Norte vai investir “dois mil milhões de euros” na redução dos incêndios

Estas metas regionais constam do Plano de Ação do Comité Regional para a Gestão Integrada dos Incêndios Rurais do Norte, aprovado sexta-feira em Vila Real e divulgado hoje pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CRC-Norte).CCDR-N).

“Este plano é um esforço coletivo de toda a região, das suas instituições, em particular das comunidades municipais, cujo contributo é fundamental. concretamente, o exercício das competências dos entes municipais e das autarquias”, referiu. O Presidente da CCDR-N, António Cunha, em comunicado.

Entre as metas regionais definidas até 2030 estão a redução da área queimada acumulada (até 242.000 ha), a redução do número de queimadas em 80% nos dias de alto risco de incêndio, o gerenciamento efetivo de 700.000 ha de combustível e um 8 aumento percentual do Valor Aditivo total (VAB) ao setor florestal, apoiando mais de 3.000 projetos de diversificação e valorização da economia rural e florestal.

O plano de ação, que já foi aprovado e será submetido à Comissão Nacional, é composto por 52 projetos regionais, 12 dos quais classificados como grandes projetos, com o objetivo de “proteger Portugal dos incêndios rurais perigosos”. A Comissão refere que “o investimento total na próxima década deverá ascender a cerca de dois mil milhões de euros”.

Segundo dados da CCDR-N, entre 2010 e 2019 o Norte registou mais de 110 mil incêndios rurais, representando cerca de 65% do total nacional. Em termos de área ardida, no mesmo período, o Norte representava 40% do total nacional, com mais de 559 mil hectares. A norte, segundo a CCDR-N, as florestas representam 61% de todo o território territorial e 68% da área total dos baldios em Portugal. Acrescentando que esta região é também responsável por 32% da área classificada como “concessão ambiental” e está sujeita ao “regime florestal” de todo o país.

READ  Quinta do Crasto do Douro Portugal | Times Weekly

O Plano de Ação para a Região Norte tem um horizonte de aplicação até 2030 e pretende ser um contributo para o “Sistema Integrado de Gestão de Incêndios Rurais”, aprovado pelo Governo em 2020.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.