Diplomatas do G7 rejeitam agressão chinesa, norte-coreana e russa

KARUIZAWA, Japão (AP) – Os principais diplomatas do Grupo das Sete democracias ricas prometeram uma posição dura sobre as crescentes ameaças chinesas a Taiwan e aos testes descontrolados de mísseis de longo alcance da Coreia do Norte, enquanto criam impulso em torno de maneiras de aumentar o apoio à Ucrânia e à Ucrânia para punir a Rússia por sua invasão.

A guerra russa na Ucrânia consumirá grande parte da agenda na segunda-feira, quando os enviados se reunirem nesta cidade termal japonesa para o segundo dia de negociações destinadas a abrir caminho para o trabalho dos líderes do G7 quando se reunirem no mês que vem em Hiroshima.

O ministro das Relações Exteriores do Japão, Yoshimasa Hayashi, disse que o mundo está em um “ponto de virada” sobre os combates na Ucrânia e deve “rejeitar firmemente as tentativas unilaterais de mudar o status quo pela força, a agressão russa contra a Ucrânia e suas ameaças de usar armas nucleares”. colegas, de acordo com um resumo japonês.

Para a delegação americana, o encontro ocorre em um momento crucial da resposta mundial à invasão da Ucrânia pela Rússia e esforços para se envolver com a China, duas questões que os ministros do G7 do Japão, Estados Unidos, Reino Unido, França, Alemanha, Canadá, Itália e União Europeia consideram como poderosos desafios pós-Segunda Guerra Mundial baseados em regras. sistema internacional.

Um alto funcionário dos EUA que viaja com o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse a repórteres que o objetivo do governo Biden para as negociações é reforçar o apoio à Ucrânia, incluindo uma importante iniciativa na infraestrutura de energia da Ucrânia que foi lançada nas reuniões do G7 do ano passado na Alemanha, também de modo a assegurar o progresso contínuo.Assistência militar a Kiev. O responsável disse que intensificar a punição contra a Rússia pelo conflito, nomeadamente através de sanções económicas e financeiras que o G7 ameaçou pela primeira vez em dezembro de 2021, antes da invasão, também seria uma prioridade.

READ  A pessoa mais velha do mundo, a freira francesa Irmã André, morreu aos 118 anos.

A Ucrânia enfrenta um momento importante nas próximas semanas, com a atual ofensiva russa praticamente interrompida e a Ucrânia se preparando para um contra-ataque. Haverá discussão sobre maneiras de aprofundar o apoio às capacidades de defesa e dissuasão de longo prazo da Ucrânia, disse a autoridade dos EUA, que falou sob condição de anonimato para discutir as prioridades de Blinken nas reuniões a portas fechadas. Também pode melhorar a posição de Kiev para possíveis negociações que possam encerrar o conflito em seus próprios termos.

O papel do Japão – o único membro asiático do G7 – como presidente das negociações deste ano oferece uma oportunidade para discutir uma ação coordenada na China. Os líderes e ministros das Relações Exteriores dos países do G7, sendo os últimos França e Alemanha, concluíram suas visitas à China recentemente, e os diplomatas de Karuizawa devem discutir suas impressões sobre a posição da China em muitas questões, incluindo a guerra na Ucrânia e no Norte. Coréia e Taiwan, um ponto particularmente delicado nas relações EUA-China.

Em um jantar de trabalho privado no domingo à noite, que foi a primeira reunião oficial dos diplomatas, Hayashi pediu a continuação do diálogo com a China sobre vários desafios globais, já que a participação de Pequim é considerada crucial. Entre os interesses chineses que se entrelaçam com os das democracias ricas estão o comércio global, as finanças e os esforços climáticos.

Mas os diplomatas também estão tentando abordar a postura recente e mais agressiva da China no nordeste da Ásia, onde ameaçou Taiwan, a democracia autogovernada que Pequim reivindica como sua.

Hayashi disse aos ministros que os países estrangeiros devem continuar a “construir um relacionamento construtivo e estável, expressando diretamente nossas preocupações e convidando a China a agir como um membro responsável da comunidade internacional”, de acordo com um resumo do jantar a portas fechadas.

READ  Biden faz a quinta ligação com o presidente chinês, buscando acalmar as tensões em Taiwan

A China enviou recentemente aviões e navios para simular o cerco de Taiwan. Pequim também estava adicionando rapidamente ogivas nucleares, assumindo uma postura mais dura em sua reivindicação do Mar da China Meridional e traçando um cenário de confronto iminente.

Preocupação pode ser vista no Japão que seus esforços nos últimos anos para alcançar uma grande ruptura com os princípios de autodefesa somente após a Segunda Guerra Mundial, e trabalhar na aquisição de capacidades ofensivas preventivas e mísseis de cruzeiro para combater as ameaças crescentes.

Blinken, o principal diplomata dos EUA, deveria visitar Pequim em fevereiro, mas a viagem foi adiada devido a um balão espião chinês. O incidente ocorreu no espaço aéreo dos Estados Unidos e ainda não foi remarcado.

piscando Ele se reuniu brevemente com o principal diplomata da China, Wang Yi, à margem do Fórum de Segurança de Munique, mas os contatos de alto nível entre Washington e Pequim se tornaram raros. O alto funcionário dos EUA disse que Blinken buscaria informações de seus colegas franceses e alemães sobre suas interações com os chineses.

Apesar dos sinais, principalmente comentários do presidente francês Emmanuel Macron, de que o G7 está dividido sobre a China, o funcionário disse que há uma preocupação comum entre os países do G7 sobre as ações da China. O funcionário acrescentou que os ministros das Relações Exteriores discutirão como continuar uma abordagem coordenada para a China.

A Coreia do Norte também é uma grande área de preocupação para o Japão e outros países vizinhos da região.

Desde o ano passado, Pyongyang testou cerca de 100 mísseis, incluindo mísseis balísticos intercontinentais. Isso mostrou o acesso ao território continental dos EUA e uma variedade de outras armas de curto alcance que ameaçam a Coreia do Sul e o Japão.

READ  Ministro chinês busca relações normais com a Índia, Delhi diz que alivia tensão na fronteira primeiro

Hayashi expressou sua “grave preocupação com o lançamento de mísseis balísticos da Coreia do Norte com uma frequência sem precedentes e de maneiras sem precedentes, incluindo o lançamento na semana passada, e os ministros das Relações Exteriores do G7 condenaram veementemente o lançamento repetido de mísseis balísticos da Coreia do Norte”, segundo o comunicado. resumo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *