Como o músico brasileiro Sergio Mendes desempenhou um papel ativo em Los Angeles

Voltar para a aula de dança do colégio. Em 2005, mudei recentemente de Brasília para Miami. Uma mulher loira alta e graciosa, meu instrutor impulsiona a performance em som estéreo durante o alongamento, mas para minha surpresa, eu esperava a vibração normal da Nova Era. Você pode ouvir tambores alegres e cantar em português. O samba “Magalenha” foi composto por Carlinhos Brown e gravado pelo músico brasileiro Sergio Mendes, que a escuta desde a infância.

Como um brasileiro que cresceu em movimento, a música é um dos meus refúgios constantes e a forma como o meu corpo se move para a frente e para trás no Brasil. Compartilhei uma lista de reprodução de músicas de Mendes com um amigo e coloquei seu nome em um documento do Word, para que soubessem como dizer seu nome em voz alta. PrincipalJ’s.

Mendes ajudou a colocar a música brasileira no mapa dos Estados Unidos. Antes de sua chegada, os americanos quase conheciam o som brasileiro como Carmen Miranda e o Chapéu de Frutas. No entanto, os brasileiros se entusiasmam com imagens com menos nuances e estereótipos. Mendes ofereceu mais. Claro, ele não fez essa mudança sozinho, mas aqui, especialmente o legado que ele construiu em Los Angeles, onde passou a maior parte de sua vida, se destaca de seus contemporâneos. Ele é um tradutor, “will.i.am, rapper e membro principal do Black Eyed Peas, disse no novo documentário de John Sheinfeld, Sergio Mendes: The Key to Joy. “O que está acontecendo no Brasil se traduziu em todo o mundo”.

Tradução é o processo de iluminar um idioma e cultura em outro. Mendes é um dos melhores tradutores de voz da história recente. As melhores traduções o integram a outros idiomas, em vez de apagar o idioma e a cultura originais. Foi o que Mendes fez. O pianista, que arranjou e produziu a música, mesclou os ritmos e as línguas brasileiras ao jazz americano e folk, entrelaçados. Ele o fez fora dos Estados Unidos e trabalhou com músicos da Itália, França e Japão. Ele não só trouxe a música brasileira para o mundo, como a renovou a cada tradução, a cada encontro cultural.

(Paul Natkin / Getty Images)

Faz sentido que Mendes, que veio da pacata cidade costeira de Niterói, perto do Rio de Janeiro, prosperasse em Los Angeles. É um lugar onde sua música otimista se encaixa. A bossa nova, que Mendes começou a tocar em Los Angeles e é a espinha dorsal de sua música até hoje, é inspirada na beleza e nas paisagens montanhosas compostas ao longo das praias cariocas. Ele carregou as formas abertas das melodias e as criou para que se tornassem parte das colinas, ruas e praias de Los Angeles.

Ouvir música brasileira é como ir para casa, mas Mendes tem outra camada Ouvindo suas músicas, sinto que ele está viajando comigo entre Los Angeles e o litoral brasileiro.

READ  Loft do Brasil adiciona US $ 100 milhões às suas contas, US $ 700 milhões à sua avaliação em um mês - TechCrunch

:::

Mendes é Angelino desde novembro de 1964. Ele se mudou para cá em busca de suas ambições artísticas, mas também escapou da ditadura que engoliu o Brasil nos próximos vinte anos. Falando pouco inglês e gastando pouco dinheiro, ele conseguiu um pequeno apartamento em Glendale e seu primeiro carro, um Chevrolet 1951, e descobriu uma cidade que ele não conhecia muito. “Eu imediatamente me apaixonei por ele”, Mendes, agora com 80 anos, me disse em português em uma recente chamada da Zoom. Ele sorri e usa seu chapéu Panamá e uma camisa pólo verde-limão. “Eu o amava por causa do clima. Era muito menos nervoso do que Nova York. Eu estava relaxado. Ele tinha mais a ver comigo.”

Mendes era respeitado como um famoso músico brasileiro, mas aos 21 anos saltou de Niterói para Nova York para se apresentar no Carnegie Hall, um marco da música brasileira. Ela não era popular quando chegou. Sua primeira banda de Los Angeles, Brazil 65, não decolou apesar de ser bem aceita por clubes de jazz como Shelly’s Manne Hole. Seu próximo grupo, Brazil ’66, formou-se com o ousado Lanny Hall e chamou a atenção de um novo selo, A&M, liderado por Herb Alpert (Tijuana Brass) e Jerry Moss. (“Me apaixonei pelo som”, diz Albert em um documentário.) A Brazil 66 e a A&M Records gravaram a primeira do mundo com “Mas Que Nada” de Jorge Ben. A música começa com um piano de jazz flexível, um shaker e um coro estrondoso cantando a vontade de dançar o samba. Ao contrário de “Girl from Ipanema”, de Tom Gubin, popular nos Estados Unidos, “Mas que Nada” (expressão aterrorizante que significa “de jeito nenhum”) era cantada em português. Arrozal. Mendes lembrou mais tarde: “As pessoas não sabiam o que isso significava e simplesmente não importava”. “Isso fez as pessoas se sentirem bem.”

Não especificado - por volta de 1970: Retrato de Sergio Mendes Foto: Michael Oaks Archive / Getty Images

Em Los Angeles, Mendes se tornou um especialista em relembrar e repensar sons brasileiros à distância. Sua música é sobre me atrair para minha cidade natal e estimular a integração com outras culturas. Tem canções americano-brasileiras como “Slow Hot Wind” de Henry Mancini, “Night and Day” de Cole Porter e “The Look of Love” de Bert Bacharach. Eu adicionei um toque. A interpretação de maior sucesso de 66 foi The Fool on the Hill, dos Beatles, The Fool on the Hill. Em uma carta, Paul McCartney disse a Mendes que era sua música favorita.

A capacidade de absorver e transformar influências estrangeiras está no cerne da modernidade e da cultura brasileira do século 20. Essa urgência pode ser rastreada até a década de 1920, quando os artistas usaram a analogia do canibalismo para explicar a adoção da arte europeia contemporânea. Eles combinaram isso com as sensibilidades locais para tornar algo ainda melhor e mais forte. Décadas depois, os músicos mantinham o mesmo espírito, da bossa nova ao jazz ao samba psicodélico do movimento Tropicala. Mendes honestamente se encaixa nessa data no exterior.

READ  O AliExpress está buscando produtos comerciais e financeiros ao vivo para expandir as vendas para o Brasil

Ele frequentemente alternava entre idioma e cultura. Seu amor pela linguagem e o som de suas palavras – duas de suas favoritas ‘Chancellor’ e ‘Partner’ – são sentidos em sua música. Ele não tinha medo de sotaques, fossem os americanos cantando em português ou os brasileiros em inglês.

Sergio Mendes e Brasil 77, retrato, 1977. (Arquivo GAB / Foto de Redferns)

A palavra “alegria” é freqüentemente usada para descrever a música de Mendes. O músico Scott Mayo, que co-estrelou com Mendes e estrelou o famoso “In the Key of Joy”, diz que a voz “totalmente emocional” de Mendes traz alegria. “Está cheio de alegria, cheio de vida, cheio de dor”, diz ele. “Se você juntar todos os sentimentos do mundo em uma música, é música brasileira.” Zadie Smith certa vez descreveu as nuances da alegria como “uma estranha mistura de medo, dor e alegria”. No Brasil, a natureza aparentemente paradoxal dessa música, a sensação de sentir alegria e dor, pode ser explicada da seguinte forma: Ausente… é um termo usado para descrever algo ou uma deficiência em alguém, mas em geral significa um misto de calor e melancolia quando você sente a presença da ausência. NS Ausente Muita música brasileira vem do colonialismo e da escravidão. As greves de samba foram realizadas por milhões de escravos africanos que foram severamente separados de suas casas. Mesmo agora, depois de séculos, o samba sempre foi brilhante e muito admirado.

Na música de Mendes, você pode sentir o sorriso do cantor, o piano e a bateria escapando com energia, mas o que dói em trazer alegria é a força pura da voz, sua energia aberta. Como Mendes me disse, o “talento brasileiro” é o que domina suas canções. Ele mora no exterior há 57 anos e diz: “A maioria das minhas ideias veio da minha vida e da minha vida no Brasil.” Dá para ouvir a distância percorrida pela música entre bateria, português, inglês e jazz.

:::

A música brasileira é a melhor experiência ao vivo. Quando você vê o Mendes tocando, você absorve a energia dele. Ele vai mudar você. Sua intenção é clara: quer recebê-lo para que se sinta em casa. Em 2019, fui ao primeiro show de Mendes no Royce Hall da Universidade da Califórnia. Havia pelo menos 12 músicos no palco, o que é uma grande família. Cada batida do tambor, cada teclado de piano e cada nota do som foram proferidas com força e vivacidade. As energias eram contraditórias. Apresentamos ao público o que Mendes e sua banda filmaram. No final da festa, todos estavam de pé e dançando. Costumava cantar junto em inglês e português. A certa altura, o recrutador ordenou que eu impedisse o vazamento na entrada da garagem.

READ  Notícias de tendência: Crescimento do mercado de resistores de filme espesso por regiões e análise geográfica até 2026

O desempenho de Mendes não é exatamente o mesmo. Dos membros da Filarmônica de LA e Dianne Reeves ao rapper Harrell “H20” Harris Jr. , os convidados costumam participar do teatro. Isso vem de seu amor pela experimentação. Desde o início dos anos 2000, ele se envolveu com hip-hop e soul music. O álbum de 2006 de Mendes “Timeless” foi produzido por will.i.am em East Los Angeles e contou com Stevie Wonder, Índia, Ari, Erica Badu e John Legend. Essa abertura para os outros é a cara do estilo de vida de Mendes em Los Angeles. “As coisas realmente acontecem naturalmente aqui”, disse-me ele. Certa vez, ele fez turnê com Fred Astaire e Frank Sinatra e fez discos com Sarah Vaughan. “Tudo tem a ver com Hollywood, a indústria da música e os grandes lugares de Los Angeles.”

O músico brasileiro Sergio Mendes, ganhador do Grammy, fará um show gratuito.

(Robin Beck / AFP via Getty Images)

Como disse Mendes, desde o Brasil em 66 houve uma “escalada” consistente de melodias brasileiras que mudou a percepção dos sons americanos. “Não foi apenas uma moda passageira”, disse Mendes. “A música brasileira se tornou algo que os americanos querem ouvir. É uma sensação boa.”

Ele gosta de voltar a essa ideia sentimental Boa… e, portanto, sua música afeta seus ouvintes. No entanto, também se sente bem ao jogá-lo. No ano passado, músicos roubaram minha performance ao vivo. Mas, finalmente, depois de mais de um ano e meio da pandemia, Mendes está de volta ao Hollywood Bowl. Este é o seu “lugar preferido, o seu lugar mágico”. Ele disse decisivamente a ele algo especial sobre tocar em Los Angeles: “Esta é minha casa.” e “Às vezes estou com meu vizinho. Você está com pessoas que moram na mesma cidade e que moram na mesma coisa. Essa é a identidade com o público.”

O Brasil sempre foi sua inspiração, mas a outra metade da história de Mendes é como ele compartilhou a música brasileira com a cidade de Los Angeles com um coração generoso. Quando Mendes deu um show, ele toca essas músicas há décadas – ele sabe que as pessoas querem ouvi-las, mas ele as toca e eu gosto delas também. Deve inspirá-lo a dar a si mesmo uma parte de si mesmo que parcialmente deixou para trás e vê-la viva em uma nova cultura. Deve ser refrescante, doloroso e divertido.

Elisa Walk Almeno é editora sênior da Hyperallergic e treinadora de tradução da UCLA Extension.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *