Brasil investiga acordo do Ministério da Saúde para compra da vacina Covaxin

RIO DE JANEIRO (AP) – O Ministério Público Federal investiga possíveis irregularidades no contrato do Ministério da Saúde para a compra de 20 milhões de doses da vacina Covaxin, do laboratório indiano Bharat Biotech.

O acordo firmado em fevereiro compromete o departamento a pagar US $ 320 milhões – a um custo de US $ 15 por dose de vacina – à Precisa Medicamentos, representante da Bharat Biotech no Brasil, de acordo com um documento enviado pela assessoria de imprensa do procurador-geral à Associated Press.

O preço da dose, superior ao de outras vacinas COVID-19, chamou a atenção do Ministério Público, assim como o fato de funcionários do departamento parecerem ter ignorado um histórico de supostas irregularidades cometidas por sócios de Precisa em contratos anteriores com o governo federal .

Precisesa disse em comunicado que o preço da vacina acordado com o Ministério da Saúde brasileiro é o mesmo negociado com outros 13 países, e que o negócio “seguiu todos os trilhos oficiais e foi implementado com transparência”.

A procuradora da República, Luciana Loreiro Oliveira, afirmou em documento assinado no dia 16 de junho que os sócios da Precissa, por meio de outra empresa, firmaram contrato com o Ministério da Saúde para comercialização de medicamentos que nunca foram entregues.

Oliveira escreveu que o ministério assinou contrato para a compra da vacina Bharat Biotech apesar de não ter sido aprovada pela Agência Nacional de Saúde, Anvisa, e que outras vacinas aprovadas já estão no mercado a preços baixos.

“O histórico de irregularidades envolvendo os associados da Precisa e o alto preço pago pelas doses contratadas exigem uma investigação completa de questões civis e criminais”, escreveu Oliveira.

Francisco Maximiano, um acionista do Precisa, deveria comparecer na terça-feira a um comitê do Senado que investigava a omissão do governo federal em lidar com a pandemia, mas ele pediu que seu depoimento fosse adiado, dizendo que estava em quarentena depois de chegar da Índia, segundo um comunicado de seu escritório. advogados.

READ  Bolsonaro enfrenta investigação em meio a escândalo de vacina na Índia

A Anvisa concordou em importar a vacina Covaxin com restrições no dia 4 de junho, permitindo apenas 4 milhões de doses. Em março, a agência negou um pedido de importação da vacina, alegando preocupação com a falta de documentação e informações sobre sua segurança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *