Como o Flamengo está sendo comercializado para o público americano – e o que isso significa para marcas esportivas globais

O boom do futebol americano começou com a Copa do Mundo de 1994, que foi realizada aqui, e a subsequente criação da Major League Soccer, seguida pelo sucesso dos Estados Unidos em jogar a Copa do Mundo Feminina. A Copa do Mundo masculina retornará aos Estados Unidos, Canadá e México em 2026, proporcionando mais impulso doméstico.

Se há espaço no coração dos consumidores americanos para mais marcas de futebol é assunto de algum debate entre especialistas em marketing de futebol. Em geral, eles veem uma grande chance de um clube brasileiro ganhar atração entre latino-americanos e hispânicos, especialmente em cidades como Orlando, Miami, Nova York e Boston que têm grande concentração de brasileiros.

“Quando penso no Flamengo, penso na ascensão da comunidade hispânica e latina nos Estados Unidos, que tem um grande interesse pelo futebol”, disse John Steiner, diretor administrativo da Nielsen Sports Americas, que está envolvida na avaliação da mídia esportiva e insights de fãs. “A Liga MX fez um bom uso disso com fortes direitos de transmissão e esteve envolvido na criação de competições com clubes da MLS”.

Mas com o futebol americano também crescendo além da florescente MLS e da divisão inferior conhecida como USL também ganhando uma posição em cidades menores, disse Fred Mattis, ex-CEO da DC United e fundador da FM Professional Football Consulting.

“A nova equipe da MLS em Charlotte teve 70.000 torcedores em seu primeiro jogo. Isso pode dificultar a entrada de clubes estrangeiros e criar um mercado para si mesmos. E enquanto o padrão de jogo na NBA ainda está abaixo do de seus vizinhos – eles vão esmagar o MLS Flamengo em campo, afirma Fathy – que o nível do jogo está melhorando assim como elementos como programas de desenvolvimento.

Matisse disse que Barcelona, ​​Real Madrid e Chelsea devem muito de sua reputação nos Estados Unidos às academias de marca que ensinam futebol para crianças americanas.

Ouça: Por dentro do Guia de Marketing do New York Mets

Brenflick observou que os clubes internacionais têm uma vantagem sobre as equipes da MLS porque não estão vinculados aos limites regionais de marketing ou necessariamente às regras da liga de cima para baixo que regem os clubes nacionais.

READ  Novos cruzeiros parados no Brasil em meio à disseminação da Omicron

“Se você é o Dallas Mavericks, há um círculo ao redor de sua arena que se estende para fora – um raio que você pode ativar com seus parceiros. Não pode ser uma plataforma nacional por definição.” de seus reinos como um privilégio: você tem controle sobre os direitos de imagem dos jogadores, E você tem controle sobre seus direitos de promoção e licenciamento – todas essas coisas são ferramentas que os clubes internacionais têm que seus colegas dos EUA não têm. “

John Jobe, fundador da Gilt Edge Soccer Marketing, agência especializada em futebol, disse estar um pouco cético quanto à capacidade do Flamengo de se tornar uma grande marca esportiva americana. A última pesquisa de sua empresa com torcedores de futebol dos EUA, realizada em novembro, amarrou o Flamengo à 32ª marca mais popular nos EUA (os cinco primeiros, respectivamente, são Barcelona, ​​​​Real Madrid, Liverpool, Manchester United e Chelsea).

“Se você perguntar ao torcedor médio quanto ele assistiu ao futebol brasileiro nos últimos 10 anos, a resposta seria basicamente zero”, disse Guppy. “Nos EUA, é uma corrida de quatro cavalos: há MLS por razões óbvias. A Liga MX é a mais assistida na TV, e depois você tem as grandes ligas europeias: Premier League e La Liga. Todo o investimento de mídia por trás de uma das essas quatro léguas.”

Ricardo Forte, ex-executivo de marketing esportivo da Coca-Cola que hoje dirige uma consultoria chamada Sport by Fort Consulting, observa que o atual acordo de televisão dos EUA na Liga Brasileira, com a Paramount Plus, é “muito pequeno”.

Millennials e a nova geração

Embora as mídias sociais e a televisão forneçam equipes que precisam se expandir internacionalmente, o desejo de assumir reflete novas atitudes em torno do consumo esportivo, impulsionado principalmente por torcedores da geração mais jovem e jovens torcedores de futebol em geral, disse Jobe.

READ  Previsão: Flamengo x Atlético Guiana - previsão, notícias do time, guia de protótipo

“Existe um mapa demográfico para fãs de futebol, onde você pode traçar a linha quando tiver 40 anos ou menos”, explicou Guppy. “Se você tem 40 anos ou menos, basicamente cresceu com o futebol. Você tem a MLS, o jogo internacional depende de você. E se você tem mais de essa idade, não. millennials não está na verdade na demografia do futebol.

Esses fãs mais jovens, que tendem a seguir a NFL e a National Basketball Association (NBA), bem como o futebol profissional internacional, “amam as narrativas globais e amam o poder das estrelas”, disse Joby. “Eles são fascinados pelo atleta individual. A NBA mostrou exatamente isso. E quando [soccer star] Neymar está se mudando para um novo clube e os torcedores mudarão de interesse”.

Leia mais: Como a XFL revivida está tentando criar um ‘vínculo cultural’

Esse fenômeno destaca algumas das falhas no marketing do Flamingo, avalia Joby. Suas superestrelas são rotineiramente atraídas pelos grandes clubes europeus para perseguir seus sonhos, “e isso não vai mudar tão cedo”, disse ele. O elenco do Flamengo inclui uma mistura de jovens estrelas e profissionais brasileiros cujas carreiras terminaram na Europa.

No entanto, um movimento está em andamento para construir força e sobrevivência para os clubes no Brasil. Segundo Fort, cresce o interesse em criar uma liga brasileira que seria o equivalente sul-americano de entidades como a Premier League inglesa ou a La Liga. Atualmente, os clubes brasileiros são supervisionados por um órgão nacional de esportes semelhante ao futebol americano, pelo que suas equipes individuais “não são tão profissionalmente organizadas ou gerenciadas quanto as da Europa e dos Estados Unidos”, disse Fort. Ele está envolvido em um grupo com ambições de trazer um investidor para comprar 20% a 25% dos direitos de negociação como forma de iniciar uma liga independente e fornecer cobertura televisiva que ele diz ser “apenas uma fração do que poderia ser”. . “

Jobe observou que os fãs de futebol americano diferem de seus colegas europeus por manter relacionamentos com vários clubes.

READ  Banyana Banyana joga o sonho de confrontos contra o Brasil

“Uma das coisas que ouvimos constantemente em nossa pesquisa é que se você perguntar às pessoas na Inglaterra qual é sua base de fãs, elas dirão ‘Sou fã de Southampton. “Se você perguntar a um americano”, disse ele, “eles dirão ‘sou fã de futebol'”. “Eles são, antes de tudo, apaixonados pelo esporte e continuarão contando como esses sentimentos ganham vida. Então, eles dirão que são de Seattle e gostam do Sounders. O jogador favorito deles é Messi, então eles estão seguindo Barcelona e agora estão interessados ​​no PSG. [Paris St. Germain]. A Premier League está em minha casa porque meus filhos assistem e por isso sou atraído pelo Arsenal. Eles escolhem quatro ou cinco equipes em média com as quais têm uma conexão próxima.”

7 objetivos pessoais

Embora ele não tenha revelado o que o Flamengo está colocando por trás do esforço para se estabelecer, os executivos do Sportfive compartilharam suas grandes ambições.

“Em quatro anos, temos uma meta de sete dígitos para vendas de mercadorias e uma meta de sete dígitos para patrocínio”, disse Brineflick. A equipe está considerando uma turnê pelos Estados Unidos ainda neste verão.

Dortmund, que fez parceria com a Sportfive em 2018, fornece um plano potencial. Quando a parceria foi lançada, a conta do clube no Twitter nos Estados Unidos tinha cerca de 30.000 seguidores. Alimentado em parte pelo envolvimento de um jogador americano, Christian Pulisic (que atualmente joga pelo Chelsea), o número de seguidores aumentou para 2 milhões, enquanto ele lidera o crescimento de seguidores e engajamento sobre seus pares da Bundesliga.

Em última análise, o Flamengo gostaria de atrair um patrocinador dos EUA para lucrar com seus ativos na América do Norte e do Sul, embora o clube tenha garantido recentemente um patrocínio principal de três anos com o BRB do Brasil.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.