Falta de médicos leva maternidades portuguesas ao limite

LISBOA (Reuters) – A escassez de obstetras forçou muitos hospitais portugueses a fechar temporariamente maternidades de emergência ou operar com menos funcionários, aumentando os temores pela segurança das mulheres.

Os feriados bancários e a propagação do COVID-19 entre os trabalhadores médicos agravaram o problema estrutural da persistente falta de médicos em Portugal.

“Estamos numa ruptura, e se não for encontrada uma solução rapidamente, o encerramento dos serviços é iminente”, disse à agência Lusa Carlos Cortes, chefe regional de Ordem dos Médicos do regulador.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

O grupo de defesa de pacientes OVO alertou que “situações perigosas”, como negligência, podem surgir da deficiência. Os promotores abriram uma investigação na terça-feira depois que uma mulher perdeu seu bebê em um hospital afetado pela falta de funcionários.

Um dos maiores hospitais do país, o Amadora Sintra, em Lisboa, encaminhou doentes para outros hospitais durante 12 horas até às 8h de quinta-feira.

As unidades hospitalares do Montijo e Portalegre, concelho junto à fronteira espanhola, viram encerradas e mais maternidades de urgência do Serviço Nacional de Saúde (SNS) estão a encerrar na sexta-feira e no fim-de-semana.

Na quarta-feira, o governo anunciou um plano de emergência que incluía o anúncio de 1.639 vagas para médicos especialistas. A ministra da Saúde, Marta Temido, admitiu no entanto que os potenciais candidatos estão a ser retidos devido às difíceis condições de trabalho do SNS.

Tal como noutros países como a vizinha Espanha, milhares de médicos e enfermeiros portugueses deixaram o país em busca de melhores salários e melhores perspectivas nas nações mais ricas.

De acordo com a ordem dos médicos, cerca de 50% dos obstetras portugueses trabalham no setor privado ou no estrangeiro, e cerca de metade dos que trabalham em hospitais públicos têm mais de 55 anos, o que significa que podem recusar-se legalmente a trabalhar nos serviços de urgência.

Reportagem de Catarina Damon; Reportagem adicional de Patricia Roa e Sergio Gonçalves. Edição por Aislin Laing, Alexandra Hudson

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.