Crise orçamentária do estado: empregadores declaram guerra ao governo

Esta é uma das manchetes da imprensa popular hoje, já que as negociações parecem visar ostensivamente “salvar” o orçamento do Estado português para 2022.

Os sindicatos patronais abandonaram a “Concertação Social” – conversas que o governo mantém com grupos informais (em oposição aos partidos políticos) – acusando o Executivo de “desonestidade de negociação”.

Com este último setor ainda ferozmente hostil às propostas orçamentárias – e prometido votar contra elas quando o documento for colocado em votação pública na próxima quarta-feira (27 de outubro) – os empregadores de quatro grandes setores estão furiosos com a decisão do governo, basta colocar . Para agradar à esquerda, isso deveria ter sido discutido com eles primeiro.

Os chefes da CIP (Confederação das Indústrias), CCP (Confederação do Comércio e Serviços), CAP (Confederação da Agricultura) e CTP (Confederação do Turismo) dizem ‘sentir-se desrespeitados’ e ‘pedir um encontro com o presidente Marcelo’.

O presidente Marcelo procurou minimizar o alvoroço, dizendo “sim” que se reuniria com os representantes patronais (na próxima sexta-feira), mas o encontro já estava marcado.

A indignação dos sindicatos centra-se na aprovação pelo governo de alterações à legislação laboral, um dia depois de uma reunião entre as duas partes em que não havia sinais de aproximação.

As mudanças incluem “aumentar a compensação por interromper contratos; reorganizar os valores de“ horas extras extraordinárias acima de 120 horas ”e expandir o princípio do tratamento preferido”, escreveu Koryo da Manha.

“A Consertação Social (diálogo social) não é tão respeitada desde 1984”, diz Antonio Saraiva, chefe do CIP (1984 foi o ano da criação da “concertação social”).

O primeiro-ministro Antonio Costa descreveu a situação como um “lapso” e ofereceu suas “desculpas”.

Depois de voltar para casa dos dois dias do Conselho Europeu em Bruxelas na noite passada, ele reiterou que estava comprometido em “fazer tudo” para chegar a um acordo sobre o orçamento do Estado, “mas não a qualquer custo”.

READ  O fim de semana é marcado por multidões nas praias e bares do Rio Rio de Janeiro

A precipitação causou ondas dentro do Partido Socialista. Francesco Assis, ex-MEP do PS Euro, que agora é presidente do CES (Conselho Econômico e Social), reconheceu que a raiva dos empregadores é uma “questão séria e delicada”.

Disse ao Expresso que pretende encontrar-se com o Primeiro-Ministro e o Presidente Marcelo para tentar chegar a algum tipo de reconciliação.

“Não haverá acordo sem a presença das associações patronais (…) e esta é uma preocupação que deve ser tida em consideração”, afirmou.

“Seria inútil, até criminoso, anular o diálogo enquanto o país se prepara para discutir o uso das ferramentas essenciais para o seu desenvolvimento” – esta é uma referência à chegada de bilhões de “bazucas” a Bruxelas para recuperação e resiliência.

Este é o ponto em que o drama em desenvolvimento repentinamente entrou em foco: sem o orçamento do Estado não haveria bilhões de Bruxelas.

O Secretário de Estado do Tesouro, João Nuno Mendes, explicou: “Precisamos do Orçamento do Estado para implementar o PRR (o Plano de Recuperação e Resiliência que Costa ‘anuncia’ em privado como o caminho de Portugal para a prosperidade há meses).

“Para Portugal receber o dinheiro terá de cumprir as medidas e metas que serão aprovadas pela Comissão Europeia”, continuou João Nuno Mendes, descrevendo o caminho a seguir como “uma pirâmide de aprovações que não acontecerá sem o Estado despesas.”

A rodada continua, com partidos marginais não buscando apoio – a saber, CDS-PP, Chega e Iniciativa Liberal (IL) – que dizem o mesmo no fundo de “nós vemos isso chegando”.

João Cotrim Figueiredo, o dirigente do IL, explica os motivos da rejeição do orçamento – no essencial muito semelhante ao dado domingo passado pelo analista de televisão Luís Marques Mendez: “Não respondem à prioridade principal que é o crescimento económico”.

“É um orçamento ruim”, disse ele ao Parlamento ontem.

Depois de meses e semanas em que todos os esforços foram feitos para ignorar as nuvens de tempestade que se avolumavam, o Expresso admite que o Presidente Marcelo se “prepara” para uma nova crise em que o “próximo passo” lógico seria dissolver o Parlamento e convocar eleições antecipadas.

natasha.don[email protected]

READ  Portugal descobre os primeiros casos da variante brasileira COVID-19, segundo a SIC TV

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *