Ginásios são ‘ignorados’ pela facilidade de restrição

A associação que representa os ginásios (Portugal Ativo | AGAP) disse ter sido “ignorado na segunda fase de flexibilização das restrições” e que o sector do fitness está “incompreensivelmente a ficar para trás em relação ao resto do país”.

Em uma declaração enviada a Agência Lusa de NotíciasE Gap = Vão Afirmou: “Os ginásios não só foram ignorados na antecipação da segunda fase da facilidade de encerramento, mas também assistiram ao agravamento dos seus procedimentos devido a uma portaria da Direcção-Geral do Desporto [General Directorate of Health]A Federação observa, explicando que em 17 de agosto, a Direção Geral do Secretário-Geral emitiu uma revisão de sua Diretiva nº 030/2020 que “tornou as considerações impossíveis de entender e implementar”.

Um exemplo é a limpeza de vestiários, onde a DGS recomenda que armários, cabides, chuveiros / cabines de duche e WC sejam limpos e higienizados após cada utilização. Além do que poderia representar logisticamente, é muito difícil justificar um arranjo desse tipo. Nenhum setor convive com tais restrições ”, observa. Gap = Vão.

Jose Carlos Reyes, Presidente Gap = Vão, O setor é considerado esquecido, mas faz parte da solução.

“Não temos dúvidas da ausência do setor de saúde e fitness em antecipar a segunda fase de facilitação do fechamento. O país está progredindo e a um ritmo excelente de vacinação, vários setores conseguiram o tão esperado alívio das medidas restritivas, e nós, que sempre fomos parte da solução, simplesmente fomos esquecidos ”, acusa o comandante citando no comunicado.

Gap = Vão Ele entende que “é preciso entender, definitivamente, os benefícios da prática de exercícios físicos” e afirma que as academias foram um dos setores que mais precisaram investir para se adaptar às medidas especiais causadas pela pandemia.

READ  Seleção de Portugal para a Euro 2020: Seleção de 26 jogadores antes de 2021

“Equipamento de proteção pessoal [individual protection equipment]Reformas de espaços ou programas de gestão de parceiros são exemplos disso, em um ano em que o setor registrou perdas de mais de 40%. Temos grande respeito pelas autoridades nacionais de saúde. Sempre seguimos as diretrizes que foram aplicadas ao longo desses dezessete meses muito difíceis. Porém, é preciso tomar uma decisão com base científica e equilibrada, para que não possamos ser tratados de forma discriminatória e sem bom senso ”, questiona José Carlos Reyes.

As regras estabelecidas na segunda fase do plano do governo para amenizar o bloqueio entraram em vigor no dia 23 de agosto, exceto pelo fim da obrigatoriedade do uso de máscaras em locais públicos, cuja lei vai até 12 de setembro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *