Chefes das Forças Armadas brasileiras renunciam abruptamente em meio a remodelação do gabinete

RIO DE JANEIRO (Reuters) – Três líderes das Forças Armadas do Brasil renunciaram conjuntamente na terça-feira, um dia depois que o presidente Jair Bolsonaro demitiu o ministro da Defesa como parte de uma grande reforma ministerial.

A saída dos líderes militares, que se seguiu à inesperada substituição de cinco outros membros do gabinete na segunda-feira, alimentou especulações galopantes na capital sobre um colapso na relação entre o presidente e os militares do país, que desempenhou um papel central na administração de Bolsonaro . .

“A demissão dos chefes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica após uma mudança repentina na liderança do Ministério da Defesa não tem precedentes na era da restauração democrática”, disse o deputado Rodrigo de Castro, em um comunicado. . “Isso revela uma crise real entre o exército e o governo.”

A turbulência política em Brasília ocorre em um momento em que o governo enfrenta duras críticas, incluindo apelos para o impeachment de Bolsonaro, por seu tratamento arrogante e caótico da pandemia COVID-19, que matou mais de 313.000 brasileiros. Isso desencadeou um aumento nas infecções em hospitais de todo o país, fazendo com que os pacientes morressem esperando por uma cama de hospital.

Bolsonaro, um ex-capitão do exército, deu aos militares um papel de liderança na política e na formulação de políticas no Brasil, confiando a seus líderes o maior poder que eles têm desde que a ditadura militar do país terminou em meados da década de 1980. Ele escolheu um general do exército aposentado como seu vice e nomeou comandantes militares seniores para dezenas de cargos do governo geralmente ocupados por civis.

Generais aposentados e analistas militares no Brasil lutaram para entender as mudanças desta semana, que nem o presidente nem os comandantes cessantes explicaram.

READ  Disney + adquire direitos de transmissão globais de "Miraculous Tales of Ladybug and Cat Noir"

“Não faz sentido política ou administrativamente”, disse Carlos Alberto dos Santos Cruz, um general aposentado do Exército que ocupou um cargo sênior no governo de Bolsonaro até junho de 2019. “Deve haver uma explicação para o porquê isso aconteceu. trai o desprezo pelos indivíduos e pelos papéis ”.

Mariana Khalil, professora de geopolítica do Colégio Nacional de Guerra do Brasil, disse que o presidente parece ter um apoio mais forte nas fileiras militares mais baixas do que nos oficiais. Ela disse que os chefes tribais podem ter cortado relações com um presidente em apuros políticos para enviar uma mensagem clara de que as Forças Armadas não cumprirão suas ordens políticas.

“Sempre houve a premissa de que um líder militar apóia políticas governamentais mais repressivas, coisas que estão fora dos limites da lei”, disse Khalil. Mas ela disse que os líderes militares brasileiros desempenharam uma força “moderada” em um governo liderado por um presidente imprudente e beligerante que transformou muitos aliados em inimigos.

O senador Tasso Jreissati, uma figura proeminente da oposição, disse que desde que Bolsonaro se envolveu com o Congresso e enfrenta o escrutínio nos tribunais, “ele sempre deu a entender que as Forças Armadas estão do seu lado”.

Jreissati disse que, como o presidente iniciou novas batalhas com outras autoridades eleitas sobre as paralisações propostas, os líderes militares podem ter decidido abandonar o navio em vez de serem vistos como parceiros em uma resposta devastadora à pandemia.

“Estamos pagando o preço por eleger alguém que está completamente despreparado para o trabalho, uma pessoa miserável e problemática”, disse ele.

Desde que assumiu o cargo em janeiro de 2019, Bolsonaro concedeu aos líderes militares um enorme poder nas agências governamentais – e, ao fazer isso, vinculou suas reputações a ele. Os comandantes militares falharam em tarefas-chave atribuídas a eles por Bolsonaro, incluindo supervisionar a resposta à pandemia e conter o desmatamento na Amazônia.

READ  A partida da Argentina contra o Brasil nas eliminatórias da Copa do Mundo foi cancelada após alegações de que jogadores evitaram a quarentena

A relação do presidente com seu vice, general aposentado Hamilton Mourão, e com o ministro da Defesa que está deixando, general Fernando Azevedo e Silva, azedou nas últimas semanas, segundo analistas, com o agravamento da crise do coronavírus no país.

Na semana passada, o presidente substituiu o ministro da Saúde Eduardo Pazuelo, um general da ativa que não conseguiu liderar uma resposta abrangente à pandemia ou negociar a compra de uma quantidade adequada da vacina Covid-19.

Em sua carta de demissão, o general Azevedo e Silva disse que buscava “manter as Forças Armadas como uma instituição do Estado”. A frase parece transmitir a crença de que Bolsonaro buscou politizar as forças armadas.

A renúncia dos três chefes militares – General Edson Pujol do Exército; Tenente general. Antonio Carlos Moretti Bermudez, da Força Aérea; O brigadeiro-general Alexis Barbosa Jr., da Marinha, anunciou em breve comunicado divulgado pelo Departamento de Defesa. Não forneceu um motivo.

As mudanças no gabinete de segunda-feira incluíram a saída do chanceler Ernesto Araujo, um conservador linha-dura que optou por lutar com o governo da China, maior parceiro comercial do Brasil e principal fornecedor das vacinas Covid-19 atualmente disponíveis para o Brasil.

Os legisladores criticaram Araujo pela falha do país em garantir o acesso a um grande número de vacinas Covid-19.

O Sr. Bolsonaro também substituiu o Ministro da Justiça, seu chefe de gabinete e o advogado que representa o Poder Executivo em casos perante a Suprema Corte.

O deputado Vitor Hugo de Araujo Almeida, legislador próximo ao presidente, minimizou as mudanças.

“Vivemos em uma pandemia, então todos os esforços devem ser focados em salvar vidas e criar empregos”, disse ele. “Eu acho que é normal para ele fazer mudanças.”

READ  Telefonica Brasil SA - consenso indica alta potencial de 40,2%

As mudanças ocorrem no momento em que Bolsonaro começa a preparar as bases para sua candidatura à reeleição no próximo ano. Isso levantou dúvidas sobre a legitimidade do sistema eleitoral, levando seus críticos a questionar se ele poderia tentar permanecer no poder se perdesse.

Amy Erica Smith, professora de ciência política da Universidade Estadual de Iowa que se especializou no Brasil, disse que o presidente pode estar procurando nomear legalistas para cargos militares importantes.

“Se Bolsonaro aproveitar esta oportunidade estrategicamente e jogar bem, ele pode substituir os chefes dos três ramos por homens que estarão mais dispostos a acompanhar o ritmo de seus projetos políticos”, disse ela.

Mas ela disse que pode ser difícil encontrar líderes militares dispostos a se juntar a um presidente que alienou grande parte do establishment político.

“Os militares brasileiros não estão ansiosos para sair por conta própria para apoiar um presidente impopular que está enfrentando um grande número de outros líderes eleitos”, disse Smith.

Reportagens de Ernesto Londono, do Rio de Janeiro, e Leticia Casado, de Brasília.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *