Beck mostra como diferentes frequências de som podem mudar o sabor da cerveja

AKQA formulou a iniciativa com base em pesquisas conduzidas na Universidade de Oxford. Durante os testes de degustação na câmera de Beck, os sujeitos foram movidos para faixas mixadas de 73 Hz por DJs brasileiros, incluindo Burato, Badista e Amanda Mossi. Na verdade, as versões de baixa frequência parecem aumentar o amargor da bebida, enquanto as faixas tocadas a 1046 Hz refletem o efeito.

Então … o objetivo era provar que o gosto do Beck poderia ser mais amargo do que realmente é? Isso é bom? Na verdade, é uma ideia nova que a AKQA espera atrair o interesse e o engajamento da marca.

Pegue uma cerveja e Experimente aqui se você gostar. (Sim, você pode saborear a experiência tomando alguns Coors, vinho ou um latte com arte em espuma descolada flutuando no topo. Mas isso seria uma marca brega, agora?)

Quando o diretor do filme nos disse [Cristiano Trindade, aka GOTACX] A ideia, sua reação foi a mesma de todos os que ouviram falar dela pela primeira vez. Ele não achou que realmente funcionou, o que provavelmente é o que qualquer leitor deste artigo está pensando neste momento, disse Chris Velotini, diretor criativo da AKQA, a Musa.

“Ele meio que continuou, mas nos disse que vai precisar de mais algumas pessoas dispostas a fazer o experimento, porque pode não obter as reações que esperávamos”, lembra Velotini. “Mas depois de nossa reunião, toda a equipe de filmagem da co-produtora acabou experimentando a hesitação e ficou surpresa que isso realmente mudou sua percepção de amargura. E, francamente, mesmo com toda a positividade e nosso pré-teste, não éramos” t 100 por cento de certeza se a hesitação teria o mesmo efeito. Todos os que são convidados a fazer parte da experiência no dia da filmagem e como suas reações à câmera funcionarão ”.

READ  Marta e Formiga: lendas brasileiras fazem história olímpica

No entanto, “funcionou melhor do que poderíamos ter imaginado, e todos os oito sujeitos do teste sentiram que a cerveja ficou mais amarga quando o DJ ligou a ‘frequência de escolha’ (73 Hz) em seus fones de ouvido”, diz ele. “Um dos homens até se levantou e foi embora porque pensou que era corrupto.”

“Este foi provavelmente o primeiro teste de sabor feito com uma cerveja e sem venda, para que todos pudessem ver com seus próprios olhos que não os traímos nem nada, e é tudo uma questão de hesitação”, diz Vellutini.

Como em uma manobra semelhante, há alguns meses, da marca de queijos Castello e da loja criativa Mother, a melhora sensorial está ocorrendo sem problemas. Bem, no caso de Beck, amargura. A questão é: ciência!

créditos

Título: Beck de frequência
Cliente: Beck

Agência: AKQA SP
Gerentes de engajamento global: Diego Machado e Hugo Vega
Desenvolvimento da Primeira Infância: Renato Zandón
Diretor de Criação Associado: Chris Vellotini
Equipe Criativa: Camila Shuji, Thiago Barbieri, Rodrigo Sganzerla, Rafael Valente, Caio Moratore, Felipe Otran
Diretora Administrativa: Luisa Bava
Estratégia: Gabriela Teixeira, Isabella Marches e Amanda Dia
Líder da marca: Aline Garcia, Paula Santana, Maura Victorelli e Iago Santana
Gerente de marca: Stella Javo, Giuliana Pereira, Beatriz Dorlo, Amanda Lavaneri, Luciana Nogueira, Marcella Vio

PR AKQA: Deborah Bakalchuk
Picos de RP: Larissa Camargo, Erika Stefan

3D: Foto
Produtora: Sap
Diretor: GOTACX
Produtora de áudio: Hefty
Localização: webcare

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *