Buenos Aires Times | Argentina, Brasil e Paraguai concordam em revisar tarifas do Mercosul

Sem o apoio do Uruguai, Argentina, Brasil e Paraguai se comprometeram na sexta-feira a “continuar modernizando” o bloco comercial do Mercosul e avançar com a revisão da Tarifa Externa Comum (TEC), segundo nota divulgada na conclusão de cúpula virtual em Sexta-feira.

Em nota divulgada após reunião de duas horas, “os três países se comprometeram a modernizar ainda mais o Mercosul por meio da promoção do livre comércio, da convergência regulatória e da coordenação dentro do bloco”.

Argentina, Brasil e Paraguai também concordaram em “revisar [bloc’s] A Tarifa Externa Comum “que impõe tributação sobre as mercadorias importadas para o Mercosul”, “como instrumento essencial para o fortalecimento da união aduaneira”.

Uma fonte do Itamaraty confirmou à Agence France-Presse que o Uruguai, que se opõe à revisão das taxas acertadas entre Argentina e Brasil em outubro, não assinou o comunicado.

Montevidéu condiciona seu apoio aos cortes tarifários a regras de liberalização que dificultam as negociações bilaterais com terceiros países.

O presidente Louis Lacalle Poe quer avançar nas negociações de um acordo de livre comércio com a China. Em setembro, ele anunciou que as negociações com Pequim haviam começado, ignorando a proibição de 2000 de negociações com terceiros sem o consentimento de outros membros do bloco.

Na reunião de sexta-feira, o presidente destacou que o Uruguai “vai insistir nos tempos futuros” para que o bloco continue “aberto ao mundo”.

“Temos que encontrar um meio-termo para que todos os participantes do bloco fiquem satisfeitos”, disse.

Depois de não conseguir chegar a um consenso sobre um corte de tarifa externa comum, o governo brasileiro anunciou no início de novembro que reduziria unilateralmente as tarifas de importação em 10 por cento como uma medida para conter a inflação.

READ  A onda inflacionária está mudando o terreno político dos populistas de direita

“Foi um passo excepcional e temporário”, disse Bolsonaro na cúpula, referindo-se à medida que vigorará até 2023.

O líder anfitrião brasileiro começou a “lamentar” que todas as partes não tenham conseguido chegar a um acordo sobre a TEC, dada sua “disposição em aceitar uma redução menor do que inicialmente planejamos”.

O presidente do Paraguai, Mario Abdo Benitez, disse que seu país priorizará o processo de revisão tarifária, no qual os membros alcançaram “uma convergência significativa de posições nos últimos meses”.

O presidente argentino Alberto Fernandez tem estado mais aberto a mudanças do que em ocasiões anteriores, embora não tenha feito concessões diretas: “A oportunidade de uma revisão bem-sucedida de nossas tarifas não deve ser perdida”, e ele também pediu ” discussões aprofundadas “.

tensões

A cúpula, que deveria ocorrer face a face em Brasília, foi realizada online sem que o governo brasileiro especificasse seus motivos.

A imprensa local especulou que a decisão foi uma resposta do governo de Bolsonaro aos acontecimentos ocorridos em Buenos Aires na semana passada, quando o ex-presidente de esquerda Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010) – potencial adversário do presidente nas próximas eleições – compareceu a um evento para comemorar democracia na Plaza de Mayo com o presidente Fernandez e a vice-presidente Cristina Fernandez de Kirchner, o velho inimigo do líder de extrema direita do Brasil.

As relações entre a Argentina e o Brasil foram tensas desde que Fernandez assumiu o cargo em dezembro de 2019, com Bolsonaro divulgando suas críticas ao kerchnerismo e ao peronismo.

Na tentativa de superar suas diferenças, o bloco do Mercosul também tem a pendência de um acordo de livre comércio com a União Europeia, que foi concluído em 2019 após décadas de negociações, mas ainda não foi ratificado por muitos países europeus como França e Alemanha. . Onde agora está sendo resistido.

READ  Como a pandemia está aumentando as desigualdades, separando os países

Com uma população de mais de 300 milhões, o Mercosul é a quinta maior economia do mundo cumulativamente, de acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

– Times / Agence France-Presse

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.