Banco do Brasil se prepara para estrear no mercado de títulos de sustentabilidade

O banco estatal brasileiro Banco do Brasil se prepara pela primeira vez no mercado de títulos de sustentabilidade, em meio à crescente demanda de investidores globais por práticas ESG.

Com o apoio do Banco de Desenvolvimento Islâmico, o banco desenvolveu diretrizes para essas questões em linha com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas (ODS).

A figura vincula o custo financeiro da transação ao desempenho dos indicadores ambientais, sociais e de governança corporativa pré-estabelecidos do mutuário, como definição de uma agenda livre de carbono, aumento da diversidade nos comitês e redução da exposição a empréstimos intensivos em carbono.

Anna Maria Rodriguez, Diretora de Sustentabilidade do Banco do Brasil, e o CFO Ronal Mascarello conversaram com o BNamericas sobre os planos.

BNamericas: Com o apoio do Banco Islâmico de Desenvolvimento, o Banco do Brasil se qualifica para o mercado de títulos de sustentabilidade. O que isso significa para o banco?

Rodrigues: O Banco do Brasil tem um compromisso de longo prazo com a sustentabilidade. O que está mudando agora é que contamos com um arcabouço bem estabelecido que nos permite entrar no mercado de títulos de sustentabilidade, tanto no mercado internacional quanto nacional. Agora estamos qualificados e certificados para essas questões, e isso é um grande avanço.

O modelo a ser adotado apresenta algumas diferenças que ainda não apareceram em outras emissões deste tipo de título.

O principal destaque é a inclusão de operações agrícolas de baixo carbono. Outros elementos mais populares neste mercado também estão incluídos, como aspectos sociais, acessibilidade, saúde, apoio ao micro e pequeno negócio, micro-crédito, micro-agricultura e energias renováveis.

Mascarello: Nosso objetivo também era estabelecer padrões e padrões para estruturar nossos laços. Do lado do investidor, isso é importante porque garante que os investidores saibam exatamente o que e onde investir.

READ  O Egito anuncia a descoberta de mais de 100 sarcófagos com mais de 2.500 anos; Imagens | Globalismo

EUA: Quando o Banco do Brasil deve fazer sua primeira emissão de bônus de sustentabilidade? Isso poderia reduzir o custo de financiamento do banco no médio prazo?

Mascarello: Não há prazo fixo para o problema. É difícil dizer porque você precisa de uma combinação de nossas necessidades de financiamento com um mercado de capitais positivo.

Como ainda não realizamos nenhuma dessas operações, é difícil fazer uma estimativa do impacto que isso terá em nossos custos de financiamento.

EUA: Quando se trata de sustentabilidade e títulos verdes, sempre vem a mente que a maior parte da demanda por esses títulos vem de investidores europeus. Esse mercado ainda está mais concentrado na Europa?

Rodrigues: Certamente, sim, essa onda começou na Europa, mas hoje já estamos vendo que isso acontece em outras partes do mundo. Acho que a epidemia acelerou essa tendência.

Sempre acompanhamos de perto as questões socioambientais dentro do banco, mas durante a pandemia vimos que havia grande ansiedade social e maior preocupação ambiental de todos os agentes.

O tema sustentabilidade é visto de forma positiva tanto pelos investidores quanto pelos clientes do banco.

EUA: Do ponto de vista do banco, quais setores são mais sensíveis à sustentabilidade?

Rodrigues: Eu diria que existem alguns setores sensíveis.

Uma questão muito importante hoje são as questões relacionadas ao desmatamento e à conservação e isso está diretamente relacionado ao crédito rural.

Por exemplo, os investidores estão cada vez mais cientes disso
Financiamento do Mercado da Soja. Eles querem saber como está sendo monitorado o setor, o mesmo vale para a pecuária.

Outro setor analisado de perto é a cadeia de óleo e gás. Esses são os setores considerados da maneira mais importante.

READ  Resultados do 4T20: Telefônica Brasil SA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *