Chanceleres do Brasil, queda dos ministros da Defesa

Emitido em: Modificado:

Brasília (AFP)

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro abalou os escalões superiores de seu governo na segunda-feira com a saída dos ministros das Relações Exteriores e da Defesa, enquanto o líder de extrema direita enfrentava pressão crescente de uma onda mortal de Covid-19.

O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, anunciou sua saída repentina em um breve comunicado, horas depois que uma fonte do governo disse à AFP que o chanceler Ernesto Araujo havia apresentado sua renúncia em meio à polêmica sobre os problemas do governo em garantir mais vacinas Covid-19.

Azevedo e Silva, um general da reserva do Exército de 67 anos, e Orujo, um diplomata profissional de 53 anos, ocupam seus cargos desde que Bolsonaro assumiu o cargo, em janeiro de 2019.

A saída de Azevedo e Silva, ao contrário de Araujo, foi inesperada, e houve muita especulação sobre o porquê.

O que está claro é que Bolsonaro está em um estado de expurgo, em meio a um crescente descontentamento – incluindo de aliados de negócios importantes – sobre como lidar com uma pandemia que já matou mais de 312.000 pessoas no Brasil, o segundo maior número de mortos. Em todo o mundo, depois dos Estados Unidos.

Na semana passada, ele nomeou seu quarto ministro da saúde devido à pandemia, e os chefes da estatal Petrobras, da estatal de eletricidade Eletrobras, do banco estatal Banco do Brasil e do Instituto Nacional de Estatística IBGE recuaram do começar. Do ano.

“O governo está muito frágil, como evidenciado pela instabilidade da cúpula”, disse o professor Maurício Santoro, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

READ  Gerdao, parceira da GEIC, lança braço de grafeno

“É seguro dizer que existe uma crise na administração que vai além de um ou dois ministérios”.

– Linha de vacinas –

As últimas mudanças ocorreram uma semana depois que Bolsonaro substituiu o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuelo, general do exército, pelo cardiologista Marcelo Quiroga.

O presidente, que há muito tempo desafia os conselhos de especialistas sobre a pandemia, parece agora descobrir que seus ataques a bloqueios, máscaras faciais e especialmente vacinas podem ser um fardo enquanto ele se prepara para disputar a reeleição em outubro de 2022.

O Brasil está lutando para lidar com o grande número de casos graves de Covid-19 e mortes que levaram seus hospitais ao ponto de ruptura, em um momento em que as vacinas estão finalmente ajudando alguns outros países a controlar a epidemia.

A falta de vacinas tem impedido o governo de cumprir a meta do Ministério da Saúde de vacinar integralmente a população adulta até o final do ano.

Araújo tem sido criticado pela luta do governo para garantir mais vacinas.

Membro-chave da chamada “ala ideológica” do governo, ele admirava o ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e compartilhava com seus partidários linha-dura sua repulsa pela “globalização”.

Ele levantou as sobrancelhas em seus ataques à “ideologia da mudança climática”, “ideologia de gênero” e “Covid Ism” desde o ano passado.

Em outubro passado, ele disse: “A globalização está pegando uma doença causada pelo vírus, Covid, e tentando transformá-la em um enorme dispositivo de direção para re-coordenar e controlar as relações sociais e econômicas de todo o planeta.”

Sua diplomacia vacinal, ou a falta dela, está sendo criticada.

O governo enfrenta dúvidas sobre a rejeição de uma oferta em agosto passado para comprar 70 milhões de doses da vacina Pfizer-BioNTech – que Bolsonaro brincou que poderia “transformá-lo em um crocodilo” – e suas relações tensas com o maior parceiro comercial do Brasil, a China.

READ  O desmatamento não está ajudando os agricultores no Brasil. Então, o que pode acontecer?

O CoronaVac desenvolvido pela China é atualmente a vacina Covid-19 mais administrada no Brasil, mas apenas porque o governo do estado de São Paulo desafiou a resistência do governo Bolsonaro em obtê-la.

Araújo, que assumiu o cargo de ministro das Relações Exteriores prometendo “resistir ao maoísmo chinês” e seu plano de “dominação mundial”, gerou disputas repetidas com Pequim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *