Esses países estão em primeiro lugar em competitividade digital

  • Um novo relatório analisa e classifica 140 países por sua competitividade digital nos últimos três anos.
  • Os países que lideram a lista de “risers digitais” estão implementando ousadas parcerias público-privadas para fomentar a inovação e o empreendedorismo.
  • Os resultados mostram que o progresso na transformação digital nem sempre vem dos lugares mais visíveis.

A pandemia COVID-19 mostrou que as tecnologias digitais não apenas determinam se os países prosperam, mas também como eles podem superar os tempos difíceis. Se aplicadas de forma eficaz, as tecnologias digitais não apenas permitem que a educação e o trabalho sejam transferidos das escolas e escritórios para casa, mas também fornecem maneiras cada vez mais eficientes de organizar as operações em empresas e governos.

Novas tecnologias como impressão 3D, realidade aumentada e virtual, sensores, inteligência artificial, computação quântica e robótica também têm o potencial de interromper quase todos os setores. A competitividade dos países nessas tecnologias determinará o quão prósperos seus países serão nas próximas décadas.

Neste contexto, analisamos como a competitividade digital dos países evoluiu nos últimos três anos. Na nova versão do relatório riser digital a partir de Centro Europeu de Competitividade Digital Pela ESCP Europe Business School, analisamos a competitividade digital de 140 países e fornecemos uma classificação global comparando-os dentro de suas regiões. Mostramos quais países perderam sua posição, bem como aqueles que tiveram um bom desempenho e melhoraram em comparação com seus pares. Também destacamos o que pode ser aprendido com os melhores e analisamos as ações de política que tornaram o Digital Riser um sucesso.

Dentro do G7, o Canadá conseguiu fazer o maior progresso em sua competitividade digital relativa entre 2018 e 2020, tornando o país uma das principais empresas digitais neste grupo; Por outro lado, o Japão e a Alemanha caíram ainda mais no G7. A Itália conseguiu melhorar sua posição no G7 da posição do ano passado para o segundo lugar em 2021.

Dentro do G20, o ranking também revela uma forte dinâmica em relação às duas superpotências digitais globais: a China ganhou significativamente em competitividade digital, enquanto os Estados Unidos perderam no mesmo período, impulsionado principalmente pelas dimensões do ecossistema em nosso ranking. A China liderou a lista dos três maiores risers digitais do G20, seguida por Arábia Saudita e Brasil. Índia, Japão e Alemanha vieram por último.

READ  Os preços do petróleo estão tendendo a subir, mesmo com casos de aumento de COVID-19 em partes do mundo

O relatório analisa e classifica as mudanças que países em todo o mundo experimentaram em sua competitividade digital nos últimos três anos. Ele mede as duas dimensões principais da competitividade digital, o ecossistema de um país e a mentalidade com base em dados de Relatório de Competitividade Global emitido pelo Fórum Econômico Mundial, bem como declarações de apoio fornecidas pelo Banco Mundial e pela União Internacional de Telecomunicações.

O relatório analisa o progresso feito por 140 países ao longo da mentalidade e dimensões do ecossistema, bem como a mudança absoluta e cumulativa nas classificações entre 2018 e 2020. Os países foram analisados ​​e comparados em relação aos seus pares em termos de regiões (ou seja, Europa e América do Norte) ou orgânica (ou seja, G20), para garantir que os resultados possam ser comparados em relação à linha de base comparativa.

O Fórum Econômico Mundial foi o primeiro a chamar a atenção do mundo para a Quarta Revolução Industrial, o período atual de mudanças sem precedentes impulsionadas pelo rápido progresso tecnológico. Políticas, normas e regulamentos não têm conseguido acompanhar o ritmo da inovação, criando uma necessidade crescente de preencher essa lacuna.

O Fórum estabeleceu o Quarto Centro da Rede da Revolução Industrial em 2017 para garantir que as tecnologias novas e emergentes ajudem – e não prejudiquem – a humanidade no futuro. Com sede em San Francisco, a rede lançou centros na China, Índia e Japão em 2018 e está rapidamente criando centros afiliados gerenciados localmente em muitos países ao redor do mundo.


A rede global trabalha em estreita colaboração com parceiros governamentais, empresariais, acadêmicos e da sociedade civil para co-projetar e pilotar estruturas ágeis para o gerenciamento de tecnologias novas e emergentes, incluindo inteligência artificial (IA), veículos autônomos, blockchain, política de dados, comércio digital, drones e Internet Things (IoT), medicina de precisão e inovações ambientais.

READ  As instituições estão investindo pesado nas operações do BK Brasil e assessorando ações de restaurantes SA (BVMF: BKBR3)?

Saiba mais sobre o trabalho pioneiro que o Centro de Rede da Quarta Revolução Industrial está realizando para nos preparar para o futuro.

Você quer nos ajudar a moldar a Quarta Revolução Industrial? Entre em contato conosco para saber como você pode se tornar um membro ou parceiro.

Existem duas diferenças principais entre Relatório de Competitividade Global e a relatório riser digital. Primeiro, enquanto Relatório de Competitividade Global Analisa a competitividade geral dos países, e relatório riser digital Ele apenas analisa sua competitividade digital conforme indicado por seu ecossistema digital e mentalidade. Em segundo lugar, enquanto um arquivo Relatório de Competitividade Global Analisando as mudanças em um período de um ano, o arquivo. relatório riser digital Mostra o desempenho dos países nos últimos três anos.

Como no relatório do ano passado, analisamos dois fatores: quanto progresso os países fizeram em relação a seus pares globais nos últimos três anos e as melhores práticas para os melhores risers digitais em sua região ou grupo. Assim, destacamos os desenvolvimentos e iniciativas que podem informar os formuladores de políticas em todo o mundo sobre quais práticas implementar, com base no que comprovadamente funciona em sua região e além. Aqui está um resumo das melhores práticas compartilhadas pela Digital Risers:

1) Eles seguem planos abrangentes com metas ambiciosas

A China, por exemplo, implementou um impulso abrangente para o empreendedorismo e a inovação. Por meio da Iniciativa China 2025, oferece apoio governamental a dez setores-chave que pretendem se tornar um líder mundial. Outros países também articularam visões ambiciosas para seu futuro digital: o Vietnã quer que sua economia digital responda por 30% do PIB até 2030 e a Hungria estabeleceu sua meta de se tornar uma das dez principais tecnologias digitais da Europa até o final da década. Mas risers digitais de sucesso também estão lançando iniciativas concretas para apoiar esses objetivos. A Itália, por exemplo, iniciou o “Repubblica Digitale”, um novo programa para superar a exclusão digital e promover a inclusão digital e promover o desenvolvimento de competências digitais entre os cidadãos.

2) Eles se concentram no empreendedorismo

Por exemplo, o Brasil iniciou vários esforços públicos e privados para estimular o empreendedorismo no país, como o programa “InovAtiva Brasil”, “StartOut Brasil” e o Comitê Nacional de Iniciativas de Apoio a Startup. No Egito, o governo apoiou o desenvolvimento de seis parques tecnológicos para promover a inovação e o empreendedorismo. O governo canadense também investiu mais de US $ 1,2 bilhão nos chamados “clusters de superinovação” para acelerar a inovação baseada em negócios, com potencial para revitalizar a economia.

No entanto, nosso relatório também mostra uma lacuna crescente na velocidade da transformação digital. Na Europa, a transformação em duas velocidades continua. Como no relatório do ano passado, a França fez um progresso significativo em sua competitividade digital, enquanto a Alemanha perdeu significativamente no mesmo período. Mas o progresso digital é possível em todo o mundo quando as medidas certas são implementadas. Embora risers digitais como Canadá e Geórgia possam não vir imediatamente à mente quando se trata de digital, esses países estão provando que uma aceleração na velocidade da transformação digital pode ser alcançada em empresas e governos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *