Editorial da Assembleia Geral da ONU destaca a pandemia e lacunas da vacina COVID-19

No primeiro dia do debate de alto nível na Assembleia Geral das Nações Unidas, os líderes do Brasil e dos Estados Unidos estiveram entre os primeiros a falar na reunião, destacando as tensões subjacentes em torno das medidas do COVID-19, mas também chamando a atenção necessária para lacunas vacinais.

Líderes mundiais opinam sobre medidas COVID

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, o primeiro a falar, mencionou a pandemia em seu discurso, mas outros elementos de sua presença chamaram a atenção para seu desafio às medidas estritas do COVID-19, de acordo com o Washington Post.

Bolsonaro não foi totalmente vacinado, e as regras da ONU especificam que aqueles que estão no salão da Assembleia Geral devem ser vacinados sob um “sistema de honra”. O líder brasileiro disse que não precisa ser vacinado, pois já tem imunidade após uma lesão anterior.

Durante seu discurso, ele disse que seu governo apóia os esforços de vacinação, mas não apóia as vacinações de passaporte ou autorização. Ele disse ainda que as restrições do COVID-19 prejudicam as economias dos países, segundo ele Al Jazeera.

Enquanto isso, o presidente dos EUA, Joe Biden, disse em seu Dirigindo-se aos líderes Ele disse que a ação coletiva e a vontade política são necessárias para acabar com a pandemia. Ele disse que um novo mecanismo é necessário para financiar a segurança global da saúde contra ameaças futuras.

Ele também sugeriu uma cúpula global virtual do COVID-19 que ele realizará amanhã, e sugeriu que os Estados Unidos farão compromissos adicionais.

Mais títulos internacionais

  • Na Austrália, protestos violentos eclodiram em Melbourne pelo segundo dia consecutivo, com manifestantes expressando frustração com os bloqueios e recusando um plano para vacinar trabalhadores da construção, de acordo com o Washington Post.
  • A China registrou mais 42 casos hoje no surto na província de Fujian, incluindo 36 de Xiamen, de acordo com o país Comissão Nacional de Saúde.
  • O total global de hoje ultrapassou 229 milhões e atingiu 229.400.528 casos, junto com 4.705.370 mortes, de acordo com Johns Hopkins. Painel online.
READ  Espiões, satélites e intimações: compradores de soja estão jogando duro com os fazendeiros brasileiros

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *