em um ano, depois das enchentes de julho, setembro e novembro de 2023 que mataram 75 pessoas no total. Desde 2000, os desastres relacionados com inundações em todo o mundo aumentaram 134% nas duas décadas anteriores, de acordo com um relatório de 2021 da Organização Meteorológica Mundial. Os países investiram em enormes projectos de infra-estruturas para evitar danos causados ​​por inundações.

Após o furacão Katrina, o governo federal gastou 14,5 mil milhões de dólares em bombas, diques e muros para proteger Nova Orleães, reduzindo significativamente os danos causados ​​pelo furacão Ida em 2021. As autoridades de Tóquio gastaram milhares de milhões de dólares num canal de drenagem subterrâneo na área urbana. Outros promovem o conceito de “cidades esponja”, que visam transformar áreas urbanas em parques naturais que melhorem a drenagem e reduzam os riscos de inundações.

Na sexta-feira, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou uma lei que suspende o pagamento da dívida do Rio Grande do Sul por três anos. O dinheiro que deveria pagar dívidas ao governo federal deveria, em vez disso, ser usado para combater e reduzir os danos causados ​​pelas inundações. O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse que seu ministério ajudaria a recuperar grandes empresas do estado.

Mas o sucesso a longo prazo dependerá de escolhas globais – especialmente da queima de carvão, petróleo e gás que impulsiona as alterações climáticas. Cientistas e especialistas em energia há muito que desenvolvem visões diferentes sobre como as alterações climáticas irão afectar a economia global. Roteiros e soluções para reduzir gases de efeito estufa Como o dióxido de carbono e o metano, que aquecem o planeta e tornam os desastres climáticos mais frequentes. Há esperança no futuro, como afirmou a Agência Internacional de Energia no seu relatório. Perspectivas Energéticas Globais 2023.

Ao mesmo tempo, o Estado terá de se reconstruir de uma forma que reduza a exposição. O estado do Rio Grande do Sul construiu barragens após grandes enchentes em 1941, mas essas barragens se mostraram insuficientes este ano devido à falta de manutenção. Um grupo de especialistas já apelou a mais medidas de controlo de inundações. Casas e empresas também podem precisar se afastar da costa e das margens dos rios.

Os políticos do Rio Grande do Sul e do governo federal também estão em conflito sobre a resposta à crise e a reconstrução. Enquanto o governo de esquerda considera a possibilidade de cavar um canal para acelerar o fluxo de água do Lago dos Patos para o mar, Leite, de centro-direita, disse que o projeto “seria muito difícil de implementar” e poderia prejudicar os ecossistemas, jornal O Globo relatado.

Benny, economista da FGV, disse que o estado deveria aprovar legislação para proteger o meio ambiente do estado.

“As políticas de negação das alterações climáticas que favorecem o desmantelamento das leis ambientais cobram um preço muito elevado”, disse ela. Ela acrescentou que se nada for feito, “o Rio Grande do Sul passará por essas tragédias a cada dois ou três anos. Não haverá tempo para reconstruir antes que seja inundado novamente”.

foto

A cidade de Porto Alegre é inundada após fortes chuvas em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, quarta-feira, 8 de maio de 2024. (AP Photo/Andre Penner)

___

O redator da Associated Press, Lucas Dumfries, contribuiu para este relatório.

___

A cobertura climática e ambiental da AP recebe apoio financeiro de diversas fundações privadas. A Associated Press é a única responsável por todo o conteúdo. Encontre cobertura AP sobre clima e meio ambiente Padrões Para trabalhar com instituições de caridade, lista de apoiadores e áreas de cobertura financiadas em AP.org.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *