Mais oligarcas russos com passaportes portugueses

De acordo com um relatório do Publico, Roman Abramovich não foi o único russo que recebeu a cidadania portuguesa sob a lei sefardita. O jornal informou que André Rappaport também obteve passaporte português. Com uma fortuna estimada em € 1,2 bilhão pela Forbes, um bilionário nascido na antiga República Soviética da Ucrânia em 1963, chefiou o Alpha Bank entre 1992 e 1996.

No início dos anos 2000, mudou-se para a Yukos e começou a supervisionar as empresas estatais russas de energia, tornando-se presidente do conselho da gigante Federal Grid Company. Seis anos depois, ele assumiu o controle da Energostroyinvest-Holding, que na época era a maior empresa de construção de redes elétricas e usinas termelétricas na Rússia e que tinha contratos significativos com o FGC.

Publico afirma que Andrei Rappaport obteve passaporte português em 30 de dezembro de 2019, um ano e meio antes de Abramovich obter a cidadania portuguesa, também por ordem da então Ministra de Estado da Justiça, Annabella Pedroso. Todos os judeus sefarditas são acreditados pela Comunidade Israelita do Porto (CIP).

Por sua vez, o oligarca russo, o ex-vice-presidente do Congresso Judaico Mundial, Deus Nisanov, e o “Rei Diamante” Lev Leviev aguardam a naturalização portuguesa.

Recentemente, Blinken descreveu Nisanov como “um dos homens mais ricos da Europa” e “um colaborador próximo de muitas autoridades russas”, depois de ter sido homenageado no Kremlin em julho de 2014 por Putin com a Ordem da Amizade. Em 26 de junho de 2020, requereu a cidadania portuguesa na Conservatória dos Registos Centrais, após apresentação de certidão emitida pela CIP comprovando a sua origem sefardita.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.