Brasil promete cortes mais profundos nas emissões de gases de efeito estufa

O governo brasileiro, que está sendo criticado por suas políticas ambientais, disse na segunda-feira que reduziria pela metade as emissões de gases de efeito estufa em relação ao nível de 2005 até 2030 – ante uma promessa anterior de 43 por cento.

Também se comprometeu a erradicar o desmatamento ilegal até 2028, dois anos antes da promessa anterior, apesar das perdas recordes de árvores nos últimos anos.

“Estamos apresentando uma nova meta climática mais ambiciosa”, anunciou o ministro do Meio Ambiente, Joachim Light, em carta enviada de Brasília a Glasgow, que sedia a cúpula do clima COP26, que busca intensificar a ação global.

Light disse que o Brasil terá como objetivo atingir a neutralidade de carbono até 2050, acrescentando que as promessas serão formalizadas na COP26, da qual ele participará na próxima semana.

Em gravação também tocada em Glasgow, o presidente Jair Bolsonaro disse que o Brasil era “parte da solução para superar esse desafio global” das mudanças climáticas.

“Os resultados que nosso país alcançou até 2020 mostraram que podemos ser mais ambiciosos”, afirmou.

O governo de Bolsonaro foi criticado por cortar funcionários e financiar agências de proteção ambiental, e fez uma série de anúncios nas últimas semanas em um esforço para aumentar sua imagem no topo.

O enviado climático dos EUA, John Kerry, deu as boas-vindas ao anúncio de segunda-feira, dizendo no Twitter: “Isso adiciona um impulso crítico ao movimento global para combater a # crise climática. Estamos ansiosos para trabalhar juntos!”

Na sexta-feira passada, o gigante sul-americano, que detém 60 por cento da floresta amazônica, disse que assinaria o chamado “acordo florestal” para reduzir o desmatamento e a degradação da terra.

READ  PSG zangado com Messi depois que a Argentina o convidou para as eliminatórias da Copa do Mundo contra Brasil e Uruguai ▷ Notícias da África do Sul

De acordo com um relatório do Observatório do Clima, um grupo de organizações não governamentais, as emissões de dióxido de carbono no Brasil aumentaram 9,5% em 2020, mesmo com a produção global caindo 7% devido à epidemia de coronavírus que interrompeu o transporte e a produção.

Este é o maior nível para o Brasil desde 2006, disse o observatório, e se deve ao aumento do desmatamento, especialmente na região amazônica.

Desde que o Bolsonaro assumiu o cargo em janeiro de 2019, a Amazônia brasileira perdeu cerca de 10.000 quilômetros quadrados (3.861 milhas quadradas) de cobertura arbórea a cada ano, ante cerca de 6.500 quilômetros quadrados anuais na década anterior.

val / jm / mlr / ec

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *