Enquanto Viktor Orban visita a China para pressionar por um cessar-fogo, mísseis russos atingem a Ucrânia

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, fez uma visita surpresa a Pequim na segunda-feira, onde o líder chinês Xi Jinping apelou a um esforço global para levar a Rússia e a Ucrânia a um “cessar-fogo” e elogiou as iniciativas diplomáticas de Orban. Foi uma demonstração poderosa de como Xi e o Presidente russo, Vladimir Putin, procuram criar uma ordem mundial multipolar não dominada pelos Estados Unidos.

Enquanto Xi Jinping abraçava Orban na capital chinesa, mísseis russos caíram em Kiev, Dnipro e outras cidades ucranianas na segunda-feira – matando pelo menos 31 pessoas, incluindo duas num hospital infantil em Kiev, e destacando a brutalidade feroz da guerra de Putin.

Em resposta ao ataque com mísseis, mas aparentemente também a novas manobras diplomáticas, o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, apelou à pressão global para parar a agressão russa. “O mundo inteiro deve usar toda a sua determinação para finalmente acabar com os ataques russos. Matar é o que Putin traz. Somente juntos poderemos alcançar a verdadeira paz e segurança”, escreveu Zelensky no Telegram.

O Ministério da Defesa russo confirmou, num comunicado na aplicação Telegram, que realizou um grande ataque com mísseis contra a Ucrânia na segunda-feira, mas insistiu que os alvos eram “instalações industriais militares ucranianas” e “bases aéreas”.

A visita de Orban à China segue-se às suas visitas a Kiev e Moscovo na semana passada, poucos dias depois de a Hungria ter assumido a presidência rotativa do Conselho da UE. A sua tentativa de fazer a paz suscitou críticas no Ocidente por tentar pressionar Kiev a entregar o território que Moscovo tomou à força.

Alcançar

Histórias para mantê-lo informado

Em Bruxelas, as autoridades negaram os esforços de Orban, dizendo que ele não estava autorizado a conduzir a diplomacia em nome da União Europeia. “Deveria ficar claro que ele apenas representa o seu país”, disse um diplomata da UE, que falou sob condição de anonimato porque não estava autorizado a falar com a imprensa.

Eric Mamer, porta-voz da Comissão Europeia, confirmou que Orbán faz esta visita sozinho. “Ele não tem mandato para representar a União Europeia nestas visitas”, disse Mamer.

READ  Biden sugere que Netanyahu prolongue a guerra para permanecer no poder: atualizações ao vivo

Mas Putin, que recebeu Orbán em Moscovo na semana passada, citou claramente a presidência húngara da União Europeia. Num sinal da nova dimensão multipolar da geopolítica, a visita do primeiro-ministro húngaro a Pequim ocorreu poucas horas antes do primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, chegar a Moscovo para uma visita de Estado, a primeira desde que Putin ordenou a invasão da Ucrânia em Fevereiro de 2022.

Num comunicado emitido antes de deixar Nova Deli na segunda-feira, Modi elogiou “o meu amigo Vladimir Putin” e a “parceria estratégica especial e distinta entre a Índia e a Rússia”. Após sua chegada, a mídia russa e indiana mostrou Modi vestindo uma jaqueta turquesa brilhante chegando ao seu hotel em Moscou, onde foi recebido por dançarinos indianos e simpatizantes agitando bandeiras indianas.

As compras indianas de petróleo russo, que aumentaram 20 vezes desde 2021, ajudaram Moscovo a resistir às duras sanções económicas ocidentais impostas em resposta à invasão da Ucrânia.

Com a sua visita a Moscovo, Modi, que foi reeleito no mês passado, sinalizou a sua independência, mesmo enquanto a administração Biden trabalhava arduamente para conquistar o líder indiano.

“O senhor Putin vai querer transmitir uma mensagem ao público: a Índia é uma amiga, toda esta conversa sobre isolar a Rússia é um disparate e nem todos estão sob o controlo do Ocidente, liderado pelos Estados Unidos”, disse Nandan Unnikrishnan. , diretor do programa euro-asiático da Observer Research Foundation, um grupo de reflexão em Nova Deli. O mundo assimétrico mas multipolar chegou. “A Índia concordaria que é um mundo multipolar, mesmo que isso fosse verdade, mas isso não é verdade.” [India] “Inclina-se ligeiramente para o oeste.”

A visita de Orban à China representou uma vitória diplomática para Putin, que há muito defende uma ordem mundial multipolar e não ocidental. Putin insistiu que o Ocidente, especialmente os Estados Unidos e a Grã-Bretanha, era responsável por prolongar a sua guerra na Ucrânia ao não pressionar Kiev a render-se às suas reivindicações territoriais.

Ao desembarcar na China, Orbán Poste uma foto Quase o mesmo no X com a legenda: “Missão de Paz 3.0 #Beijing”.

No seu encontro com Orbán em Pequim, Xi disse que apreciava os esforços do líder húngaro para alcançar uma solução política para a guerra na Ucrânia, que descreveu como um “conflito”.

“A China e a Hungria partilham as mesmas posições básicas e trabalham na mesma direção”, disse ele.

“Somente quando todas as grandes potências exercerem energia positiva em vez de energia negativa, o início de um cessar-fogo neste conflito poderá aparecer o mais rápido possível”, disse Xi, segundo a Televisão Central da China. Xi acrescentou que a China “pede ativamente pela paz e apela a negociações à sua própria maneira”.

Pessoas limpam escombros e vasculham escombros depois que um ataque russo atingiu um importante hospital infantil em Kiev, em 8 de julho. (Vídeo: Reuters)

Numa entrevista ao jornal alemão Bild, Orban insistiu que a Ucrânia nunca seria capaz de derrotar a Rússia. “Não há solução para este conflito nas linhas de frente”, disse ele, acrescentando: “Putin não pode perder se olharmos para os soldados, equipamentos e tecnologia. Derrotar a Rússia é uma ideia difícil de imaginar. A possibilidade de a Rússia ser realmente derrotada é completamente incomensurável.”

Entretanto, a Ucrânia insistiu que não poderia concordar com qualquer cessar-fogo enquanto as forças russas ocupassem cerca de um quinto do seu território e foguetes e bombas chovessem sobre as suas cidades. Zelensky apelou à retirada completa das forças russas, incluindo numa cimeira de “paz” na Suíça no mês passado, à qual a China manifestamente não compareceu. A Rússia não foi convidada.

Pequim rejeitou as críticas da Ucrânia, da Europa e dos Estados Unidos sobre a sua decisão de não participar numa cimeira de paz organizada pela Suíça, argumentando que não pode participar em conversações que excluam a Rússia. Em vez disso, a China, juntamente com o Brasil, apresentou a sua própria proposta de seis pontos, que as autoridades chinesas alegaram ter o apoio de dezenas de países em todo o mundo em desenvolvimento.

READ  Reino Unido anuncia novas sanções à aviação contra a Rússia

Do ponto de vista de Pequim, os países ocidentais agiram como um obstáculo para que a Rússia e a Ucrânia se sentassem e negociassem diretamente, disse Cui Hongjian, pesquisador de relações internacionais da Universidade de Estudos Estrangeiros de Pequim. Cui acrescentou que Pequim acredita que “deve levantar a voz e ter uma posição”.

A reivindicação de neutralidade da China tem estado sob crescente pressão à medida que a guerra se arrasta para o seu terceiro ano e o comércio entre a China e a Rússia cresce – juntamente com provas crescentes de que as empresas chinesas fornecem apoio económico indirecto à base militar-industrial da Rússia.

Nas suas declarações e aparições públicas, Putin e Xi têm demonstrado cada vez mais alinhamento na sua ambição partilhada de remodelar a ordem global e enfraquecer a influência dos EUA.

Na semana passada, Xi e Putin reuniram-se no Cazaquistão, onde Putin falou sobre o progresso rumo a uma “ordem mundial justa e multipolar” durante a reunião anual da Organização de Cooperação de Xangai, um dos vários grupos multilaterais que as duas potências usaram para expandir a sua influência.

Nessa reunião, Putin propôs a retomada das negociações em Istambul em 2022, logo após a invasão da Rússia, quando a Ucrânia estava numa posição fraca. Nos anos seguintes, cada lado sofreu dezenas de milhares de baixas e a Rússia fez poucos progressos no sentido da anexação ilegal de quatro regiões no sudeste da Ucrânia, além da Crimeia, que tomou à força em 2014.

Em Moscou, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse na segunda-feira que Moscou apoia os esforços diplomáticos.

“O presidente Vladimir Putin é um defensor convicto dos esforços políticos e diplomáticos para encontrar uma solução para o conflito ucraniano”, disse Peskov.

Shepherd é de Taipei, Taiwan, e Shih é de Nova Delhi. Serhiy Korolchuk em Kyiv, Kate Brady em Berlim, Emily Rauhala em Washington e Natalia Abakumova em Riga, Letónia, contribuíram para este relatório.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *