Fontes dizem que a Vivendi vê o atual CEO da Telecom Italia como uma solução de curto prazo

Na sexta-feira, duas fontes próximas à gigante francesa de telecomunicações Vivendi disseram que o maior investidor da Telecom Italia considera o atual CEO do antigo monopólio da telefonia uma solução de curto prazo, dados os problemas da empresa.

O CEO da TIM, Luigi Gubitosi, sobreviveu a um confronto da diretoria na quinta-feira em uma reunião solicitada pela Vivendi depois de duas advertências sobre lucros em três meses, mas o grupo francês continua cético em relação a seu papel.

Uma das fontes disse que a reunião do conselho mostrou que as preocupações da Vivendi são justificadas e que a administração não tem uma visão clara de como responder a essas preocupações.

Três fontes distintas disseram à Reuters que a Vivendi prefere o CEO da Team Brasil, Pietro Labriola, para substituir Jupitosi no comando da Team Brasil. A Vivendi não quis comentar sobre esse assunto específico.

A Telecom Italia não estava disponível para comentar.

A Vivendi detém 24 por cento da TIM, um investimento que a expõe a uma perda de capital potencial de € 1,8 bilhão (US $ 2,06 bilhões) a preços de mercado atuais.

Depois de não conseguir conter a queda constante na receita no mercado doméstico da TIM lotado, Gubitosi delineou ao conselho de administração planos para enfrentar os desafios da TIM, incluindo formas de extrair valor de seus ativos de rede principal.

Mas suas propostas, destinadas a atrair investidores para os ativos da TIM por meio de um esquema de cisão, não obtiveram o apoio da Vivendi.

Os ativos de rede da TIM são considerados estratégicos pelo governo, e o Tesouro CDP construiu uma participação de 9,8% no grupo para supervisioná-lo e ajudar a conter a influência da Vivendi.

READ  "Utopia da Vida Comum": participação oficial do Brasil na Bienal de Veneza de 2021

Fontes disseram à Reuters que tanto o grupo francês quanto o Rally Democrata em março apoiaram a recondução de Gobitossi, e os social-democratas até agora resistiram aos esforços da Vivendi para desacreditar sua posição.

Questionado sobre se ainda suporta o Gubitosi, o CDP se recusou a comentar.

O ministro da Inovação, Vittorio Colao, ex-chefe da Vodafone encarregado pelo primeiro-ministro Mario Draghi de implementar planos para impulsionar as comunicações ultrarrápidas da Itália, deverá desempenhar um papel fundamental na definição do futuro da TIM e de seu CEO.

Colao derramou água fria em um projeto apoiado pelo Tesouro sob o governo italiano anterior para combinar a rede de acesso de linha fixa da TIM com a Open Fiber concorrente apoiada pelo estado.

Fontes disseram que Gobitossi estava tentando reviver o plano persuadindo a Vivendi de que a TIM deveria abrir mão do controle da entidade resultante da fusão, uma opção à qual o grupo francês se opôs até agora.

(1 dólar americano = 0,8737 euros)

(Edição de Maria Pia Quaglia, Barbara Lewis e Kirsten Donovan)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *