Europa na corrida de vacinação contra a variante delta COVID-19 | Notícias, esportes, empregos

LISBOA, Portugal (AP) – Países da Europa lutam para acelerar as vacinações contra o coronavírus e ultrapassar a disseminação da variante delta mais contagiosa, em uma corrida perigosa para evitar que as enfermarias dos hospitais voltem a se encher de pacientes lutando por suas vidas.

Essa urgência coincide com as férias de verão na Europa, onde o clima ameno traz mais encontros sociais e os governos relutam em suprimi-los. O distanciamento social é negligenciado, especialmente entre os jovens, e alguns países estão descartando a exigência de usar máscaras ao ar livre.

Os incentivos para as pessoas incluem a obtenção de fotos grátis de mercearia, cupons de viagens e entretenimento e rifas de prêmios. O presidente do Chipre até apelou para um senso de patriotismo.

O risco de infecção da variante delta é “alto a muito alto” para comunidades parcialmente imunizadas ou não vacinadas, de acordo com o Centro Europeu de Controle de Doenças, que monitora 30 países no continente. Ele estima que até o final de agosto, a variante será responsável por 90 por cento dos casos nos 27 países da União Europeia.

E os Centros de Controle e Prevenção de Doenças alertaram que “é muito importante que haja progresso no lançamento da vacina em uma taxa muito alta”.

A Organização Mundial da Saúde também está envolvida. A variável torna o crescimento da transmissão “exponencial”, de acordo com Maria van Kerkhove, líder técnica da COVID-19.

O número diário de novos casos já aumentou acentuadamente em países como Reino Unido, Portugal e Rússia.

No Reino Unido, os casos da variante delta quadruplicaram em menos de um mês, com os casos confirmados na sexta-feira aumentando 46 por cento em relação à semana anterior.

READ  Como o Big Brother Brasil despertou para se tornar um campo de batalha para a política de identidade

As autoridades de saúde portuguesas relataram esta semana um aumento de “vertigem” na variante delta, que representou apenas 4% dos casos em maio, mas quase 56% em junho. O país notificou o maior número de casos diários desde fevereiro, e o número de pacientes com COVID-19 em hospitais ultrapassou 500 pela primeira vez desde o início de abril.

Relatos de novas infecções na Rússia mais que dobraram em junho, ultrapassando 20.000 por dia nesta semana, e novas mortes chegaram a 697 no sábado, o quinto dia consecutivo em que o número de mortes diárias atingiu um recorde.

“Ninguém quer qualquer fechamento”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, em uma coletiva de imprensa, embora admitisse que a situação do vírus em várias regiões da Rússia era “tensa”.

Em alguns países, o vírus está se espalhando mais rapidamente entre os jovens. Na Espanha, a taxa nacional de notificação de um caso por 14 dias por 100.000 pessoas subiu para 152 na sexta-feira. Já para a faixa etária de 20 a 29 anos, o número subiu para 449.

Esses números levantaram alarme em todo o continente.

O governo holandês está trabalhando para expandir seu programa de vacinação para pessoas de 12 a 17 anos para ajudar a evitar um novo aumento assustador. A Grécia oferece a adultos US $ 177 em crédito após o primeiro soco. As autoridades de Roma estão considerando usar carrinhos para vacinar as pessoas na praia. A Polônia lançou na semana passada um sorteio aberto apenas para adultos totalmente vacinados, com carros novos entre os prêmios.

As autoridades portuguesas alargaram o horário de funcionamento dos centros de vacinação, criaram novas clínicas de entrada, convocaram as forças armadas para ajudar a administrar as vacinas e reduziram o tempo entre duas doses da vacina AstraZeneca de 12 para oito semanas.

READ  Jogos Olímpicos de Tóquio: as rainhas do cobre da Zâmbia brilham apesar dos preparativos distorcidos

“Estamos numa corrida contra o tempo”, disse a ministra Mariana Vieira da Silva.

Na batalha contra a hesitação da vacina em toda a Europa, o surgimento de variantes alimentou a incerteza pública sobre a eficácia das vacinas. Em Madri, esta semana, a arqueóloga Claudia Aguilar, de 58 anos, recebeu um segundo hit da Pfizer-BioNTech em um auditório que ampliou seu horário noturno.

No entanto, ela disse que “não tinha certeza se eu seria realmente imune” às ​​variáveis ​​futuras.

“Quer dizer, estou um pouco cético de que isso beneficiaria alguma coisa”, disse Aguilar.

O garçom Yevgenia Chernyshkova fez fila para uma chance em uma loja da GUM em Moscou, perto da Praça Vermelha, depois que o governo russo ordenou a vacinação para trabalhadores em alguns setores.

“Agora, é obrigatório e todos nós entendemos o porquê – porque a terceira onda da epidemia começou aqui”, disse ela.

Quinze meses após a Organização Mundial da Saúde declarar o COVID-19 uma pandemia, alguns governos parecem mais dispostos a recompensar a paciência do público do que considerar trazer as restrições de volta.

Cerca de 40.000 torcedores foram à partida de futebol do Campeonato Europeu de Futebol contra a Alemanha, no Estádio de Wembley, em Londres, na semana passada. Em Portugal, as novas restrições têm sido tépidas, como limitar o horário dos restaurantes nas noites de fim de semana.

No entanto, em Moscou, restaurantes, bares e cafés na segunda-feira começaram a aceitar apenas clientes que foram vacinados, se recuperaram do COVID-19 nos últimos seis meses ou podem apresentar um teste negativo nas últimas 72 horas.

A França retirou suas últimas grandes restrições na quarta-feira, permitindo multidões ilimitadas em restaurantes, em casamentos e na maioria dos eventos culturais, apesar dos casos de um rápido aumento na variável delta.

READ  GSRM fornecerá cobertura da Premier League brasileira por meio de uma nova plataforma

Thiago Correia, Professor Associado do Instituto de Higiene e Medicina Tropical de Lisboa, descobre por parte do público um clima de impaciência, sobretudo entre os jovens que desejam gozar as noites quentes de verão.

“As pessoas querem voltar ao normal mais rapidamente do que acontece no processo de vacinação”, disse ele.

Variáveis ​​emergentes lançaram luz sobre o escopo sem precedentes dos programas de imunização. Nos países que conduz, o Centro Europeu para Controle e Prevenção de Doenças afirma que 61% das pessoas com mais de 18 anos receberam uma única injeção e 40% foram totalmente vacinadas.

Mas o Dr. Hans Kluge, chefe do escritório da OMS na Europa, alertou esta semana que a variante delta estava prestes a se tornar dominante em agosto na área coberta por seu escritório em 53 países. Ele observa que 63 por cento das pessoas naquela área não receberam o primeiro golpe.

“As três condições para uma nova onda de excesso de hospitalizações e mortes antes (do outono) estão em vigor: novas variáveis, déficits na absorção da vacina, aumento da mistura social”, disse Klug.

Copyright 2021 Associated Press.

As últimas notícias de hoje e muito mais na sua caixa de entrada

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *