Farol da Esperança: Ucrânia e Rússia assinam acordo para exportar grãos

Rússia e Ucrânia assinaram acordos separados na sexta-feira com a Turquia e as Nações Unidas, abrindo caminho para a exportação de milhões de toneladas de grãos ucranianos muito necessários – assim como grãos e fertilizantes russos – para acabar com o impasse de guerra que ameaçou a segurança alimentar. em torno dele. o cientista.

O acordo permitirá à Ucrânia – uma das cestas de pão mais importantes do mundo – exportar 22 milhões de toneladas de grãos e outros produtos agrícolas retidos nos portos do Mar Negro devido à invasão russa. O secretário-geral da ONU, António Guterres, chamou-o de “farol de esperança” para milhões de pessoas famintas que enfrentaram aumentos maciços nos custos dos alimentos.

“O acordo que permite que os grãos deixem os portos do Mar Negro não é nada menos do que salvar a vida de pessoas em todo o mundo que lutam para alimentar suas famílias”, disse o diretor-geral da Cruz Vermelha, Robert Mardini, observando que os preços dos alimentos acima do últimos seis meses aumentaram em 187 produtos básicos, % no Sudão, 86% na Síria, 60% no Iêmen e 54% na Etiópia.

O ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, e o ministro da Infraestrutura ucraniano, Oleksandr Kobrakov, assinaram acordos idênticos separados com Guterres e o ministro da Defesa turco Hulusi Akar em uma cerimônia em Istambul com a presença do presidente turco Recep Tayyip Erdogan.

“Hoje há um farol no Mar Negro”, disse Guterres. “Um farol de esperança, um farol de possibilidade, um farol de alívio em um mundo que precisa mais do que nunca.”

“Vocês superaram obstáculos e deixaram de lado as diferenças para abrir caminho para uma iniciativa que atende aos interesses comuns de todos”, disse ele aos enviados russo e ucraniano.

Na sexta-feira, Guterres descreveu o acordo como um acordo sem precedentes entre duas partes envolvidas em um conflito sangrento. Erdogan expressou sua esperança de que a iniciativa seja “um novo ponto de virada que reavive as esperanças de paz”.

READ  O que você está fazendo na ilha de Jersey? Praias, comida, hotéis e túneis

A União Europeia e a Grã-Bretanha saudaram os acordos imediatamente.

“Este é um passo crítico nos esforços para superar a insegurança alimentar global causada pela agressão da Rússia contra a Ucrânia”, disse Josep Borrell, coordenador de política externa da União Europeia. “Seu sucesso dependerá da implementação rápida e boa vontade do acordo de hoje.”

A secretária de Relações Exteriores britânica, Liz Truss, disse que o Reino Unido elogiou a Turquia e as Nações Unidas por mediar o acordo.

“Estaremos observando para garantir que as ações da Rússia sejam consistentes com o que dizem”, disse Truss. “Para permitir um retorno duradouro à segurança e estabilidade econômica global, (o presidente russo Vladimir) Putin deve acabar com a guerra e se retirar da Ucrânia.”

A Ucrânia é um dos maiores exportadores mundiais de trigo, milho e óleo de girassol, mas a invasão russa do país e o bloqueio naval de seus portos interromperam os embarques. Alguns grãos ucranianos são transportados pela Europa por via férrea, rodoviária e fluvial, mas os preços de commodities básicas, como trigo e cevada, dispararam durante os quase cinco meses de guerra.

Guterres disse que o plano, conhecido como Iniciativa do Mar Negro, abre caminho para grandes quantidades de exportações comerciais de alimentos de três grandes portos ucranianos: Odessa, Chernomorsk e Yuzhny.

“Isso ajudará a estabilizar os preços globais dos alimentos, que já estavam em níveis recordes mesmo antes da guerra – um verdadeiro pesadelo para os países em desenvolvimento”, acrescentou Guterres.

O acordo estipula condições para a passagem segura de navios em águas fortemente minadas. Um centro de coordenação será instalado em Istambul, composto por funcionários da ONU, turcos, russos e ucranianos, para monitorar os navios e gerenciar a operação através de corredores designados. Os navios passam por inspeções para garantir que não carregam armas.

READ  Como a Estônia quer ficar longe da propaganda russa

Um alto funcionário da ONU disse que os navios de carga usariam “canais seguros” definidos pela Ucrânia ao entrar e sair dos portos e seriam pilotados por pilotos ucranianos. O plano não prevê mais operações de desminagem nas águas territoriais da Ucrânia, o que teria atrasado a operação.

O funcionário disse que nenhum navio militar seria usado como escolta, mas que o caça-minas estaria de prontidão no caso de “canais seguros precisarem ser verificados de tempos em tempos”.

Os navios que entram nos portos ucranianos serão verificados por equipes de inspeção que incluirão representantes de todas as partes envolvidas para garantir que não haja armas a bordo. O esvaziamento de grãos nos navios também será monitorado.

Um dos principais elementos do acordo, disse o funcionário, é um acordo entre a Rússia e a Ucrânia de que não haverá ataques a nenhum dos navios.

O funcionário observou que levará algumas semanas até que o acordo esteja totalmente operacional, observando que a Ucrânia precisa de cerca de 10 dias para preparar os portos e também precisa de tempo para “identificar e esclarecer essas passagens seguras”.

O funcionário disse que o movimento inicial dos navios pode ser possível antes desse momento “apenas para mostrar que eles estão funcionando”.

A meta é exportar cerca de 5 milhões de toneladas de grãos por mês para descarregar os silos ucranianos a tempo da nova safra, segundo o funcionário da ONU. O contrato tem duração de 120 dias e é renovável.

Guterres levantou pela primeira vez a necessidade urgente de trazer a produção agrícola ucraniana, grãos e fertilizantes russos de volta aos mercados mundiais no final de abril, durante reuniões com Putin em Moscou e o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky em Kyiv.

READ  Tiroteio em Ontário, Canadá: 2 mortos e 3 feridos em Mississauga e Milton

Ele propôs um acordo abrangente no início de junho em meio a preocupações de que a guerra estivesse ameaçando o fornecimento de alimentos para muitos países em desenvolvimento e pode exacerbar a fome para até 181 milhões de pessoas.

Antes do acordo, autoridades russas e ucranianas culpavam-se mutuamente pelo bloqueio dos embarques de grãos. Moscou acusou a Ucrânia de não limpar as minas navais nos portos para permitir o transporte seguro e insistiu em seu direito de verificar os navios que chegam em busca de armas. A Ucrânia argumentou que o bloqueio da Rússia ao porto e os lançamentos de mísseis do Mar Negro impossibilitaram qualquer embarque seguro.

A Ucrânia buscou garantias internacionais de que o Kremlin não usará passagens seguras para atacar o principal porto de Odessa, no Mar Negro. As autoridades ucranianas também acusaram a Rússia de roubar grãos do leste da Ucrânia e bombardear deliberadamente os campos ucranianos para incendiá-los.

Volodymyr Sedenko, especialista do Razumkov Research Center, com sede em Kyiv, observou que a Ucrânia não levantou a questão dos grãos roubados dos territórios ocupados nas negociações.

Parece que ele fez parte de um acordo: Kyiv não levanta a questão dos grãos roubados e Moscou não insiste em verificar os navios ucranianos. Kyiv e Moscou foram forçados a fechar um acordo e admitir muitas diferenças.

O analista observou que o acordo também foi importante para as relações geopolíticas da Rússia.

“A Rússia decidiu não alimentar uma nova crise na África, provocar fome e fazer mudanças governamentais lá”, disse Sedenko. A União Africana pediu a Putin para aliviar rapidamente a crise com o fornecimento de grãos e pressionar o Kremlin, que tem interesses na África.

___

Siga a cobertura da AP da guerra Rússia-Ucrânia em https://apnews.com/hub/russia-ukraine

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.