No Oregon, os cientistas encontraram uma variante viral com uma mutação alarmante

Cientistas em Oregon descobriram uma versão localizada de um tipo de coronavírus de rápida disseminação que apareceu pela primeira vez na Grã-Bretanha – mas agora foi combinado com uma mutação que pode tornar a alternativa menos vulnerável às vacinas.

Até agora, os pesquisadores encontraram apenas um caso dessa enorme mistura, mas a análise genética indicou que a variante foi adquirida na comunidade e não vista no paciente.

“Não importamos isso de nenhum outro lugar do mundo – aconteceu automaticamente”, disse Brian Uruk, geneticista da Universidade de Ciências e Saúde do Oregon que liderou o trabalho. Ele e seus colegas estão envolvidos nos esforços dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças para rastrear variantes e fizeram o depósito Seus resultados Em bancos de dados compartilhados por acadêmicos.

A variante originalmente identificada na Grã-Bretanha, chamada B.1.1.7, foi a Se espalha rapidamente Nos Estados Unidos, é responsável por pelo menos 2.500 casos em 46 estados. Este tipo de vírus tanto Mais contagiante, E as Mais mortal, Da versão original e deve ser responsável pela maioria dos ferimentos na América dentro de algumas semanas.

A nova versão que apareceu no Oregon tem o mesmo backbone, mas também uma mutação – E484K, ou “Eek” – que foi vista em diferentes tipos de vírus que circulam na África do Sul, Brasil e Cidade de Nova York.

Estudos de laboratório E a Testes clínicos Na África do Sul Isso indica que a mutação Eek está tornando as vacinas atuais menos eficazes ao suprimir a resposta imunológica do corpo. (As vacinas ainda estão funcionando, mas os resultados são alarmantes o suficiente como Pfizer-BioNTech e Moderna Começado Testes Novos lançamentos De suas vacinas destinadas a derrotar a variante encontrada na África do Sul.)

READ  Últimas notícias sobre casos, vacinas e gatilhos

A variante B.1.1.7 também apareceu com Eek na Grã-Bretanha, e os cientistas a classificaram como a “variante de preocupação”. O Dr. Urwak disse que o vírus identificado no Oregon parece ter evoluído de forma independente.

O Dr. Uruk e seus colegas descobriram a discrepância entre as amostras de coronavírus coletadas pelo Laboratório de Saúde Pública do Oregon em todo o estado, incluindo algumas de surtos em ambientes de saúde. Dos 13 resultados de teste que analisaram, 10 foram considerados B.1.1.7 sozinhos e um era o grupo.

Outros especialistas disseram que a descoberta não foi surpreendente, porque a mutação Eek apareceu em formas do vírus em todo o mundo. Mas eles disseram que a ocorrência do boom em B.1.1.7 valeu a pena ser observada.

Na Grã-Bretanha, esta versão da variável representa um Um pequeno número de casos. Mas quando a fórmula foi desenvolvida lá, B.1.1.7 já havia se espalhado por todo o país.

“Estamos no ponto em que B.1.1.7 está apenas sendo introduzido” nos Estados Unidos, disse Stacia Wayman, especialista em genômica computacional da Universidade da Califórnia, Berkeley. “À medida que se desenvolve, e lentamente se torna a coisa dominante, mais mutações podem se acumular.”

As mutações virais podem reforçar ou enfraquecer umas às outras. Por exemplo, as variantes identificadas na África do Sul e no Brasil contêm muitas das mesmas mutações, incluindo Eek. Mas a versão brasileira tem uma mutação, a K417N, não encontrada na versão sul-africana.

Em um estudo publicado quinta-feira na revista Nature, os pesquisadores fizeram: Comparação de respostas de anticorpos Para todas as três variantes preocupantes – aquelas identificadas na Grã-Bretanha, África do Sul e Brasil. Em linha com outros estudos, eles descobriram que a variante que atingiu a África do Sul era mais resistente aos anticorpos produzidos pelo sistema imunológico.

READ  Os vastos "cinturões" ao redor da Terra aceleram partículas próximas à velocidade da luz, e agora sabemos

Mas a variante prevalente no Brasil não era resistente, embora carregue a mutação Eek. “Se você tiver a segunda mutação, não verá um efeito negativo”, disse Michael Diamond, imunologista viral da Universidade de Washington em St. Louis, que liderou o estudo.

É muito cedo para dizer se a mãe substituta do Oregon se comportará da mesma forma que as da África do Sul ou do Brasil. Dr. Wyman disse que a ideia de que outras mutações poderiam enfraquecer o efeito do Eek é “uma excelente notícia”.

No geral, disse ela, a descoberta de Oregon reforça a necessidade de as pessoas continuarem tomando precauções, como usar máscara, até que uma grande parte da população seja vacinada.

“As pessoas não precisam ter medo, mas sim continuar vigilantes”, disse ela. “Não podemos baixar a guarda ainda enquanto houver mais variáveis ​​transferíveis em circulação.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *