Banco privado suíço Pictet é invadido em investigação ligada à Trobras

O logotipo do banco privado suíço Pictet aparece em uma filial em Zurique, Suíça, em 2 de fevereiro de 2022. REUTERS/Arnd Wegmann

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

ZURIQUE (Reuters) – Promotores confirmaram após relatos da mídia nesta quarta-feira que promotores revistaram os escritórios do banco privado suíço Piketty em meados de março em conexão com uma investigação criminal sobre negociações com a estatal brasileira de petróleo Petrobras.

“O Ministério Público (o Ministério Público) confirma que, em meados de março, realizou uma busca por uma instituição bancária em Genebra, realizada no âmbito do processo penal em curso, associado ao Complexo de Investigações da Petrobras, que foi Em dezembro de 2021, os promotores disseram aos federais em um comunicado por e-mail.

O jornal suíço Le Tan informou na quarta-feira sobre os ataques.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Um porta-voz do Pictet confirmou que era o banco envolvido.

“Para Pictet, esta investigação está relacionada a questões que ocorreram principalmente há mais de uma década e no início de 2005”, disse um porta-voz da Pictit em um comunicado por e-mail.

Os promotores suíços trabalham há anos para identificar ativos e processar processos relacionados a um amplo caso de corrupção internacional ligado à petrolífera brasileira Petrobras.

A chamada investigação da lavagem de carros, conhecida em português como Lava Jato, começou em 2014 com a prisão de um negociante de divisas e se espalhou para o maior escândalo de corrupção já registrado no Brasil, principalmente relacionado a contratos da Petrobras em que cerca de 200 empresários, funcionários e políticos foram condenados. .

READ  Tribos indígenas em perigo - Organização Mundial da Paz

Em outubro, a Petrobras disse que pagou mais de US$ 850 milhões às autoridades dos EUA como parte de um acordo sobre uma investigação de corrupção relacionada. Consulte Mais informação

Outros bancos, incluindo o JPMorgan (JPM.N), o Banco do Brasil do Brasil e o Banque Cramer & Cie, com sede em Genebra, entraram na mira de investigações internacionais relacionadas. Consulte Mais informação

O supervisor do mercado financeiro suíço FINMA em 2018 também identificou as deficiências do Credit Suisse (CSGN.S) em relação ao caso da Petrobras.

A Pictet disse na quarta-feira que já havia discutido o assunto com a FINMA em 2014, após sua auditoria interna, e “resolvido com o regulador em 2015”.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

(relatórios de Oliver Hurt). Escrito por Brianna Hughes-Nigaywe; Edição por Kirsten Donovan

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.