Brasil, África do Sul, Índia e China não condenaram a invasão de Putin

Espantado com o silêncio? Não seja – nós temos Pesquisa recente Ele explica como esse bloco em ascensão está desafiando o status quo internacional dominado pelos Estados Unidos e seus aliados ocidentais.

Qual foi a resposta dos países do BRICS?

O silêncio das nações do BRICS ficou evidente no dia 2 de março, quando havia 141 dos 193 membros das Nações Unidas. fez uma decisão Denuncie a invasão russa da Ucrânia. O Brasil votou a favor da resolução e de seu representante permanente nas Nações Unidas Preocupação expressa da deterioração da situação humanitária – mas ele se opôs a seções que explicitamente clamavam por “agressão russa”. O Brasil também criticou as sanções orquestradas pelo Ocidente contra a Rússia. O presidente Jair Bolsonaro – que se encontrou com Putin em Moscou alguns dias antes da invasão – ressaltou a posição do Brasil.simbiosecom a Rússia e desde então prometeu permanecer neutro na guerra.

Para surpresa de muitos observadores, África do Sul absteve-seCriticando a resolução por sua linguagem dura contra a Rússia. A Índia e a China também se abstiveram da votação. Mantenha o foco na segurança cidadãos indianos tentando sair da Ucrânia, expressar a Índia Ela esperava que a disputa fosse resolvida e pediu que o direito internacional fosse respeitado – mas se absteve.

A China, a superpotência que muitos esperavam que atuasse como mediadora entre a Rússia e o Ocidente, culpou a Otan pela guerra na Ucrânia e deixou claro que sua amizade com a Rússia era “ilimitada”. Isso foi afirmado pelo embaixador chinês nos Estados Unidos, Qin Gang, no Washington Post que a soberania ucraniana deve ser respeitada, mas não conseguiu implicar a Rússia na violação dessa soberania.

READ  Brasil mira no mercado global de hidrogênio verde

Por que os países do BRICS estão dando a Putin um passe para a Ucrânia?

Os países do BRICS têm coletivamente A soberania e o princípio jurídico internacional da não ingerência como princípios fundamentais de sua política externa. Embora esses países tenham parado de endossar a reivindicação territorial da Rússia à Ucrânia, eles afirmaram que Putin”preocupações legítimas de segurançaEspecialmente no que diz respeito à expansão da OTAN.

Nossa pesquisa mostra que a aparente contenção por parte dos países do BRICS não é excepcional ou acidental. Apesar das diferenças e ocasionais tensões Entre os membros do BRICS, a coesão do grupo remonta ao início dos anos 2000, quando o grupo começou a formar um bloco para desafiar os Estados Unidos e seus aliados ocidentais. Os países do BRICS criaram Novo Banco de Desenvolvimento Para competir com o Banco Mundial, os membros do grupo cooperam com ele Confrontando as Potências Ocidentais na Organização Mundial do Comércio. Iniciativa liderada pelo BRICS Para desafiar o dólar americano A principal moeda internacional procura criar uma esfera de influência mais ampla, bem como a capacidade de contornar possíveis sanções dos EUA.

A formação do BRICS como bloco contra o Ocidente se reflete em seu comportamento eleitoral na Assembleia Geral das Nações Unidas – a prefeitura da política internacional. Dentro da Assembleia Geral, todos os países têm voz e voz, mas, como qualquer prefeitura, os membros insatisfeitos muitas vezes expressam sua frustração com as regras do jogo.

Embora as Nações Unidas recebam centenas de votos a cada ano, alguns deles, como a recente resolução condenando a Rússia, são de particular importância. No início dos anos 2000, um padrão fascinante surgiu na Assembleia Geral, quando os países do BRICS começaram a votar juntos como um único bloco. Ao mesmo tempo, esses países se opuseram aos defensores do status quo e Estados Unidos, Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido

READ  A Aliança FreeMove e a Millicom cooperam para melhor servir as multinacionais nas Américas

Por que os países do BRICS não estão satisfeitos com a ordem mundial?

O que explica a insatisfação que levou esses países a formarem um bloco para desafiar o status quo? A resposta, em três palavras, é impacto, prestígio e padrões.

Os países BRICS têm feito repetidamente expressar sua frustração Com sua falta de influência nas instituições internacionais dominadas pelo Ocidente. No Fundo Monetário Internacional e no Banco Mundial, por exemplo, Direito de voto Não conseguiu reverter a influência econômica do BRICS.

Mais do que uma influência, os países do BRICS também disputam o reconhecimento. A elevação do prestígio foi uma parte fundamental da política externa da China pós-Guerra Fria. Da mesma forma, Brasil, Índia e África do Sul estão buscando aumentar seu perfil pressionando (sem sucesso) por um assento permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas.

A terceira fonte do descontentamento do grupo é o domínio das normas e princípios liberais ocidentais, como proteção dos direitos humanos e intervenção humanitária, que eles acusam de ter usado as potências ocidentais para justificar mudança do sistema na Líbia.

A invasão coloca os parceiros BRICS da Rússia em uma posição difícil

Putin cria guerra na Ucrânia Custos econômicos Para esses quatro parceiros próximos, e viola as orientações de sua política externa em prol da soberania. Os países do BRICS continuarão em grande parte calmos?

À medida que as hostilidades continuam, isso é improvável. Um cenário possível é que os países do BRICS quebrem o silêncio. A paciência pode estar se esgotando com a Rússia, já que a guerra de Putin continua a violar as regras de não intervenção, aumentando as baixas civis e aumentando os custos e perturbando a economia global. Isso poderia levar os parceiros do BRICS da Rússia a condenar a invasão.

READ  Mercados Emergentes - Seul, no Peru, caiu para novas mínimas em meio a tensões eleitorais e um aumento real

Claro, é possível que o silêncio atual se transforme em um apoio mais ativo à Rússia. A Índia começou a comprar petróleo russo apesar das sanções ocidentais, e os bancos indianos estão explorando um solução de rublo rupia Para ajudar os exportadores russos incomodados por sanções sobre pagamentos internacionais. Este pode ser um sinal sinistro de que a Índia pode estar disposta a fornecer apoio total à Rússia.

Os Estados Unidos continuaram a alertar os militares chineses contra o apoio à Rússia no conflito. Mas, por enquanto, ao invés de arriscar desintegrar o grupo diante da solidariedade ocidental, os BRICS parecem ter optado por manter seu bloco apesar dos dilemas políticos que esta guerra expôs.

Martin Bender é Professor Associado de Política e Relações Internacionais na Universidade de Reading. Autumn Lockwood Payton é professora de ciência política na Universidade de Dayton. Seu último trabalho aparece no grupo BRICS em Jornal Britânico de Ciência Política.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.