Crise na fronteira entre Bielo-Rússia e Polônia: Rússia e Bielo-Rússia realizam exercícios militares

Na sexta-feira, a Rússia e a Bielo-Rússia realizaram um exercício conjunto de pára-quedistas perto da Polônia, que o Ministério da Defesa da Bielo-Rússia disse estar “relacionado à intensificação da atividade militar perto da fronteira estatal da República da Bielo-Rússia”.

Cerca de 15 mil soldados poloneses foram enviados à fronteira da Polônia com a Bielo-Rússia nos últimos dias em resposta a um impasse tenso que a União Europeia, os Estados Unidos e a Otan dizem ser obra do líder bielorrusso Alexander Lukashenko.

OTAN Na sexta-feira, ele disse que estava monitorando qualquer escalada ou provocação na situação na fronteira de seus membros com a Bielo-Rússia após os exercícios.

Os líderes ocidentais, incluindo os primeiros-ministros das vizinhas Polônia, Letônia e Lituânia, acusam o regime de Lukashenko de desencadear uma crise de imigrantes na fronteira oriental da UE como punição para sanções por abusos de direitos humanos.

O governo de Lukashenko negou repetidamente essas acusações, culpando o Ocidente pela travessia e tratamento dos migrantes.

Presos no fogo cruzado Mais de 2.000 pessoas presas entre a Polônia e a Bielo-Rússia agora enfrentam condições descritas como “catastróficas” pelas Nações Unidas, com cenas desesperadas de fome e hipotermia em florestas congeladas e em campos improvisados ​​na fronteira.

A Rússia, o maior (e mais importante) parceiro político e econômico da Bielorrússia, continua defendendo a forma como Minsk está lidando com a crise de fronteira, enquanto nega qualquer envolvimento.

A Rússia mostrou esse apoio antes Dois bombardeiros supersônicos russos Tupolev Tu-22M3 de longo alcance voam sobre o espaço aéreo bielorrusso na quarta e quinta-feira.

O Ministério da Defesa russo disse que aeronaves conhecidas por suas capacidades nucleares praticaram “problemas de interação com pontos de controle em solo” com as forças armadas dos dois países.

A vizinha Ucrânia também está reforçando as medidas de segurança. Na quinta-feira, anunciou que conduzirá exercícios militares com cerca de 8.500 soldados e 15 helicópteros em uma área próxima às suas fronteiras com a Polônia e Bielo-Rússia para enfrentar a potencial crise migratória.

READ  Uma mulher de 78 anos morre após a vacinação

A demonstração de força que se desdobra em toda a região continua testando o frágil sistema político, com alegações dos Estados Unidos sobre o aumento militar da Rússia nesta semana, aprofundando as preocupações sobre o potencial para uma crise geopolítica mais ampla.

O secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, disse na quarta-feira que os Estados Unidos estavam “preocupados com relatos de atividade militar russa incomum” e observou a possibilidade de que a Rússia estivesse “tentando reformular” sua invasão da Ucrânia em 2014.

A Rússia respondeu às acusações na sexta-feira, dizendo que elas representavam uma “escalada vazia e infundada de tensão”.

O presidente russo Vladimir Putin (à esquerda) e o líder bielorrusso Alexander Lukashenko apertaram as mãos em Sochi, na Rússia, no início deste ano.

“Isso não vai funcionar.”

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, descreveu a crise na fronteira como um “desafio para toda a União Europeia” no início desta semana. “Esta não é uma crise de imigração. É uma tentativa de um regime autoritário de tentar desestabilizar seus vizinhos democráticos. Isso não vai funcionar”, disse ela.

As potências ocidentais estão agora se preparando para impor novas sanções à Bielo-Rússia, e a União Europeia disse que está considerando sanções contra companhias aéreas de países terceiros por contribuírem para a crise transportando pessoas para Minsk, capital da Bielo-Rússia.

O Ministério das Relações Exteriores da Turquia disse em um tweet na sexta-feira que evitaria que pessoas da Síria, Iraque e Iêmen – de onde vêm muitos dos migrantes retidos na fronteira – viajassem de aeroportos turcos para Bielo-Rússia. Na quinta-feira, o ministério respondeu às alegações de que estava contribuindo para a crise, dizendo que “se recusa a retratá-lo como parte do problema do qual a Turquia não faz parte”.

O presidente do Conselho da União Europeia, Charles Michel, respondeu ao tweet, dizendo “Obrigado” pelo “apoio e cooperação”.

READ  EUA consideram encomendar companhias aéreas comerciais para ajudar a evacuar afegãos

Mas Moscou não cedeu, pois o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, rejeitou as acusações de que a companhia aérea russa Aeroflot ajudou refugiados a viajar para a Bielo-Rússia. Peskov disse que as declarações da Aeroflot mostram que “não prevê e não irá providenciar o transporte de migrantes para Minsk”, acrescentando que “mesmo que algumas companhias aéreas estejam envolvidas nisso, de forma alguma contradiz os regulamentos internacionais”.

Nos Estados Unidos, o Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca anunciou na quarta-feira que está preparando “sanções de acompanhamento” destinadas a responsabilizar a Bielo-Rússia por “ataques em andamento à democracia, aos direitos humanos e às normas internacionais”. Esta é a segunda rodada de sanções anunciada pelos Estados Unidos nos últimos meses. Não está claro quando as novas medidas serão implementadas.

O ministro das Relações Exteriores alemão, Heiko Maas, disse na quinta-feira que também se espera que a União Europeia “amplie e endureça suas sanções contra o regime de Lukashenko”.

custo humano

Migrantes se reúnem para receber ajuda humanitária em um acampamento na fronteira bielo-polonesa na Bielo-Rússia '  Região de Grodno em 12 de novembro de 2021.

Enquanto isso, as condições para os migrantes presos na fronteira continuam a piorar, com as pessoas em um acampamento improvisado para migrantes em Brozge, na fronteira com a Bielo-Rússia, agora morrendo de fome e precisando desesperadamente de lenha em temperaturas quase congelantes.

A CNN ganhou acesso exclusivo ao campo, enquanto cenas caóticas se desenrolavam em uma área de distribuição de alimentos enquanto a Cruz Vermelha bielorrussa tentava entregar ajuda alimentar para a multidão apertada enquanto as forças de segurança bielorrussas os empurravam de volta. Decepção e tristeza são evidentes em todo o acampamento.

Migrantes que fogem de países devastados pela guerra, como a Síria e o Iraque, chegaram à Bielo-Rússia com o objetivo declarado de se aprofundar na Europa e tentar encontrar uma vida melhor. Mas agora, há uma sensação amarga de decepção não acontecendo.

READ  O palácio disse que o príncipe Philip foi infectado e ficará em um hospital de Londres por vários dias

Desde o início de novembro, 4.500 tentativas de cruzar a fronteira foram registradas, de acordo com as autoridades polonesas. Os guardas de fronteira poloneses disseram ter registrado cerca de 1.000 tentativas de travessia nos últimos dias, incluindo alguns esforços de “grande escala” com grupos de mais de 100 pessoas tentando romper a cerca.

Grupos humanitários acusam o partido governante da Polônia de violar o direito internacional de asilo ao devolver pessoas à Bielo-Rússia em vez de aceitar seus pedidos de proteção. De acordo com o Artigo 14 da Declaração Universal dos Direitos Humanos, toda pessoa tem o direito de buscar e desfrutar de asilo contra perseguição em outros países. A Polônia diz que suas ações são legais.

À medida que o confronto continua, as pessoas continuam chegando. As autoridades bielorrussas estimam que o número de migrantes que chegam à fronteira pode aumentar para 10.000 nas próximas semanas, se a situação não for resolvida.

Nadine Schmidt, Katharina Krebs, Antonia Mortensen e Magda Chudonik da CNN contribuíram para o relatório.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *