Coletivo de Ryan Kiberly faz Brasil para lançar Sonhos da Esquina, 18 de março

De todos os trompetes do grupo moderno, o trombone pode facilmente substituir o vocalista. Isso provavelmente tem algo a ver com o tom, cor, alcance e altura únicos do instrumento que permitem ao trombone evocar a voz humana, gemendo e chorando como os melhores cantores de blues.

O trombone na música brasileira é capaz de fazer algo completamente diferente. Evoca os fugazes sentimentos brasileiros chamados “saudades”. Quando Ryan Keberle toca trombone com seus companheiros brasileiros no Collectiv do Brasil, ele emite asas de emoção.

Em 2017, Keberle se afastou de suas funções comandando o programa de jazz do Hunter College para viajar ao Brasil. Em São Paulo, conheceu três destacados – e um tanto atarefados – músicos paulistas: o pianista Felipe Silvera, o baixista Thiago Alves e o baterista e percussionista Paulinho Vicente. O trio e Kiberly se tornaram almas gêmeas instantâneas, compartilhando um profundo amor pela tradição da música brasileira em evolução, representada por Evan Lenz, Edo Lobo, Toninho Horta e Milton Nascimento, e também um amor pelo jazz americano. Não demorou muito para que Kiberly e o trio brasileiro se consolidassem como o quarteto que se tornaria o Collective do Brasil.

Logo novas músicas de Keberle apareceram e foram adicionadas ao repertório que o quarteto começou a afinar e masterizar em shows regulares em São Paulo e arredores. A química extraordinária entre os músicos era empolgante, transcendendo o terreno cultural, e imersa na beleza cosmopolita das raízes afro-centrais do jazz e da música brasileira. Não foi surpresa para ninguém, então, que planos foram feitos para Kiberly retornar ao Brasil; Algo que ele fez um ano depois, para homenagear a música que eles amavam – especificamente para alguns de seus lendários criadores Tonino Horta e Milton Nascimento. Assim nasceu o álbum Sonhos da Esquina.

READ  Férias em Espanha e Portugal podem ocorrer a partir de maio, com regras rígidas de vacinação e testes. Viagem

Uma homenagem a Milton Nascimento e à música que ele fez durante seus lendários anos no Clube da Esquina, essa música tem, quase, uma qualidade visual e quase espiritual, muito parecida com a música do próprio Nascimento. Mas este quarteto também estava determinado a homenagear outro lendário compositor, Toniño Horta, juntamente com três das composições de Kiberl. Esse repertório apresenta belos arranjos de Keberle, e cada um é de incrível variedade e emoção em cada frase querida dos Sonhos da Esquina.

O material selecionado, com exceção dos originais, sabiamente concentra-se em algumas das joias de Nascimento e Horta. Ouça como Keberle esculpe as constantes invenções de [Silveira’s arrangement] De “O Cio de Terra” é claro que não há uma única colcheia que não tenha sido cuidadosamente considerada. Na música de “Campinas” e “Carbono Neutro”, o piano de Silveira balança, enquanto Keberle sedutoramente dobra as notas em conceitos harmoniosos, doces e amargos.

O clímax do álbum é o famoso “Clube da Esquina 2” de Nascimento, precedido pela prequela original de Keberle, “Sonhos da Esquina”. Piano e baixo anunciam a música antes que as linhas de pesquisa do trombone de Keberle assumissem o controle, cada variação melódica elegante seguindo a outra implacavelmente e com facilidade. Horta “Aqui Oh!” É um contorno alegre polido pelo swing dos músicos destacado pelos pratos sibilantes do baterista. O “Tarde” de Nascimento e “Francisca” Horta é uma elegia eloquente e assustadora, mas espaçosa e maravilhosa.

Toda essa música soberba foi magistralmente capturada pelo lendário estúdio brasileiro Gargolandia Recording Studio em um álbum para morrer.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *