Equilibrando crescimento e sustentabilidade: lições do Brasil

  • Por mais de 46% de mistura de energia O Brasil vem de recursos renováveis ​​e está entre os países líderes na transição energética global.
  • Enquanto o Brasil continua seu progresso na mudança para energia limpa, como pode equilibrar sustentabilidade ambiental, crescimento econômico e desenvolvimento?

Em muitos aspectos, o Brasil é um líder global na transição energética. Juntamente com um forte setor doméstico de petróleo e gás, que representa quase 11% de sua economia, mais do que 46% da matriz energética do Brasil Alimentado por fontes renováveis ​​de energia, o Brasil também tem Terceiro maior Capacidade global de geração de eletricidade renovável. No ano passado, o Índice de Transição de Energia do Fórum Econômico Mundial classificou o Brasil em 45ºY De 115 países, é impulsionado por fortes desempenhos em áreas como acesso quase universal à energia e acesso a combustíveis limpos para cozinhar, um alto grau de segurança energética e uma intensidade de carbono relativamente baixa da matriz energética.

Com base nesse sucesso, três oportunidades principais foram identificadas para a próxima fase do Mapa de Transição de Energia do Brasil:

  • Acelerar a expansão de fontes de energia renováveis ​​não hidrelétricas Por meio de iniciativas como a utilização de Contratos de Compra de Energia Inovadora (PPA), modernização do mercado e substituição de termelétricas fósseis.
  • Digitalize a transmissão e distribuição Para atender aos desafios de resiliência e confiabilidade por meio de investimentos em CCD e redes inteligentes. O Brasil também deve considerar a modernização de sua infraestrutura de rede de transmissão e distribuição para suportar uma penetração mais renovável e a adoção de DER (Recursos de Energia Distribuída).
  • Invista em cidades inteligentes e eficientes Por meio do desenvolvimento de uma rede elétrica digital, possibilitando eficiência energética, geração distribuída e mobilidade elétrica, além de serviços públicos como iluminação pública, controle de tráfego, segurança e manejo da vegetação.
READ  Chefe do Banco Central diz que fundamentos econômicos não se justificam - MercoPress

Na recentemente realizada Mesa Redonda de Energia do Brasil – um esforço colaborativo do Fórum Econômico Mundial e da Empresa de Pesquisa Energética – formuladores de políticas, líderes empresariais e as principais partes interessadas se reuniram no Brasil para considerar como o país poderia promover uma transição energética eficiente que equilibre as prioridades econômicas e de segurança energética crescimento e sustentabilidade ambiental. Três temas principais emergiram da discussão:

1. Modernização do mercado de energia

A modernização e a desregulamentação do mercado de energia garantirão que o Brasil possa fazer melhor uso dos mecanismos de mercado para acelerar a transição energética. Políticas anteriores destacadas como sucessos para desenvolver um mercado competitivo e dinâmico de gás natural no Brasil e RenovaBio, incluem uma política federal de biocombustíveis no Brasil que visa reduzir as emissões de carbono por meio do uso de créditos de carbono negociáveis. Plano de Energia do Brasil 2050Lançado para consulta pública em dezembro de 2020, ele se baseará nessas experiências para fortalecer ainda mais as forças de mercado, ao mesmo tempo que permite o crescimento inclusivo e o desenvolvimento sustentável.

A capacidade de energia renovável do Brasil está crescendo rapidamente

A capacidade de energia renovável do Brasil está crescendo rapidamente

Imagem: Nosso mundo em dados

2. Tecnologia e digitalização

Tecnologia e digitalização serão essenciais para permitir que o Brasil dê o próximo grande passo em sua jornada de transição energética. A modernização da rede de transmissão e distribuição e a adoção de linhas de transmissão de corrente contínua de alta tensão (UHVDC), bem como redes inteligentes, serão críticas para permitir a incorporação de uma parcela crescente de fontes de energia renováveis ​​variáveis ​​e recursos distribuídos, como o vento e energia solar na rede elétrica, ao mesmo tempo que reduz o custo de investimento e operação da rede e, ao mesmo tempo, fornece fornecimento de eletricidade flexível e confiável.

Pesquisa e desenvolvimento em áreas como captura, uso e armazenamento de carbono (CCUS) e detecção de vazamento de metano serão essenciais para reduzir a intensidade do carbono nas operações de petróleo e gás. A inovação de produtos e pesquisa e desenvolvimento em áreas de biocombustíveis e biodiesel a combustíveis para aviação foram destacados como desenvolvimentos importantes que ajudarão o setor a prosperar em uma economia de baixo carbono. Isso será crucial na transição do Brasil para um fornecedor de energia de baixo custo e baixo carbono no futuro. Finalmente, as tecnologias digitais que permitem uma melhor gestão da demanda de energia, bem como uma melhor correspondência entre oferta e demanda de energia, se tornarão cada vez mais importantes à medida que o Brasil começar a descarbonizar os principais centros de demanda de energia, como cidades e redes de transporte eletrificadas.

3. Inovação em finanças

Aqueles que puderem aproveitar o mais rápido e a maioria deles serão os vencedores da Transição de Energia

– Participante, Mesa Redonda de Energia Brasileira, dezembro de 2020

As finanças são um facilitador chave em todas as dimensões da transformação – o Brasil está emergindo como um dos destinos mais dinâmicos para o investimento em infraestrutura sustentável, tendo atraído mais de US $ 56 bilhões em investimentos em ativos de energia limpa entre 2009-2018. Exemplos como contratos inovadores de compra de energia e emissão de títulos verdes, tanto nacional quanto internacionalmente, são evidências de que a inovação e a diversidade estão crescendo no financiamento de investimentos em energia limpa no Brasil. À medida que o mercado brasileiro continua a crescer, as oportunidades de melhoria permanecem. O financiamento, co-financiamento e empréstimos sindicalizados de infraestrutura do setor privado são relativamente imaturos no mercado brasileiro hoje e serão essenciais para aumentar o fluxo total de capital, bem como promover o intercâmbio de conhecimento e experiência técnica.

Adotar uma abordagem equilibrada para a transição energética é um dos desafios definidores de nosso tempo, especialmente quando enfrentamos os crescentes desafios de saúde e econômicos causados ​​pela pandemia global. Perceber o potencial e a ambição do Brasil para uma transição energética requer a adoção de inovação contínua, a mobilização de grandes volumes de investimento público e privado e a participação ativa de todas as principais partes interessadas. Com a próxima consulta pública para o Plano de Energia do Brasil 2050, há oportunidades para colocar o Brasil no caminho do crescimento sustentável e inclusivo e para ser um líder na transição energética em um futuro de baixo carbono.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *