| Ministro Marcos Pontes Agenthia Brasil diz que falta de concorrência pode afetar pesquisa

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marcos Pontes, disse hoje (6) que a falta de concursos públicos pode prejudicar a produção de pesquisa do país. A afirmação veio durante audiência pública na Câmara dos Deputados, após os deputados exigirem do ministro uma “defesa severa” do setor.

Segundo Pontes, o maior problema de sua carteira é a falta de pessoal. A segunda é a falta de orçamento. “Não temos concurso público. Não posso remanejar pesquisadores. Tem o Instituto Nacional da Mata Atlântica, que tem 14 pesquisadores e metade deles pode se aposentar. Se aposentarem o instituto fecha, o que eu faço? “, disse o ministro.

No início da apresentação, Pontes apresentou aspectos considerados essenciais para o desenvolvimento da ciência, tecnologia e inovação no país. Salientou que esta é uma ferramenta “essencial” para o desenvolvimento económico e social de qualquer país, e que são precisamente estas as áreas que caracterizam os que estão em fase mais avançada. O Ministro descreveu as áreas de trabalho e os princípios orientadores da sua pasta que têm vindo a ser focados desde o cenário alcançado em 2019, altura em que assumiu o cargo, e descreveu as estruturas e estratégias adotadas em projetos e programas.

Segundo o ministro, o orçamento previsto na proposta de lei do orçamento é insuficiente para o financiamento regular do ministério. “Nosso orçamento estimado para este ano é de R$ 2,6 bilhões, sendo R$ 1 bilhão destinado a verbas para o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPQ), o que é essencial. Então não podemos mexer. São R$ 1,6 bilhão. esquerda”, disse ele, olhando para o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico.E tecnologia, o que estava no orçamento era de cerca de R$ 600 milhões.

“Isso deixa R$ 1 bilhão, temos 27 unidades atreladas. Dá cerca de R$ 30 ou 40 milhões por unidade. Tem unidades como o programa espacial, como o programa nuclear, que precisam de muito mais.

READ  Sony Music compra Som Livre, maior gravadora nacional do Brasil, por US $ 255 milhões

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *