Final da Copa América 2021: Messi-Neymar, Argentina-Brasil | notícias de futebol

A Europa pode estar esperando por Inglaterra e Itália na final do Euro 2020 no domingo, mas há um jogo maior pela frente na América do Sul, já que a velha rivalidade entre duas equipes mais bem-sucedidas começa na final da Copa América no sábado.

Brasil vs Argentina verdadeiro clássico.

As duas equipes se encontraram pela primeira vez em 1914 e, nos anos seguintes, estabeleceram-se como uma das equipes mais reconhecidas do futebol mundial.

Juntos, eles venceram sete Copas do Mundo.

As duas equipes têm superado seus rivais na Copa América deste ano, e em Neymar e Lionel Messi estão tendo atuações notáveis ​​no torneio.

A Argentina está invicta há 19 jogos até o confronto no Maracanã, enquanto o anfitrião e campeão Brasil não perde desde que a Argentina os venceu em amistoso em novembro de 2019.

A final deste ano é particularmente interessante devido ao calendário, em termos de organização e pessoal.

O torneio deveria acontecer na Colômbia e na Argentina, mas o Brasil assumiu as rédeas no último minuto devido aos distúrbios na Colômbia e à disseminação do vírus Corona na Argentina.

É também outro torneio em que a Argentina – e mais notavelmente Messi – tenta encerrar uma longa seca de títulos.

Eles não conquistaram nenhum título importante desde a conquista da Copa América de 1993 e Messi não conquistou títulos pela seleção nacional.

O Brasil é um estreito favorito e não só porque está em casa e tem um aproveitamento um pouco melhor até o momento no torneio. Eles também são famosos por derrotar a Argentina nas partidas decisivas.

As duas seleções se enfrentaram quatro vezes nas finais, três na Copa América e uma na Copa das Confederações de 2005.

READ  Governo brasileiro na Petrobras acerta regras para possível venda de sépia e tapu

A Argentina venceu o Brasil na Copa América de 1937, mas não o fez em uma grande partida desde então.

O Brasil venceu a final da Copa América de 2004 no Peru e novamente na Venezuela em 2007, quando derrotou um time fantástico que incluiu o jovem Messi em sua primeira final internacional.

Estádio do Maracanã antes da final da Copa América entre Brasil e Argentina [Amanda Perobelli/Reuters]

Enquanto isso, muita polêmica ocorreu antes da partida final.

A famosa jornalista esportiva brasileira Fabiola Andrade postou uma foto dela vestindo a camisa da Argentina, dizendo que torceria pela Argentina em vez do Brasil porque Messi merece um título.

Isso gerou grandes debates envolvendo celebridades, políticos e jogadores, já que Neymar usava insultos contra “todos que gritavam contra ele”.

Mas longe disso, o clima geral era ignorar o campeonato.

O Brasil relatou mais de 19 milhões de casos de coronavírus, incluindo mais de 531.600 mortes, e o segundo maior número de mortes são os Estados Unidos.

Maracanã abre para torcida

No domingo, até 7.800 pessoas poderão entrar no Maracanã, com capacidade para 78.000, para a final.

Isso fará com que esta seja a primeira partida da Copa América 2021, o maior torneio internacional de futebol da América do Sul, com torcida nas arquibancadas.

Aqueles que desejam participar devem chegar com um teste de coronavírus negativo feito com 48 horas de antecedência. Uma vez dentro, eles serão solicitados a observar o distanciamento social.

Mais de 29.000 pessoas morreram de coronavírus só no Rio. A taxa de mortalidade do vírus na cidade é de 432 por 100.000 habitantes, quase o dobro do número de 252 / 100.000 em todo o país.

“Não apóio a hospedagem do torneio e nunca farei isso”, disse o brasileiro Paulo Lehrer à Al Jazeera.

READ  Indonésia considera estender restrições de movimento à medida que casos COVID-19 aumentam

“Não é aceitável [given the COVID situation]. A Copa América não ajudou a eliminar os problemas do COVID. O que ajuda a aliviar a ansiedade é a estabilidade econômica.

“Adoro futebol, mas há algum tempo não acompanho a seleção nacional, desde que ele foi usado para a política por um candidato que atacava a democracia. Perdi o interesse”.

O forte apoio para sediar o evento veio do presidente de extrema direita do Brasil, Jair Bolsonaro, cujo tratamento da altamente criticada pandemia foi o assunto de uma investigação parlamentar.

A preparação para a final está cada vez mais interessante.

As avaliações dos jogos na televisão pública foram muito baixas, perdendo não só a audiência para o Euro, mas também para outros programas regulares.

“Não apoio o torneio que está sendo realizado no Brasil por causa do cenário de saúde em que nos encontramos com a pandemia”, disse Isabelle Jungton, 28, à Al Jazeera.

“Um evento dessa magnitude no Brasil agora torna a situação significativamente mais caótica. O futebol não vai eliminar a maior preocupação da pandemia. Apoio a Seleção Brasileira, mas realmente não é apropriado no momento.”

Apesar do protesto, nem todo mundo no Brasil é contra a realização do torneio.

“Eu apóio o torneio. O futebol já acontecia em todo o país com protocolos de saúde e segurança muito rígidos, e a infraestrutura no Brasil estava pronta para o evento. O debate sobre a sede ou não do torneio”, disse Alex Roberto Arno, 56 Al Jazeera. É apenas um debate político. “

READ  A pandemia pode reduzir a renda dos brasileiros em 5 por cento

“Definitivamente não está no mesmo nível do Euro. A qualidade também não é o que você vê no Euro, mas eu torço pelo Brasil e acho que eles vão vencer.”

Reportagem adicional de Chris Goldenbaum em São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *