‘Brasil e México ainda têm muito potencial’

A PetrolPlaza falou com Carlos Garcia, Diretor de Mercados Globais, sobre o crescimento da Istobal na América Latina, as diferenças entre os mercados e como mudar a cultura de lavagem das mãos.


Como uma empresa espanhola internacional, uma presença latino-americana sempre será um movimento lógico para a Istobal?

Compartilhamos o mesmo idioma e, em certa medida, cultura com o mercado latino-americano. É verdade que temos um alcance mais natural do que outras marcas que competem conosco na Europa e nos Estados Unidos, e nosso crescimento aí culmina em duas etapas importantes. A primeira é que o México está se firmando como um mercado importante por meio de um parceiro muito forte. A outra é abrir uma filial no Brasil como localização estratégica. Não somos a primeira empresa a fazer isso – o Brasil se tornou um ponto de acesso para muitas empresas espanholas. É um mercado com barreiras de entrada muito altas; Pensávamos que, fabricando lá, seríamos capazes de reduzir o custo de trazer produtos europeus. É também um país com muitas oportunidades. Brasil e México continuam com muito potencial de crescimento.

Que potencial você vê para sistemas de lavagem de carros em outros mercados latino-americanos?

O Chile é o mercado mais europeu de sistemas de lavagem automática de carros. O mercado está perfeitamente desenvolvido, tanto para clientes finais como para frotas. A Argentina tem muito potencial, mas a situação macroeconômica dos últimos anos não tem sido das melhores. No entanto, continuamos a trabalhar lá. Estamos presentes em todos os países e identificamos fortes oportunidades de crescimento na Colômbia, Uruguai, Equador, Peru e América Central.

O mercado muito ativo que já mencionei é o México. Como você escolheu seu parceiro? Que tipo de crescimento você vê aí?

READ  'Sopa derramamento' sobre aumento do desmatamento na Amazônia - 05/11/2020 - Meio Ambiente

Trabalhamos com esse parceiro há 30 anos – eles são muito fortes no México. Em geral, tanto no México quanto no resto da América Latina, você sempre tem que lutar contra a lavagem das mãos. Você tem que justificar e desenvolver um bom caso de negócios. Nosso parceiro está quebrando o gelo o tempo todo. Eles se posicionaram muito bem.

A cultura de lavagem das mãos é um grande obstáculo a ser superado na indústria. Em que você confia para mudar esse modelo?

Existem alguns fatores econômicos que têm um efeito, como o custo da mão de obra ou insumos. As regulamentações ambientais também desempenham um papel importante. Em geral, ainda não é suficiente. Além da regulamentação ambiental, também existem regulamentações trabalhistas. À medida que as economias submersas se tornam mais regulares, as mudanças ocorrem naturalmente. Existem lugares onde a lavagem das mãos é mais estabelecida. O Cone Sul tem boa aceitação para sistemas automáticos. Algo que vimos este ano é que os usuários geralmente se sentem mais seguros ao ir para um lava-rápido devido ao distanciamento social.

Depois, há outro fator social – fazer as coisas por conta própria pode desagradá-lo. As pessoas tendem a fazer coisas por eles. Uma pessoa que está acostumada a lavar seu carro pode se surpreender em ter que fazê-lo ela mesma com um jato de água, exceto no Chile e no Uruguai, onde isso é mais aceito. Uma lavagem automática de carros oferece uma vantagem adicional em termos de velocidade. Você pode explicar isso mais facilmente ao investidor. O autoatendimento enfrenta uma barreira cultural maior.

READ  Portugal chega à fase final de flexibilização do encerramento e reabertura das fronteiras terrestres com Espanha | Mighty 790 KFGO

Em termos de produtos, como você analisa a oferta que você tem na América Latina?

Istobal é o fabricante com os mais diversos produtos do mercado. Cobrimos todo o espectro de lavanderias em mais de 75 países. Na região, atendemos a todos os setores: túneis, lava-rápidos gigantes, centros de lavagem de alta pressão, autoatendimento, tratamento de água e sistemas de pagamento. Somos muito fortes no segmento de veículos comerciais. No México, Brasil e Cone Sul, trabalhamos muito com postos de gasolina. Na região andina, nos concentramos fortemente em frotas.

Vimos como a lavagem de túneis está se tornando uma solução cada vez mais popular nos Estados Unidos e, aos poucos, na Europa. Você já tem algum sistema de túnel em execução?

Temos lavatórios em túnel no México. É um mercado muito influenciado pela cultura americana. Túneis e sistemas de lavagem de veículos pesados ​​vendem muito bem.

Em geral, para que direção esses mercados estão indo, um modelo americano ou um modelo europeu?

No México, é claro, o modelo americano. Outros mercados, como os do Cone Sul, parecem inclinar-se mais para o estilo europeu. Cada mercado é diferente e no setor de lavanderia self-service o mix é muito bom. No México, Chile e Brasil, a lavagem por fricção é aceita. Outras regiões, como a região andina e a Argentina, ainda o consideram um sistema automotivo perigoso. Os sistemas Istobal são muito seguros e avançados. Estamos trabalhando muito para mudar a ideia de que um pincel pode arranhar um carro.

Você já viu formulários de inscrição em algum lava-rápido?

Vemos casos em alguns países. No México eles começaram a encomendar esses programas, possivelmente devido à influência americana. No Equador, por exemplo, nosso parceiro Autolavaggio está desenvolvendo uma rede de lava-louças onde começou a promover planos de assinatura.

READ  E a proibição de comércio entre municípios novamente entre a noite e segunda-feira

Qual é a meta da Istobal para a América Latina no futuro próximo?

Nossa meta para este ano é semelhante aos números reais do ano passado. Não esperamos que a crise econômica causada pelo cobiçado vírus nos afete muito. Na verdade, vemos que a atividade tem se recuperado muito bem. Vemos que o mercado vai ficar mais dinâmico. As grandes operadoras europeias concentram-se em mercados mais dependentes do petróleo, como a América Latina. Este ano, vimos os volumes de lavagem aumentarem muito bem, enquanto as vendas de combustível caíram. Isso deve deixar claro para os operadores locais que um lava-rápido é uma opção muito interessante. Não só pelas grandes margens de lucro, mas também pela solidez do negócio.

Conteúdos Relacionados

Debate

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *