Incêndios na Amazônia brasileira diminuem em setembro

Um avião de combate a incêndios brasileiro voa em busca de incêndios florestais na região da floresta amazônica do estado de Rondônia, Brasil, em 28 de setembro de 2021. Foto tirada em 28 de setembro de 2021. REUTERS / Adriano Machado

Dados do governo mostraram, quinta-feira, que os incêndios na floresta amazônica brasileira caíram cerca de metade em setembro em comparação com o ano passado, à medida que as chuvas e iniciativas de aplicação da lei ajudaram a mitigar a devastação.

Uma testemunha da Reuters no estado amazônico de Rondônia viu apenas dois incêndios em um sobrevoo de 40 minutos. A visibilidade era boa, em nítido contraste com a fumaça densa que cobriu a área durante o auge da temporada de queimadas em 2019 e 2020.

A morna temporada de incêndios ocorre depois que grandes incêndios eclodiram em 2019 e 2020, gerando indignação global porque o presidente de direita Jair Bolsonaro não fez o suficiente para proteger a maior floresta tropical do mundo.

Os satélites registraram 16.747 disparos nos primeiros 29 dias de setembro, em comparação com 32.0174 em um mês inteiro em 2020, de acordo com dados preliminares da Agência Nacional de Pesquisas Espaciais do Brasil.

“Isso realmente ajudou Raines e, em algumas áreas específicas, a conduta das agências de fiscalização também foi muito importante”, disse Alberto Setzer, um cientista sênior especializado em dados de incêndio em Enppi.

“Milhares de multas foram emitidas por desmatamento ilegal e incêndios na região amazônica”.

A Amazônia viu mais chuvas entre 24 e 28 de setembro, de acordo com um boletim de incêndio preparado por vários órgãos do governo e revisado pela Reuters. As previsões até 6 de outubro mostram que chuvas fortes são esperadas em todo o país.

READ  Bolsonaro enfrenta reação após o cancelamento de investigação de corrupção no Brasil

O coronel Luis Antonio Ferreira Marques Ramos, assessor do vice-presidente Hamilton Mourão, disse que as medidas integradas do governo para conter os incêndios também são necessárias para limitar os danos.

Mourão supervisionou a política da Amazônia desde o início da presidência de Bolsonaro e presidiu esforços coordenados entre militares, agências ambientais, polícia e outras agências governamentais envolvidas no combate a incêndios e desmatamento.

Na quarta-feira, o Departamento de Defesa lançou uma nova ferramenta baseada em dados de satélite que, segundo ele, ajudará na priorização mais rápida de onde concentrar os esforços de combate a incêndios.

(Reportagem adicional de Leonardo Benissato em Porto Velho e Jake Spring em Brasília) Edição de Alistair Bell

Nossos critérios: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *