Biden enfrenta um grande teste no cenário global com o início da cimeira da NATO

O desempenho do presidente Biden na cimeira da NATO esta semana está sob escrutínio atento não só pelos líderes da aliança ocidental, mas também pelos legisladores democratas, enquanto ele trabalha para abrandar os apelos para que abandone a corrida presidencial e procura provar ao seu partido que é a melhor pessoa para enfrentar Donald Trump.

Os outros 31 líderes da NATO dirigiram-se a Washington ao mesmo tempo que os democratas regressaram ao Capitólio para intensificar o debate sobre se o presidente deveria continuar a ser o seu candidato. Os líderes europeus têm analisado de perto as interações públicas e privadas de Biden, em meio a preocupações sobre se ele conseguirá derrotar Donald Trump, o presumível candidato republicano que ameaçou desmembrar a OTAN.

Após o seu desempenho instável no debate contra Trump em 27 de junho, vários legisladores democratas instaram-no a encerrar a sua tentativa de reeleição. A forte rejeição do presidente a essas propostas inicialmente pareceu interromper as deserções, mas a ex-presidente da Câmara, Nancy Pelosi (D-Califórnia), confirmou na manhã de quarta-feira que Biden tem uma decisão importante a tomar.

Quando os líderes da OTAN chegaram a Washington na terça-feira para a sua cimeira, compararam notas após as suas conversações com Biden, disse um responsável europeu familiarizado com as interações, tentando construir uma imagem o mais completa possível do líder mais importante da aliança.

O teste mais importante para Biden ocorrerá na quinta-feira, quando ele dará uma rara coletiva de imprensa que, segundo os democratas, será crucial para provar que ele tem a energia e a resiliência mental necessárias para fazer campanha contra Trump. Os líderes europeus também estarão acompanhando de perto a coletiva de imprensa do presidente para tentar determinar se o seu desempenho no debate foi uma noite ruim, como afirmou Biden, ou um sinal de um problema maior que poderia tornar mais difícil derrotar Trump.

READ  Líder do Hamas no Cairo à medida que cresce o ímpeto em direção a novas negociações de cessar-fogo | Notícias de Gaza

“A cimeira proporciona ao presidente uma oportunidade de demonstrar a sua forte liderança global, em contraste com Donald Trump, que enfraqueceria a NATO”, disse o Senador Chris Van Hollen (D-Md.). Ele acrescentou: “Toda a cimeira dá-lhe a oportunidade de demonstrar a sua liderança e confiança na política externa, e a conferência de imprensa também lhe dá a oportunidade de abordar as preocupações”.

Numa recepção na terça-feira com todos os 32 líderes da NATO, as ações de Biden foram semelhantes às vistas no seu discurso de boas-vindas naquela noite, onde foi apresentado a outros líderes sem aviso prévio e participou em reuniões tranquilas, embora curtas, disse o responsável europeu. O responsável disse que o presidente se misturava apenas com outros dirigentes, sem a presença dos seus assessores ou dos seus assessores.

Outra autoridade europeia disse que alguns dos participantes do discurso de Biden observaram atentamente enquanto o presidente colocava uma medalha no pescoço do secretário-geral cessante da OTAN, Jens Stoltenberg, mas a cerimónia decorreu sem problemas. As duas autoridades falaram sob condição de anonimato para discutir francamente as suas avaliações do presidente dos EUA.

Na quarta-feira, Biden deverá participar numa sessão de trabalho com outros líderes da NATO antes de receber o novo primeiro-ministro britânico, Keir Starmer, na Casa Branca. Mais tarde, ele e a primeira-dama Jill Biden receberão os líderes da OTAN e seus cônjuges para um jantar na Casa Branca.

No início do dia, Biden compareceu a uma reunião de líderes da Federação Americana do Trabalho, um grupo de amigos que afirmou o seu apoio ao presidente. “Nunca estive tão otimista quanto às chances da América, não por minha causa, mas por causa do que estamos fazendo juntos”, disse Biden aos líderes sindicais.

READ  Casos de COVID-19 na China aumentam conforme Xian intensifica as restrições

O comportamento e a acuidade mental de Biden provavelmente serão alvo de intenso escrutínio nas reuniões e jantares da OTAN. Durante a cimeira do G7 em Itália, no mês passado, vários líderes europeus ficaram espantados com a idade do presidente em comparação com a última vez que interagiram com ele, há apenas um ano ou, em alguns casos, há alguns meses, de acordo com várias autoridades familiarizadas com o assunto. reações.

Bosses notaram que ele parecia mais cansado, mais fraco e com maior probabilidade de perder o foco, embora voltasse aos trilhos rapidamente. As autoridades disseram que a impressão geral era que os líderes acreditavam que Biden era capaz de desempenhar as suas funções agora, mas questionavam como ele seria capaz de servir por mais quatro anos.

Biden procurou dissipar estas preocupações, começando com o seu discurso na terça-feira de boas-vindas aos líderes da NATO em Washington. Ele falou apaixonadamente sobre a força renovada da aliança – destacando a adição de dois novos países, a Finlândia e a Suécia, e um aumento no número de países que gastam pelo menos 2% do PIB na defesa – e repreendeu implicitamente Trump. O ex-presidente ameaçou desmembrar a aliança e disse que permitiria que a Rússia fizesse “o que quisesse” a qualquer Estado membro da NATO que não gastasse o suficiente.

Biden não mencionou Trump nominalmente, mas sublinhou que a maioria partidária dos americanos apoia a aliança e falou do perigo de um mundo sem ela.

“É bom que estejamos mais fortes do que nunca porque este momento da história exige a nossa força colectiva”, disse Biden. “O povo americano compreende o que aconteceria se não houvesse a NATO, outra guerra na Europa, tropas americanas lutando e morrendo, e ditadores. causando estragos.”

READ  A Casa Branca: Biden apresentará uma defesa “total” da Ucrânia nas Nações Unidas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *