Missão palestina no Brasil busca comércio direto

Izora Daniel
[email protected]

São Paulo – importante empresários palestinos O Brasil pretende tornar mais direto o comércio e o turismo entre os dois países. O grupo iniciou suas atividades em São Paulo na segunda-feira (15), com reunião na sede da Câmara de Comércio Árabe Brasileira (ABCC), e ficará até sexta-feira (19), coincidindo com o período da APAS feira de supermercados que a delegação visitará.

A delegação palestina foi recebida por diversos executivos da ABCC

Palestina negócios Com o Brasil, mas a maior parte do fluxo passa por Israel. A mesma coisa acontece em turismo. A Palestina recebe visitantes brasileiros, mas muitas pessoas vão para a região por meio de agências de viagens israelenses, que não são a favor do uso de estruturas turísticas palestinas, como hotéis. Também dificulta a falta de uma rota marítima direta logística.

Em conexão com esta realidade e o desejo de construir um fluxo comercial sem intermediários em Brasil e Palestina Relacionamentos, os empresários conversaram com o secretário-geral e diretor-executivo da ABCC, Tamer Mansour, e outros executivos da entidade na manhã desta sexta-feira. A Missão Palestina no Brasil é promovida pelo Fórum de Empresários Palestinos, presidido por Amer Osaily (imagem de abertura)liderando a comitiva em São Paulo.

Os homens de negócios discutiram o comércio direto

Segundo Osaily, o objetivo é ampliar os negócios com o Brasil em seis setores de atuação da entidade que comanda; Indústria, comércio, construção, serviços, agricultura e medicina. A instituição também tem boas ligações com o setor educacional e atua no turismo para criar um fluxo direto de visitantes brasileiros. “Temos capacidade e infraestrutura para isso”, disse Osaily à ANBA.

Osaily acredita que a participação na APAS pode ser uma boa oportunidade para reuniões B2B e mais comércio face a face. Os palestinos têm interesse em exportar e importar do Brasil, neste último caso, desde matérias-primas até produtos prontos. Osaily mencionou que os produtos que a Palestina vende para o mercado brasileiro, como pedras, tâmaras, legumes, flores, azeite e outros – nós temos muitos produtos. “Podemos exportar direto para o Brasil”, disse.

Conheça a Embaixadora Candace

Empresário pensou Mercosul Palestina Um acordo de livre comércio pode ajudar a impulsionar os negócios. Foi sancionada em 2011 pelo Congresso Nacional brasileiro, mas ainda está pendente na Argentina, Paraguai, Uruguai e Palestina. E com a Palestina assinando o acordo, ele já pode ser aplicado ao Brasil. “Estamos falando de isenção de tarifas, o que pode beneficiar o consumidor”, diz Osaily.

READ  Defesa americano John Brooks assina com o Benfica de Portugal

O chefe da delegação na reunião do ACC destacou o incentivo do embaixador Alessandro Candice, chefe do escritório de representação do Brasil em Ramallah, e do embaixador da Palestina em Brasília, Ibrahim Al Zaben, para o desenvolvimento das relações Brasil-Palestina. O grupo se encontrou com Candace na Palestina antes da viagem.

empresas palestinas

Onze empresas compõem a delegação palestina no Brasil. Eles trabalham com produtos e setores como bebidas energéticas, uniformes, casa, construção, máquinas e muito mais. A meta de Amer Al-Esseily é ter um estande dedicado ao seu país, a Palestina, na próxima edição da APAS.

A reunião contou com a presença de membros da delegação palestina, Mohsen Al-Shaarawy, CEO da Al-Shaarawy Company for Investment and Trade. Sufian Sami, Diretor da Palestine Poultry Company (Aziza), Southern Branch. Ali Darwish, Diretor de Negócios da De-Brasil; Mamoun Manasra, Diretor Financeiro da Federação Árabe Palestina do Brasil (FEPAL); E o empresário Nadim Abu Siriya.

A Câmara Árabe Brasileira

Além de Mansour, outros executivos da ABCC marcaram presença no evento, como o diretor de novos negócios Guilherme Fedozzi, o analista de negócios internacionais Leonardo Machado e o diretor de inteligência de mercado Marcos Vinicius. Eles conversaram com os palestinos sobre o mercado brasileiro de alimentos e as peculiaridades de negociar com os brasileiros.

Traduzido por Elsio Brasileiro

A Câmara Árabe Brasileira

Isaura Daniel / ANBA

Comunicado de imprensa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *