O estado australiano de Victoria exclui completamente pessoas não vacinadas da economia

RIO DE JANEIRO, BRASIL – O primeiro-ministro Dan Andrews anunciou que o estado australiano de Victoria impedirá que pessoas não vacinadas participem da economia.

Victoria está atualmente sob restrições de cerco muito severas. Os residentes de Melbourne, que constituem a grande maioria da população do estado, vivem abaixo do toque de recolher das 21h às 5h e só podem sair de casa para trabalhar, comprar comida ou receber vacinas da Covid.

O primeiro-ministro Dan Andrews disse no domingo que, quando o bloqueio for suspenso, as futuras restrições se aplicarão apenas às pessoas que não foram vacinadas.

“Haverá uma economia de vacinação e você poderá participar dela se for vacinado”, disse Andrews. Agiremos para prevenir pessoas não vacinadas que podem ser vacinadas para proteger o sistema de saúde.

Leia também: Confira nossa cobertura dos relatórios dos oponentes na Covid-19

Andrews também compartilhou que um “passaporte de vacinação” será introduzido nas próximas semanas na região de Victoria, onde a prova de vacinação é necessária para entrar em bares e restaurantes. Segundo relatos, os empresários estão aprovando a ideia.

Um disse: “Embora não desejemos que ninguém seja rejeitado, temos que fazer o que for necessário para garantir que nossos negócios continuem.”

Neste verão, o governo australiano decidiu introduzir o sistema de passaportes vitorianos, para espalhá-lo por todo o país.

Andrews não é o único primeiro-ministro australiano que colocou obstáculos dolorosos no caminho de seu povo.

Na vizinha Nova Gales do Sul, a primeira-ministra Gladys Berejiklian impôs um bloqueio estrito semelhante no mês passado que deve durar pelo menos até o final de setembro e atualmente está sendo executado por centenas de policiais e soldados nas ruas de Sydney.

READ  Grande nova rodada de Nubank, regras de leilão 5G lançadas, início do open banking

A polícia também foi autorizada a fechar condomínios inteiros e a pedir aos moradores que denunciassem os “cheques”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *