Mais de 1.000 peregrinos morreram durante a temporada do Hajj deste ano

Cairo (AP) – Mais de mil pessoas morreram durante… Temporada de Hajj este ano no Reino da Arábia Saudita Os crentes enfrentaram temperaturas extremamente altas em locais sagrados islâmicos no reino do deserto, disseram autoridades no domingo.

Mais da metade dos mortos eram egípcios, segundo autoridades do Cairo. As autoridades egípcias disseram que o Egito cancelou as licenças de 16 agências de viagens que ajudavam peregrinos não autorizados a viajar para a Arábia Saudita.

Reino da Arábia Saudita Não houve comentários sobre mortes durante o Hajj É exigido de todo muçulmano capaz uma vez na vida.

O governo egípcio anunciou a morte de 31 peregrinos autorizados devido a doenças crónicas durante a época do Hajj deste ano, mas não forneceu uma contagem oficial de outros peregrinos.

No entanto, um funcionário do gabinete disse que pelo menos 630 outros egípcios morreram durante a realização do Hajj, a maioria deles relatados no complexo de emergência no distrito de Al-Ma’aisem, em Meca. Um diplomata egípcio confirmou este número e disse que a maioria dos mortos foi enterrada na Arábia Saudita.

As autoridades falaram sob condição de anonimato porque não estavam autorizadas a informar os repórteres.

As autoridades sauditas tomaram medidas rigorosas contra peregrinos não autorizados, expulsando dezenas de milhares de pessoas. Mas muitos, a maioria egípcios, conseguiram chegar aos locais sagrados dentro e ao redor de Meca, alguns a pé. Ao contrário dos peregrinos autorizados, não tinham hotéis para escapar do calor escaldante.

O governo afirmou no seu comunicado que as 16 agências de viagens não forneceram serviços adequados aos peregrinos. Afirmou que estas agências facilitaram ilegalmente a viagem de peregrinos à Arábia Saudita utilizando vistos que não permitem aos seus titulares viajar para Meca.

READ  Príncipe Charles não receberá doações em dinheiro após o acidente com o saco de dinheiro

O governo também disse que funcionários da empresa foram encaminhados ao Ministério Público para investigação.

Os mortos também incluíram 165 peregrinos da Indonésia, 98 da Índia e dezenas de outros da Jordânia, Tunísia, Marrocos, Argélia e Malásia, de acordo com uma contagem da Associated Press. Dois peregrinos americanos também foram mortos.

Peregrinos muçulmanos usam guarda-chuvas para se protegerem do sol ao chegarem para atirar pedras em pilares no apedrejamento simbólico do diabo, o último ritual do Hajj anual, em Mina, perto da cidade sagrada de Meca, na Arábia Saudita, terça-feira, junho 18 de outubro de 2024. (Foto (AP/Rafiq Maqbool)

A Associated Press não conseguiu confirmar de forma independente as causas da morte, mas alguns países como a Jordânia e a Tunísia atribuíram a culpa às altas temperaturas.

Jornalistas da Associated Press testemunharam peregrinos perdendo a consciência devido ao calor extremo durante o Hajj, especialmente no segundo e terceiro dias. Alguns vomitaram e desmaiaram.

As mortes não são raras durante a temporada do Hajj, que às vezes viu mais de dois milhões de pessoas viajarem para a Arábia Saudita para realizar o Hajj de cinco dias. A história do Hajj também testemunhou tumultos e epidemias mortais.

Mas o número deste ano foi invulgarmente elevado, indicando circunstâncias excepcionais.

Em 2015, uma debandada em Mina durante a temporada do Hajj matou mais de 2.400 peregrinos.É o incidente mais mortal já ocorrido no Hajj, de acordo com a AP. A Arábia Saudita nunca reconheceu o número total da debandada. Um guindaste separado desabou na Grande Mesquita de Meca No início do mesmo ano, 111 foram mortos.

O segundo acidente mais mortal durante a temporada do Hajj foi a debandada que ocorreu em 1990 e levou à morte de 1.426 pessoas.

READ  A Ucrânia tem um conjunto de novas armas ocidentais. Que vantagens podem oferecer no contra-ataque?

Durante o Hajj deste ano, as altas temperaturas diárias variaram entre 46 graus Celsius (117 graus Fahrenheit) e 49 graus Celsius (120 graus Fahrenheit) em Meca e nos locais sagrados dentro e ao redor de Medina, de acordo com o Centro Meteorológico Nacional Saudita. Algumas pessoas desmaiaram ao tentar realizar o procedimento O apedrejamento é um símbolo de Satanás.

O Hajj, um dos cinco pilares do Islã, é uma das maiores reuniões religiosas do mundo. Mais de 1,83 milhões de muçulmanos realizaram o Hajj em 2024, incluindo mais de 1,6 milhões de 22 países, e cerca de 222 mil cidadãos e residentes sauditas, de acordo com as autoridades sauditas do Hajj.

A Arábia Saudita gastou milhares de milhões de dólares no controlo de multidões e em medidas de segurança para aqueles que participam no Hajj anual de cinco dias, mas o grande número de participantes torna difícil garantir a sua segurança.

As alterações climáticas podem aumentar os riscos. Um estudo de 2019 realizado por especialistas do Instituto de Tecnologia de Massachusetts descobriu que mesmo que o mundo consiga mitigar os piores efeitos das alterações climáticas, o Hajj será realizado a temperaturas que excederão o “limiar de perigo extremo” de 2047 a 2052, e de 2079 a 2079. 2052. 2086.

O Islã segue o calendário lunar, então o Hajj ocorre aproximadamente 11 dias antes a cada ano. Em 2029, o Hajj ocorrerá em abril e vários anos depois, no inverno, quando as temperaturas serão mais moderadas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *