Manifestantes anti-vacina tentam invadir o parlamento búlgaro

SOFIA (Reuters) – Manifestantes anti-vacinas tentaram invadir o parlamento búlgaro nesta quarta-feira e entraram em confronto com policiais durante uma grande manifestação contra as restrições ao coronavírus no centro de Sofia.

As tensões aumentaram uma hora depois que cerca de 3.000 pessoas se reuniram em frente ao prédio do parlamento para exigir o levantamento da autorização de saúde obrigatória, que, segundo eles, violou seus direitos e serviu como porta dos fundos para forçar as pessoas a serem vacinadas.

Os manifestantes, muitos dos quais chegaram em ônibus para participar da marcha, empurraram um cordão policial ao redor do Parlamento e chegaram às portas da frente do prédio.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Eles não chegaram ao ponto de intrusão e pediram aos legisladores que saíssem e respondessem às suas demandas. Várias pessoas, incluindo policiais, ficaram feridas durante os breves confrontos.

Eles agitaram bandeiras nacionais e as bandeiras do partido ultranacionalista Ennahda que organizou a manifestação, gritaram slogans de “liberdade” e “máfia” e denunciaram todas as medidas contra o vírus.

“Não concordo com os certificados verdes. Não concordo em impedir que as crianças frequentem as aulas. Não vejo a lógica dessas coisas”, disse o engenheiro Asparuh Mitov, 39, à Reuters no início da marcha. .

Manifestantes brigam com a polícia enquanto tentam entrar no prédio do parlamento durante uma manifestação organizada pelo partido político Vasrazdan (Revival) contra as medidas do governo para conter a propagação da doença por coronavírus (COVID-19), em Sofia, Bulgária, 12 de janeiro de 2022 . REUTERS/Stoyan Nenov

Os búlgaros são obrigados a usar máscaras em ambientes fechados e nos transportes públicos e apresentar um cartão de saúde, que é entregue a pessoas vacinadas, recuperadas ou com resultado positivo para o vírus, para entrar em restaurantes, cafés, shopping centers e academias.

READ  A Associated Press contesta Israel, dizendo que "não há indicação" que o Hamas usou o prédio de Gaza

A Bulgária, o país menos vacinado da União Europeia, registrou um aumento recorde de infecções diárias na quarta-feira, alimentado em grande parte pela variante altamente contagiosa Omicron.

O primeiro-ministro Kirill Petkov, que assumiu o cargo no mês passado prometendo estimular a vacinação no país balcânico, disse à BTV que lamenta não poder encontrar os manifestantes, mas estava pronto para fazê-lo na sexta-feira, quando a quarentena terminar.

Petkov, o presidente Rumin Radev e ministros seniores entraram em auto-isolamento depois que um participante de uma reunião de segurança a que compareceram na segunda-feira testou positivo para o coronavírus.

Ele reiterou que o cartão de saúde não será levantado.

“Neste momento, quando os casos estão aumentando, e com o entendimento da ligação entre o número de pessoas vacinadas e a liberação de saúde, não pode ser aumentado”, disse Petkoff.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

(Reportagem de Tsvetilia Tsolova) Edição de Emilia Sithole Mataris

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *