EXCLUSIVO JPMorgan enfrenta investigação de suborno de petróleo no Brasil

Os nomes da empresa e do escritório de advocacia descritos acima são gerados automaticamente com base no texto do artigo. Estamos trabalhando para melhorar esse recurso à medida que continuamos com os testes e o desenvolvimento beta. Agradecemos o feedback que você pode fornecer usando a guia Feedback à direita da página.

RIO DE JANEIRO (Reuters) – As autoridades brasileiras estão investigando se o JPMorgan Chase & Co (JPM.N) desempenhou um papel em um suposto esquema de suborno e lavagem de dinheiro em 2011 envolvendo a estatal Petrobras, relata o The Guardian. em documentos vistos pela Reuters e duas fontes de aplicação da lei.

Até o momento, a polícia concentrou sua atenção na compra de quase 300.000 barris de óleo combustível da Petrobras pelo JPMorgan em 2011, de acordo com documentos judiciais e fontes, que solicitaram anonimato para discutir a investigação em andamento.

Os documentos vistos pela Reuters incluem e-mails entre supostos conspiradores, depoimentos de testemunhas e registros bancários. As fontes acrescentaram que as autoridades estão trabalhando para determinar se o suposto suborno continuou nos anos subsequentes.

Os documentos judiciais vistos pela Reuters incluem o depoimento do ex-comerciante de combustíveis da Petrobras, Rodrigo Berkowitz. No acordo de confissão de culpa com as autoridades brasileiras, ele se refere a dois embarques de combustíveis vendidos para a unidade do JPMorgan.

A investigação, que ainda está em seus estágios iniciais, faz parte de uma investigação mais ampla das autoridades brasileiras que há anos estudam irregularidades no setor de comércio de commodities. Como um dos maiores bancos do mundo, o JPMorgan representará o maior alvo até então na investigação.

A polícia federal do país está trabalhando para determinar se o JPMorgan garantiu artificialmente embarques de combustível da Petrobras a preços baixos, direcionando pagamentos de suborno a funcionários de uma mesa de operações da Petrobras por meio de uma rede de intermediários, de acordo com pessoas e documentos relacionados à investigação.

READ  A campanha "Cheers! Spirits from the United States" traz canadenses às destilarias americanas de volta

A Polícia Federal brasileira e o JP Morgan não quiseram comentar a investigação. O advogado de Rodrigo Berkowitz não respondeu aos pedidos de comentário. Ele já havia confirmado que seu cliente está cooperando com as autoridades americanas e brasileiras para investigar a indústria de comércio de commodities.

A Petrobras, oficialmente conhecida como Petróleo Brasileiro SA (PETR4.SA), disse em um e-mail que tem “tolerância zero para fraude e corrupção”. A empresa acrescentou que assessorou as autoridades brasileiras em larga escala em diversas investigações relacionadas à corrupção.

Os maiores negociantes de commodities do mundo, incluindo a suíça Vitol, o maior negociante independente de petróleo do mundo, estão enfrentando escrutínio global após anos de investigações sobre se ofereceram suborno para ganhar contratos em vários países latino-americanos. Vitol admitiu irregularidades como parte de um acordo de 2020 com as autoridades americanas e brasileiras e disse estar satisfeito por ter resolvido a questão.

Nenhuma acusação foi apresentada na investigação do JPMorgan, e ainda não está claro se alguma acusação será apresentada.

Elementos da investigação do JPMorgan foram identificados em documentos não denunciados que a polícia brasileira forneceu este ano a um juiz federal que supervisionava a investigação, incluindo registros bancários, e-mails e mensagens de WhatsApp trocados entre os supostos conspiradores, que foram analisados ​​pela Reuters. Os documentos também incluíam arquivos internos da Petrobras e o depoimento de um ex-distribuidor de combustíveis da Petrobras.

Aumento de precisão

A Petrobras, sétima maior produtora de petróleo do mundo, costuma comprar e vender derivados de petróleo em negócios que buscam o melhor preço possível para a empresa. No entanto, as autoridades americanas e brasileiras alegaram que alguns comerciantes da Petrobras aceitaram subornos de contrapartes por mais de uma década até 2018.

READ  Trabalhadores de frigoríficos no Brasil correm risco de plano 'inimaginável' para reduzir tempos de descanso | Brasil

Por sua vez, esses comerciantes teriam comprado combustível a preços inflacionados ou vendido com desconto.

Em dezembro, a Vitol concordou em pagar US $ 164 milhões e se confessar culpada para resolver as alegações das autoridades americanas e brasileiras de que pagou subornos no Brasil e em outros países latino-americanos entre 2005 e 2020.

Em novembro, promotores brasileiros entraram com uma ação civil contra a Trafigura, alegando que o comerciante com sede em Genebra e pelo menos duas subsidiárias pagaram subornos a funcionários da Petrobras acima de US $ 1,5 milhão em 2012 e 2013.

A Trafigura negou consistentemente as alegações feitas pelas autoridades brasileiras e disse que seu consultor externo “não encontrou base para concluir que a atual administração da Trafigura estava envolvida ou tinha conhecimento dos alegados pagamentos indevidos à Petrobras”.

A Reuters relatou nos últimos meses, citando fontes de aplicação da lei e documentos do tribunal brasileiro, que as autoridades americanas e brasileiras também estão investigando a Freepoint Commodities, sediada em Connecticut, por suas negociações no Brasil entre 2012 e 2018.

Um porta-voz da Freepoint escreveu em um e-mail na época que a empresa está “fortemente comprometida em seguir as leis em todos os lugares onde fazemos negócios.” A empresa não quis comentar.

As fontes acrescentaram que os investigadores brasileiros não compartilharam com as autoridades americanas suas conclusões sobre o JPMorgan, embora provavelmente o farão se a investigação avançar.

Entre as questões que as autoridades brasileiras estão tentando determinar está o cronograma da suposta operação de suborno do JPMorgan.

O JPMorgan saiu em grande parte do mercado de commodities físicas em 2014, vendendo suas operações para o comerciante suíço Mercuria por US $ 3,5 bilhões em um negócio totalmente em dinheiro.

READ  País mais rico do Brasil recua enquanto o vírus volta a rugir

Não está claro se o suposto suborno havia ocorrido até aquela data ou se o suposto delito se limitou a negócios executados em 2011.

No ano passado, o banco concordou em pagar mais de US $ 920 milhões e admitir irregularidades para encerrar uma investigação de manipulação do mercado dos EUA em suas negociações de futuros de metais e títulos do Tesouro.

Em 2013, pouco antes da venda da unidade de bens físicos, o banco concordou em pagar US $ 410 milhões para resolver as acusações de manipulação do mercado de energia na Califórnia e no meio-oeste.

Edição de Brad Hines e Edward Tobin

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *