Coronavírus na América Latina: como a América do Sul se tornou líder mundial em vacinação contra Covid-19 | Estados Unidos da América

A notícia foi divulgada pela primeira vez em dezembro: pela primeira vez, a América do Sul liderou o mundo em porcentagem da população vacinada – posição que mantém até hoje. Não foi fácil: lutas diplomáticas e financeiras pelo acesso a vacinas, altas taxas de mortalidade, longos bloqueios e polarização política fizeram com que essa situação parecesse altamente improvável um dia. Mas em 5 de janeiro, de acordo com estatísticas do site Our World in Data, 76% de sua população foi vacinada com pelo menos uma dose da América do Sul e 64% da população foi totalmente vacinada, logo acima da Europa (66 % e 62%) e Estados Unidos, Estados Unidos (74% e 62%). Tudo isso apesar de uma luta sul-americana mais dura para obter vacinas em primeiro lugar.

O que aconteceu em uma região que também abriga o país com o maior número de óbitos per capita devido à epidemia (Peru) e o segundo maior número de óbitos totais (Brasil)? A pergunta tem uma resposta parcial: o medo do caos que o coronavírus causou na região foi mais forte do que qualquer conspiração antivacina. No entanto, isso não mostra o quadro completo do progresso das campanhas de vacinação em sociedades que tiveram que superar obstáculos econômicos, geográficos e estruturais para chegar às armas de seus cidadãos.

A história de sucesso da vacina na América do Sul é multifatorial e varia de país para país, mas também é possível traçar fatores comuns, principalmente históricos. Isso inclui uma cultura de vacinação profundamente enraizada e respeito pelos sistemas de saúde que continuam a atender o público, não importa o quão frágil e fraco durante a pandemia. A mesma infraestrutura de saúde foi revitalizada para impulsionar campanhas de vacinação em economias com taxas muito altas de emprego informal e precário. Assim, a alta demanda por vacinas, aliada à necessidade básica de sair e ganhar dinheiro para sobreviver, está levando as grandes potências da região a atingir percentuais muito elevados de cidadãos vacinados.

READ  Destruição de florestas tropicais acelera em 2020

Brasil: conquistas extraordinárias apesar do presidente cético sobre vacinas

A proporção de brasileiros vacinados contra a Covid supera a média global e regional. É um feito extraordinário para o país mais populoso da América do Sul, que também é liderado por um dos poucos chefes de Estado que recusou a vacinação e espalhou informações erradas sobre vacinas. De acordo com o Nosso Mundo em Dados, 67% dos 210 milhões de brasileiros já estão totalmente vacinados e outros 11% já receberam a primeira dose.

Primeiro, pela vasta rede do sistema público de saúde brasileiro, que chega a todos os cantos do país. Em segundo lugar, uma vez que os problemas iniciais com a aquisição de vacinas foram resolvidos e os suprimentos começaram a fluir adequadamente em julho, esse sistema demonstrou sua força. Às vezes, dois milhões de doses foram dadas em um dia no Brasil. Terceiro, isso foi fácil de encontrar: havia uma grande variedade de locais para jab, com longas horas. Além disso, o medo de omicron encurtou o tempo necessário para uma dose de reforço.

Agentes de saúde vacinam uma mãe e seus filhos em Manaus, Brasil.André Coelho (El Pais)

A Covid já matou mais de 600.000 pessoas no Brasil, atenuando as críticas provocativas de Bolsonaro às vacinas e afirma que o vírus era pouco pior que um resfriado comum. A confiança nas vacinas e no sistema público de saúde permaneceu consistente. As campanhas de vacinação do Brasil têm até seu próprio mascote, Zé Gotinha, cuja existência remonta a décadas. Enquanto isso, a elite econômica do Brasil forçou o governo federal a adotar a vacinação (embora com relutância) quando alertou publicamente que era necessário revitalizar a economia. Vacinados com entusiasmo, os adolescentes fizeram de tudo para reviver a festa mais esperada do ano, o Carnaval brasileiro.

Argentina: Tradições e Sputnik

A Argentina forneceu quase 78 milhões de vacinas contra o vírus Corona, o segundo maior número na América do Sul depois do Brasil. Oitenta e quatro por cento da população recebeu pelo menos uma dose de reforço, 72,9 por cento receberam duas doses e 14 por cento já receberam uma terceira dose de reforço. Os movimentos antivacinas são minoria no país e não estão bem organizados, embora o governo tenha tido dificuldade em atingir 16% das pessoas que ainda não foram vacinadas. A maior aceitação está associada a uma cultura inerentemente saudável. As crianças recebem a primeira vacina minutos após o nascimento e, à medida que crescem, não podem ingressar no sistema educacional se não apresentarem documentação que comprove ter recebido as vacinas obrigatórias. “Temos um dos calendários de vacinação mais completos da América Latina”, explica uma fonte do governo argentino. “A vacinação é algo que está culturalmente enraizado na população. Além disso, o vírus H1N1 foi uma experiência para introduzir algo fora do comum no calendário regular de vacinação”, acrescentou a fonte.

Garantir doses adequadas foi uma batalha difícil na Argentina. Meses após o início da pandemia, o país comemorou o acordo com a AstraZeneca para produzir milhões de doses com o México como uma grande vitória. Mas as coisas não correram como esperado, e quando já estava claro que o contrato não poderia ser cumprido (o México argumentou que não poderia obter os suprimentos necessários no mercado aberto), a Argentina escolheu a vacina russa Sputnik V. uma das primeiras países a concordar com seu uso, que foi autorizado a começar a ser implementado em dezembro de 2020. O governo de Alberto Fernandez recebeu fortes críticas da oposição conservadora, que o acusou de se recusar a comprar de empresas farmacêuticas financiadas pelos EUA, como a empresa ideológica Pfizer. razões. Um ano depois, não faltam vacinas no país. O Ministério da Saúde agora armazena 17 milhões de doses de seis empresas farmacêuticas diferentes.

Chile: Sucesso da Parceria Público-Privada

O Chile rapidamente assumiu a liderança regional e global na vacinação contra o Covid-19. O presidente Sebastian Piñera, que deixa o cargo em março, anunciou que iniciará uma nova campanha de reforço com uma quarta dose, inicialmente com foco na imunodeficiência. As infecções aumentam no verão no hemisfério central ou sul, e o Ministério da Saúde quer manter a imunidade da população contra o vírus em um local onde a variante ômícron ainda não prevaleça.

Até hoje, 92,2% da população elegível recebeu vacinas contra o Covid-19. No centro desse sucesso está um robusto sistema de saúde primário criado na década de 1950 que prevaleceu mesmo durante a ditadura de Augusto Pinochet. O Chile tem uma geografia e topografia complexas, mas as clínicas podem ser encontradas mesmo nos lugares mais remotos. Semelhante aos demais países sul-americanos mencionados, há uma forte cultura de vacinação desde cedo. O Chile tem uma das economias mais abertas do mundo desde a década de 1990, com fortes ligações comerciais internacionais que facilitaram as negociações para vacinas precoces. Até o momento, quase 50 milhões de doses chegaram ao país, principalmente da Sinovac e da Pfizer-BioNTech, mas o governo também assinou acordos e contratos com AstraZeneca, CanSino (Saval), Johnson & Johnson e a vacina russa Sputnik V, esta última dos quais foi aprovado no Chile é para maiores de 18 anos.

A colaboração entre os sistemas de saúde público e privado também tem sido crucial, com ambos os setores fornecendo uma frente unida para enfrentar a doença. A cooperação das universidades e a habilidade de negociação do próprio presidente Piñera, que tem reconhecido talento para os negócios, são outros elementos que explicam o sucesso do Chile em obter vacinas e iniciar um processo de vacinação bem-sucedido.

Columbia: Da primeira gagueira ao lançamento da vacina

Embora a Colômbia não tenha atingido sua meta de vacinar 70% de sua população de 50 milhões com duas doses até o final de 2021, terminou o ano com 75,4% da população vacinada com a primeira dose, 55,7% totalmente vacinada e 6,5% com a dose. Dose de reforço, de acordo com Our World in Data. O país tinha um forte histórico de vacinação, sem grandes movimentos antivacinação, e um dos maiores programas da região de acesso gratuito a 21 vacinas que protegem contra 26 doenças.

Em março, a Colômbia também se tornou o primeiro país da América Latina e um dos primeiros países do mundo a receber vacinas por meio do mecanismo Covax liderado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Foi anunciado na segunda-feira que o governo espanhol doará um novo lote de cerca de 5,5 milhões de doses através da Covax nas próximas semanas, tornando a Espanha o maior doador internacional de vacinas para a Colômbia (seguido pelos Estados Unidos). Isso é um reflexo da abordagem multifacetada com a qual Bogotá concordou. O governo optou por combinar essa estratégia multilateral com várias negociações bilaterais com empresas farmacêuticas. Separadamente, empresas privadas também compraram e administraram 2 milhões de doses para funcionários e familiares.

“Ter um portfólio diversificado foi fundamental, então os moradores receberam cinco vacinas [Pfizer, Sinovac, AstraZeneca, Janssen and Moderna] E quando faltava um, chegava outro para atender a demanda”, diz Carlos Daguerre, autor de vários livros sobre saúde pública. e estender a vacinação a crianças de três anos E para cima, o ministro da Saúde, Fernando Ruiz, disse em dezembro: “A obrigatoriedade de passar vacinas em locais de lazer nos permitiu crescer de forma muito importante entre os jovens”.

Peru: Antes tarde do que nunca

O Peru recebeu seu primeiro lote de vacinas chinesas (Sinopharma) em 7 de fevereiro de 2021. Isso ocorreu depois de alguns países vizinhos e foi inicialmente destinado a profissionais de saúde e forças de segurança. O governo de Francisco Sagaste terminou em julho de 2021 vacinando 18% dos adultos, e com a mudança de governo encerrou a nova administração de Castillo em 2021 com 80% da população acima de 12 anos vacinada.

Vários fatores explicam por que a maioria compareceu aos centros de vacinação no segundo semestre de 2021, apesar das fortes campanhas de ativistas antivacinação. O Peru foi o país com a maior taxa de mortalidade do mundo por Covid-19, com quase 6.000 mortes por milhão de habitantes. É também o lar do maior número de crianças órfãs pelo coronavírus em todo o mundo. Esse encontro frequente com a morte significa que a população está dependente de vacinas, em vez de enfrentar a perspectiva de ter que lidar com uma doença grave que requer oxigênio em unidades de terapia intensiva (UTI). Eles tinham todos os motivos: no primeiro semestre de 2021, o Peru sofreu milhares de mortes adicionais devido à falta de leitos de terapia intensiva e dinheiro para comprar oxigênio caro de empresas privadas, à medida que se tornava escasso no sistema público de saúde.

O Ministério da Saúde peruano também organizou eventos de vacinação em massa e festas de vacinação e enviou vacinadores de casa em casa em comunidades remotas nos Andes e na Amazônia. As autoridades de saúde têm trabalhado duro nessas áreas para mitigar a desinformação antivacina. Enquanto isso, a economia peruana caiu 11% no primeiro ano da pandemia e o emprego informal subiu de 72% para 78%, o que significa que a imunização pode oferecer alguma proteção para quem vai trabalhar. Em novembro de 2021, o governo tornou a vacinação obrigatória em empresas com mais de 10 trabalhadores, levando milhares de extremistas a se vacinarem. Quando a Omicron se aproxima, as autoridades de saúde estão obrigando a comprovação completa de vacinação para entrar em shoppings, restaurantes e cinemas a partir de 10 de dezembro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *