“Brasil evitado pelo mundo”: Lula fala sobre conspiração para acabar com a era do “maluco” do Bolsonaro | Brasil

BRaziel pode ser salva depois de ser transformada em uma pária global atingida por Covid por seu presidente “psicopata”, Jair Bolsonaro, o melhor político a ser derrotado na eleição presidencial do próximo ano.

Em uma entrevista ao The Guardian, o ex-líder esquerdista brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva – que está amplamente inclinado a desafiar Bolsonaro para a presidência depois que seus direitos políticos foram restaurados – parou de confirmar explicitamente sua candidatura. Mas Lula, que saiu da pobreza rural para se tornar o primeiro presidente da classe trabalhadora do Brasil, não deixou dúvidas de que estava planejando um fim extraordinário para uma das carreiras políticas mais duradouras e dramáticas do mundo.

“Corri oito quilômetros antes dessa entrevista … Costumo correr 9 quilômetros por dia, de segunda a sexta-feira, porque me locomover pelo Brasil seria muito difícil e muito estressante e preciso preparar minhas pernas para resolver os problemas deste país”. ele disse. Lula, engraxate e ex-dirigente sindical que foi presidente de 2003 a 2011.

“Eu terei 77 em [next year’s election]. Eu pensei que isso era velho. Mas então eu vi Biden vencer a eleição aos 78 anos e disse: “Bem, sou um garoto comparado a Biden, então talvez eu fique bem.”

Lula disse que o surto de Covid no Brasil e a crise social e econômica que ele criou significam que é muito cedo para lançar sua sexta campanha presidencial desde 1989. Mas o veterano Partido dos Trabalhadores afirmou ter a experiência e o desejo de liderar a “recuperação” do Brasil após os danos feito pela incompetência de Bolsonaro E o fará, se seu partido e seu eleitor assim o desejarem.

Você não precisa fazer promessas. Lola, 75, disse.

“Assim que o nosso partido tiver candidato e estivermos em modo de campanha, quero viajar pelo Brasil todo, visitar todos os estados, conversar, conversar com as pessoas, visitar favelas, recicladores, LGBT … Quero falar com o brasileiro sociedade para que eu possa dizer a eles: “Podemos construir um novo país … Podemos fazer este país feliz novamente.”

As sementes para a volta de Lula foram plantadas em março, quando um juiz da Suprema Corte derrubou a condenação por corrupção que o obrigou a participar das eleições de 2018 vencidas por Bolsonaro. Pouco depois, o tribunal decidiu que Sergio Moro, o juiz de direita que prendeu Lula antes de ingressar no governo Bolsonaro, tratou o ex-presidente de maneira injusta.

Desde então, Lula se posicionou como uma alternativa crível, moderada e otimista ao extremismo “ingênuo” de Bolsonaro, e tem se preocupado em entrevistar influenciadores cujo apoio será fundamental para sua posse em outubro próximo.

O ex-presidente brasileiro Luis Inácio Lula da Silva fala durante uma entrevista coletiva em São Bernardo do Campo, perto de São Paulo, Brasil, em março. Fotografia: Amanda Perubelli / Reuters

As pesquisas de opinião sugerem que a esquerda está bem posicionada para derrotar Bolsonaro, cujos críticos o acusam de destruir o meio ambiente e a economia do Brasil e de lidar desastrosamente com a Covid, uma doença que ele chamou de “gripe pequena”. O Datafolha, o maior pesquisador do Brasil, previu recentemente que Lula venceria o Bolsonaro no segundo segundo turno. por uma margem de mais de 20%.

“Lola é a favorita óbvia”, disse Christian Lynch, um cientista político baseado no Rio que achava que a maioria dos eleitores estava desesperada para virar a página sobre o governo “infernal” de Bolsonaro.

Lynch disse que muitos membros poderosos da elite política e econômica também prefeririam trabalhar com um negociador pragmático como Lula, em vez do “sectário endurecido” no poder agora. Isso significava que o apocalipse cinematográfico estava no papel para Lula, o gigante político que estava na linha de frente da política brasileira desde o início dos anos 1980. “É uma fênix que renasce das cinzas. É uma coisa épica”, disse Lynch.

Pesquisas apontando para a ascensão de Lula parecem ter assustado Bolsonaro, 66, cujas avaliações caíram para níveis recordes enquanto uma investigação do Congresso investiga sua resposta a Covid. O ex-pára-quedista tentou reunir apoiadores ferrenhos nas últimas semanas, organizando manifestações pró-governo e descrevendo Lula como um “bandido de nove dedos” e “filho do diabo”.

Lula zombou desses insultos como palavras de um competidor nervoso. “Nos últimos dois ou três anos, Bolsonaro quase nunca disse meu nome porque pensava que eu estava fora do jogo – e agora de repente percebo que tinha as melhores cartas e se fosse pôquer ele já teria perdido”, disse o presidente disse com um sorriso.

Lula disse que estava muito velho para caluniar o oponente: “Você não está lidando com um ser humano normal. Você está lidando com um psicopata que não tem a menor capacidade de julgar”.

Mas o ícone esquerdista foi mordaz sobre a administração de Bolsonaro do “genocídio” da pandemia de Covid, que matou quase 450.000 brasileiros, Incluindo a sogra Lola. Lula afirmou que “poderia ter evitado metade dessas mortes” e previu que Bolsonaro acabaria sendo responsabilizado por sua sabotagem anticientífica de medidas de contenção, como distanciamento físico e uso de máscaras. Se esse acerto de contas não vier com impeachment ou investigação parlamentar, Lula disse: “Não tenho dúvidas de que ele não escapará impune de ser julgado pelo povo brasileiro em 2022”.

“Guarde minhas palavras … Não será Lula que derrotará o Bolsonaro. Não será nenhum candidato que derrotará o Bolsonaro. Foi o povo brasileiro que se libertou do Bolsonaro.”

Lula, um enérgico estadista internacional que promoveu o Brasil como um campeão progressista para o mundo em desenvolvimento e Um líder em questões ambientais e climáticasEle também atacou o histórico de política externa de Bolsonaro. Depois de assumir o cargo em janeiro de 2019, Bolsonaro abraçou Donald Trump e afastou uma série de estrelas de líderes mundiais, incluindo o presidente francês Emmanuel Macron, a chanceler alemã Angela Merkel, o líder chinês Xi Jinping e Joe Biden, que saiu vitorioso. 38 dias para se conhecer.

“Hoje, o Brasil é um pária global. Nenhum país com credibilidade ama o Brasil. Nenhum país quer receber o presidente brasileiro e nenhum presidente quer vir aqui”, reclamou Lula, que recentemente se encontrou com enviados britânicos, alemães e sul-africanos em um esforço para reconstruir pontes com o mundo.

“O Brasil é um país que pode se dar bem com todos”, disse ele. “Eu até disse ao embaixador britânico que Boris Johnson poderia se preparar, porque se eu fosse para o Reino Unido, ele teria que fazer uma corrida de bicicleta comigo por toda Londres – e eu mostraria a ele o quão competente sou”, brincou, alegando que ele também tinha “um bom relacionamento”. Brilhante “com os líderes trabalhistas Tony Blair e Gordon Brown.

READ  Cuscuz árabe entra para a lista do patrimônio da UNESCO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *