Descobrindo os fotógrafos modernistas anônimos no Brasil | artes | DW

Gertrude Altschul, uma fotógrafa judia nascida na Alemanha em 1904, fugiu de sua terra natal para escapar da perseguição nazista em 1939. Ela imigrou para São Paulo, Brasil, onde ela e seu marido abriram um negócio de flores feitas à mão.

Alguns anos depois, em 1952, me inscrevi em um curso básico de fotografia e passei a fazer parte de um clube de fotografia chamado Fotos do Cine Clube Bandeirante (FCCB).

Junto com empresários, contadores, jornalistas e engenheiros, que também perseguiam a fotografia como hobby, Gertrude Altschul fez viagens fotográficas por São Paulo – que na época crescia rapidamente – e desenvolveu um estilo único.

O clube organizava anualmente salões de fotografia internacionais, onde o trabalho de Altchol era mostrado. Ela se tornou uma das primeiras fotógrafas do Brasil a obter reconhecimento por seu trabalho.

De 8 de maio a 26 de setembro, parte de seu trabalho será exibida ao lado de fotógrafos como Geraldo de Barros, Tomaz Farcas, José Yalenti e Germain Lorca em Museu de Arte Moderna de Nova York (MoMA), em uma exposição intitulada Fotoclubismo: Fotografia Modernista Brasileira, 1946-1964.

Capa do catálogo da exposição da Alchol Imagem: Folha de Papaia Brasileira. Isso fornece uma ligação simbólica entre seu trabalho diário, onde ela teve que estudar a estrutura das plantas, e seu hobby como fotógrafa amadora.

‘Filigrana’ de Gertrude Altschul, Folha Transparente de Mamão, aparece na capa do catálogo da exposição

Primeira homenagem internacional da fotografia modernista brasileira

Fotoclubismo é a primeira grande exposição internacional de museu a apresentar retratos brasileiros modernos fora do Brasil. Apresenta as realizações criativas dos membros da FCCB após a Segunda Guerra Mundial, de 1946 a 1964, considerada o apogeu do grupo amador.

READ  Colômbia proíbe voos do Brasil devido à alternativa

A mostra e o catálogo que a acompanha foram iniciados pela curadora Sarah Meister. Ela lembra que conheceu Alchul e outras obras do Clube Brasileiro de Fotografia em 2015, em sua terceira viagem a São Paulo. Imediatamente pensei: “Esta é uma exposição e um livro que preciso fazer”, disse ela à DW.

José Luís Pedro, o actual presidente da FCCB, disse à DW que os membros do clube de fotografia “inventaram um novo método de fotografia, que se distanciava dos métodos tradicionais da época”.

Eles eram o que hoje chamamos de “fotógrafos de rua”. Eles saíram pelas ruas de São Paulo e tomaram conta da cidade “, disse. O grupo jogou formas leves e geométricas em um ambiente urbano cada vez mais industrial. Um trecho menor seguiu por um caminho mais abstrato.” Há uma ruptura na fotografia, que é uma representação que imita a pintura ”.

Curvas de São Paulo: “Os Trilhos” de André Carneiro (1951)

A FCCB teve um papel importante no desenvolvimento do talento dos fotógrafos brasileiros entre o final dos anos 1940 e os anos 1970.

Seus membros foram premiados em seis continentes, mas seu legado não foi reconhecido por instituições norte-americanas e europeias. “A parte mais urgente de restaurar seu trabalho no MMA é ajudar a resolver a questão de como esse capítulo extraordinário na história da fotografia é fundamentalmente desconhecido”, disse a curadora Sarah Meister. “É uma oportunidade de pensar por que eles foram deixados de fora.”

Uma celebração abstrata de uma cidade: “Skyscrapers” de Roberto Yoshida (1959)

Descubra joias escondidas

Sarah Meister e José Luis Pedro concordam que dois fatores principais explicam a falta de reconhecimento dos sócios do Foto Clube: o preconceito histórico contra as práticas amadoras e o chamado “oceano global”. Pedro observou que “o Brasil está excluído de muitos movimentos artísticos e isso não é diferente com a fotografia”.

READ  Como assistir ao jogo Brasil-Paraguai (08/06/2021): Transmissão ao vivo e programação de TV do oitavo dia de eliminatórias da CONMEBOL para a Copa do Mundo

A exposição no Museu de Arte Moderna pode representar um ponto de inflexão. Além de apresentar grandes obras, é um convite a enfrentar preconceitos estéticos e repensar atitudes em relação aos amadores. “Durante 50 anos, esta história esteve escondida nos arquivos do clube e agora a importância destes fotógrafos está finalmente a ser reconhecida pelos principais museus e galerias”, disse Pedro.

foto do lobo thamaz

O fotógrafo húngaro Tomaz Farkas destaca as linhas geométricas do Ministério da Educação (por volta de 1945)

Sarah Meister, que está fazendo a transição para a direção da Fundação Aperture depois de mais de uma década trabalhando como curadora de fotografia no MoMA, vê “Fotoclubismo” – sua última exposição para o museu – como uma dádiva em termos do processo crítico envolvido.

Ela disse: “Estou particularmente animada não apenas porque sei que o trabalho vai ressoar com o público, mas porque esta é uma oportunidade maravilhosa de pensar: ‘O que mais podemos fazer como curadores ou como museus para refletir e recuperar outros elementos de nossa história que foi esquecida e negligenciada? ‘” “

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *