Enquanto a Suíça luta pela vacinação, Portugal já acabou

Nenhum outro país foi mais vacinado do que Portugal, mas as razões são complexas. France Press Agency

Em nenhum lugar as pessoas são mais vacinadas contra a Covid-19 do que em Portugal, onde 98% das pessoas com mais de 25 anos receberam ambas as doses. A Suíça, com uma média geral de 72%, está muito atrás nesta área na Europa. O que os portugueses fazem de diferente?

Este conteúdo foi publicado em 14 de novembro de 2021 – 10:00

Umit Yoker

O governo suíço lançou uma campanha de vacinação blitzkrieg esta semana, na esperança de dar uma nova vida à campanha de vacinação COVID-19. Entretanto, a task force responsável pelas vacinas em Portugal estava em vias de ser encerrada no final de setembro. A sua missão está cumprida: apenas 2% dos portugueses e portugueses com mais de 25 anos não foram totalmente esfaqueados e, mesmo entre os 12 e os 24 anos, a taxa é superior a 85%. A Suíça tem uma taxa geral de apenas 72% de pessoas com mais de 25 anos (dados do início de novembro) e está atrasada na Europa. porque?

O psicólogo social e de saúde Urte Scholz diz que a baixa taxa na Suíça não pode ser explicada simplesmente em termos daqueles que declararam abertamente sua oposição às vacinas. A Suíça tem mais pessoas assim do que Portugal, onde quase não existem antivacinadores – mas, diz Schultz, eles não constituem a maioria dos que permanecem não vacinados.

“Certamente não devemos descartar os não vacinados simplesmente como teorias da conspiração”, diz o professor da Universidade de Zurique. Em vez disso, a maioria é melhor descrita como hesitante: uma vez que a taxa geral atingiu 50% e qualquer um que quis vacinar o fez desde o início, a curva rapidamente se achatou. Schulz conclui que “as dúvidas e medos de muitas pessoas não foram levados em consideração a tempo”.

Confie no sistema e nas memórias dolorosas

Antes de uma vacina contra o coronavírus estar disponível, as reservas eram fortes, inclusive em Portugal, onde na verdade eram mais fortes do que em outros países. Esta foi uma constatação do economista da saúde Pedro Beta Barros, que desde abril de 2020 tem monitorizado regularmente as preocupações, atitudes e prontidão da vacina dos portugueses no âmbito do European Covid Survey (ECOS). O número de pessoas hesitando em todos os países estudados antes que as vacinas estivessem disponíveis foi maior do que depois. “Mas em nenhum lugar a curva caiu tão acentuadamente como em Portugal”, diz Peta Barros, professora da Nova School of Business and Economics, em Lisboa.

A proporção de pessoas totalmente vacinadas na população total, em meados de outubro de 2021. swissinfo.ch

“Os portugueses têm um elevado grau de confiança no seu sistema nacional de saúde”, afirma a antropóloga Christiana Bastos, médica e epidemiologista do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. Isso também se estende ao Comitê Nacional de Imunização e ao que ele recomenda. Para além da comissão permanente de vacinação nacional, a Direcção-Geral da Saúde de Portugal criou um órgão adicional exclusivamente dedicado à Covid-19 há um ano. Quando foi dado sinal verde às vacinas disponíveis, a população portuguesa não teve motivos para não vacinar o mais rapidamente possível.

Bastos admite que o sistema geral também apresenta fragilidades, como tempo de espera para operações programadas. “No entanto, a atenção primária está indo muito bem.”

Está relacionado com a forma como os cuidados de saúde são organizados em Portugal: todos são atribuídos a um dos centros de saúde locais (Centro de Saúde), e há um médico e um enfermeiro designados. Este é o primeiro nível de resposta quando você tem gripe, perde o período menstrual – ou quando as vacinas são necessárias. “Esse tipo de atendimento personalizado ao longo de muitos anos cria confiança e pode lidar com sentimentos de incerteza em um estágio inicial”, diz Walter Fonseca, o médico que preside o comitê nacional de vacinação da Covid-19.

A atitude positiva em relação à vacinação em Portugal também pode estar relacionada com o facto de as memórias das devastações da poliomielite e do sarampo serem mais visíveis na mente do público do que na Suíça. Embora o número de casos de poliomielite no país alpino tenha caído significativamente em meados da década de 1950, a doença foi uma grande preocupação para os portugueses na década de 1970, observa Beta Barros.

No entanto, o sucesso da campanha de vacinação portuguesa também se deve a um planeamento e logística eficientes. Depois que a força-tarefa teve um início difícil com o especialista em saúde Francisco Ramos, o vice-almirante Henrique Gouvia e Mello assumiu a tarefa em fevereiro. “Sua abordagem direta rapidamente colocou a campanha no caminho certo”, diz Peta Barros sobre o ex-capitão do submarino. A força-tarefa implorou que os residentes fossem vacinados, faixa etária por idade, e as pessoas que não haviam se inscrito para uma consulta receberam um lembrete automático por mensagem de texto posteriormente com a data sugerida.

Burocracia suíça

“Embora o federalismo traga muitos benefícios em tempos normais, ele funciona muito lentamente em crises”, diz Suzanne Sugges sobre a situação na Suíça. O especialista em comunicações e saúde pública é membro da Força-Tarefa Federal Covid-19, o órgão científico que assessora o governo sobre a pandemia. “Você precisa ser capaz de tomar decisões rapidamente e a partir do centro”, diz ela. No entanto, nos últimos meses, o governo federal sempre teve o cuidado de evitar pisar no dedo do pé nos cantões.

Mas, para Suggs, as estruturas políticas não são a única explicação para a vacilante taxa de vacinação da Suíça. “As pessoas aqui muitas vezes têm que tomar a iniciativa de encontrar informações sobre a vacinação contra a Covid-19, em vez de enviar essas informações diretamente a elas”, diz Suggs, professor da Universidade de Lugano. “É extraordinário como muitos suíços, e mesmo jovens suíços, não estão bem informados.”

A facilidade de acesso é o principal fator em tal situação: isso significa não só que o procedimento de registro é descomplicado, os locais de vacinação são de fácil acesso e os intervalos de tempo são adequados para consultas – mas também, que as dúvidas e questionamentos dos população é ouvida desde o início e que a população recebe respostas ativas. O psicólogo de saúde Schultz concorda que “notícias falsas chegam às pessoas com mais facilidade do que informações sólidas sobre vacinação”.

“Na Suíça, parece que as pessoas têm um desestímulo para serem vistas como pessoas que estão fazendo campanhas diretas para vacinar contra o vírus Covid-19”, diz ela.

Isso é verdade em parte com as mensagens do próprio governo federal, diz Suggs. O fato de a vacinação ter sido puramente voluntária não pode ser muito enfatizado nos últimos meses, mas “o fato de a vacinação ser uma questão de responsabilidade social e solidariedade nunca foi suficientemente enfatizado”. Muitas mensagens oficiais sobre a vacinação chegaram a pouco mais do que anunciar a disponibilidade da vacina.

O psicólogo social e de saúde Schultz também vê a falta de modelos e comunicações claras na campanha de vacinação neste país. Podem ter sido jogadores de futebol da seleção nacional (tentativa que fracassou miseravelmente), mas também o chefe da associação cultural local, o clérigo da aldeia ou o treinador da equipe esportiva local. Schulz acredita que, para aqueles que não necessariamente se informam sobre o progresso da pandemia por meio de jornais ou notícias de televisão, esses defensores poderiam ter desempenhado um papel importante.

“Certa vez, Elvis reivindicou sua reputação de vacinar contra a pólio por conta própria quando apareceu diante das câmeras para se vacinar”, diz ela.

Alcance com hesitante

Os pesquisadores acreditam que a campanha de vacinação do governo certamente colocará as coisas em movimento novamente. Os locais de vacinação móveis e o aconselhamento pessoal ou por telefone são a maneira certa de remover as barreiras aos indecisos.

Uma vacina recentemente aprovada pela Johnson & Johnson pode ajudar. “A falta de confiança nas vacinas de mRNA anteriores é, para muitas pessoas, o principal motivo de hesitação”, diz Schulz. A nova vacina não adota apenas outra abordagem, ela só precisa ser administrada uma vez. Por último, mas não menos importante, a obrigação de mostrar um diploma e cobrar pelos exames corona deve surtir algum efeito. “Os incentivos positivos certamente serão mais aceitáveis ​​socialmente”, diz Schultz. “Mas as medidas recentes vão empurrar mais pessoas para a vacinação.”

Traduzido do alemão por Terence McNamee

READ  Informações sobre terremotos: Light Mag. 4.6 - Terremoto do Atlântico Norte, Portugal, na quinta-feira, 2 de setembro de 2021 12:18 (GMT -2)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *