Hiperglicemia moderada para predizer progressão para diabetes tipo 2 (ELSA-Brasil): um estudo de coorte ocupacional no Brasil

fundo

O fardo do diabetes está aumentando em todo o mundo e o diabetes pode ser prevenido por meio de intervenção em pessoas com tolerância à glicose diminuída (IGT). A hiperglicemia moderada sem um teste de tolerância à glicose oral é definida como um desequilíbrio da glicose em jejum (IFG) e açúcar no sangue elevado (HbA)1 c Também é usado para caracterizar riscos. Nosso objetivo foi avaliar as propriedades prognósticas de cinco definições de hiperglicemia moderada (também conhecida como pré-diabetes) com base em sua capacidade de prever quem desenvolverá diabetes.

Técnicas

O Estudo Longitudinal da Saúde do Adulto (ELSA-Brasil) é um estudo de grupo profissional com servidores públicos ativos ou aposentados, com idades entre 35 e 74 anos, recrutados em universidades públicas e institutos de pesquisa em seis capitais brasileiras. Excluímos participantes que forneceram informações insuficientes para confirmar o status de diabetes, aqueles sem informações sobre covariáveis ​​relevantes e aqueles com diabetes. Classificamos o diabetes tipo 2 com base no autorrelato, uso de medicamentos, medidas de glicose plasmática em jejum (FPG), 2 horas de glicose plasmática e HbA.1 c. Usamos cinco definições laboratoriais de hiperglicemia moderada: IGT (2 horas de glicose plasmática 7 8 mmol / l [≥140 mg/dL]); O IFG é baseado nos padrões da American Diabetes Association (ADA) (FPG 5 5 mmol / L [≥100 mg/dL]); IFG com base nos padrões da OMS (FPG ≥6 1 mmol / L
[≥110 mg/dL]); HbA1 c Com base nos padrões ADA (HbA1 c ≥39 mmol / mol [5·7%]); E a HbA1 c Com base nos padrões do Comitê Internacional de Especialistas, IEC-HbA1 c, (HbA1 c ≥42 mmol / mol [6·0%]) Estimamos o risco para cada definição usando regressão de Cox e previsibilidade geral (a área sob a curva característica de operação do receptor [AUC]) Usando regressão logística.

READ  O Rio Nacional humilha e rivaliza com o Palmeiras na sub-Liberta

as evidências

Recrutamos 15.105 participantes de 18 de agosto de 2008 a 20 de dezembro de 2010 e nos acompanhamos por 3 7 anos (SD 0 63). A incidência de diabetes foi de 2 0 por 100 pessoas-ano (IC 95% 1 8-2 1). Dos 1199 participantes elegíveis, 6563 (59%) experimentaram alguma forma de hiperglicemia moderada. ADA-IFG (4870/11199 [43·5%), IEC-HbA1c (1005 [9·0%]) E ADA-HbA1 c (2299 [20·5%]Diabetes inesperado (3 5-3 6 por 100 pessoas-ano). WHO-IFG (1140 [10·2%]) E IGT (2245 [20·0%]) Preveja uma conversão maior (7,5 por 100 pessoas-ano e 5,8 por 100 pessoas-ano, respectivamente). Todas as definições forneceram baixa sensibilidade ou especificidade. Os grupos de teste melhoraram as propriedades preditivas, com a combinação IGT ou WHO-IFG mostrando melhor previsibilidade, mas ainda insuficiente (sensibilidade 67 7%, IC 95% 64 5-70 1; especificidade 77 9%, 77 · 1-) 78 7 ) A AUC para os três testes glicêmicos básicos foi de 65 0% (IC de 95% 63 0-66 9) para HbA1 c, 74 6% (72 7-776 4) para FPG e 77 1% (75 4-78 8%) para glicose plasmática por 2 horas, enquanto AUC para o resultado que consiste em informações clínicas foi de 71 6% (69 8-73 3). Quando este resultado foi combinado com os resultados do teste oral de tolerância à glicose, a AUC atingiu 82 4% (80 9-83 9).

Tradução

IFG com base nos critérios da OMS e IGT prediz melhor desenvolvimento de diabetes do que as outras três definições de hiperglicemia moderada, mas sua sensibilidade é baixa. O IFG com base nos critérios da ADA tem melhor sensibilidade do que outros, mas classifica quase metade dos adultos como tendo hiperglicemia moderada e prevê mal diabetes. A combinação de resultados glicêmicos e informações clínicas melhora as características preditivas daqueles em risco.

READ  Portugal Sub-21 2-0 Itália Sub 21: Resultados, Resumo e Metas

Financiamento

Ministério da Saúde do Brasil (Departamento de Ciência e Tecnologia), e Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (Financiador de Estudos e Projetos e Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Brasil (Chefes )

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *