Banco Central do Brasil vê economia crescendo mais rápido que o esperado

(Bloomberg) — O Banco Central do Brasil espera que a economia cresça mais rápido do que a maioria dos analistas espera este ano, mesmo com as taxas de juros estáveis ​​em seus níveis mais altos em seis anos.

Este anúncio ainda não foi carregado, mas seu artigo continua abaixo.

distribuição

O banco espera que o produto interno bruto cresça 1,2% este ano, mais do que o crescimento de 1% que havia previsto em dezembro, de acordo com seu relatório trimestral de inflação publicado na quinta-feira. Os formuladores de políticas veem a agricultura e a pecuária como os principais impulsionadores da atividade econômica. Enquanto isso, analistas ouvidos pela Autoridade Monetária veem o PIB subindo 0,9% em 2023 e 1,4% em 2024.

“A atividade em 2022 superou as previsões iniciais, mas com uma trajetória de desaceleração ao longo do ano, apoiando o cenário de desaceleração projetado”, escreveram os formuladores de políticas no relatório. Eles também notaram uma desaceleração “clara” no mercado de trabalho.

A maior economia da América Latina contraiu nos últimos meses de 2022 devido à fraca produção agrícola. E os juros em elevação há meses, atualmente em 13,75%, prejudicam a atividade e provocam sinais preocupantes nos fluxos de crédito, vendas no varejo e produção industrial. A maioria dos analistas vê um crescimento lento no horizonte, à medida que os efeitos positivos dos influxos multibilionários de exportações impulsionados pela invasão russa da Ucrânia desaparecem e a atividade pública retorna aos níveis pré-pandêmicos.

Este anúncio ainda não foi carregado, mas seu artigo continua abaixo.

O que a Bloomberg Economics diz

READ  Fontes dizem que Lula está pedindo à Petrobras que ajuste o plano de investimentos para criar mais empregos no Brasil

“As expectativas do relatório trimestral de inflação do BCB corroboram a mensagem otimista da ata e do comunicado da reunião de março. nossa visão, especialmente porque a autoridade monetária enfrenta fortes críticas em relação à sua política de juros.

– Adriana Dubeta, Brasil, economista na Argentina

Clique aqui para ler o relatório completo.

Leia mais: Empresas brasileiras veem fluxo de novos créditos e empréstimos desacelerando

Em mais uma evidência da desaceleração, a produção industrial brasileira caiu 0,3% em janeiro em relação ao mês anterior, em linha com a mediana das estimativas dos analistas em pesquisa da Bloomberg. O Instituto Nacional de Estatísticas disse na quinta-feira que a indústria cresceu apenas 0,3% em relação ao ano anterior.

Este anúncio ainda não foi carregado, mas seu artigo continua abaixo.

O crédito leva um golpe

Os banqueiros centrais revisaram para baixo suas estimativas de empréstimos pendentes após uma “surpresa negativa” no ritmo de crescimento no final do ano passado. Eles agora esperam que esses empréstimos cresçam 7,6% este ano, abaixo da previsão anterior de 8,3%, e que as taxas de inadimplência entre os indivíduos aumentem. Eles acrescentaram que as empresas experimentariam maior aversão ao risco ao buscar financiamento devido a “eventos específicos envolvendo grandes corporações”.

A varejista Americanas SA entrou em colapso no início deste ano após revelações de 20 bilhões de reais (US$ 3,9 bilhões) em “discrepâncias contábeis”.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou publicamente a atual política monetária, que vê como o principal obstáculo ao crescimento econômico e sua ambiciosa agenda. Mas os banqueiros centrais liderados por Roberto Campos Neto são da opinião de que a inflação e as medidas fundamentais que eliminam itens mais voláteis, como alimentos e energia, ainda estão em alta. A maioria dos analistas espera que os preços ao consumidor permaneçam acima da meta da autoridade monetária ao longo de 2025.

READ  Bellucci se aposentou aos 35 anos após vencer o Rio Open

Leia mais: Economia em crise ameaça promessa de “churrasco e cerveja” de Lula

Os formuladores de políticas veem uma desaceleração na atividade consistente com seu ciclo de aperto, que terminou em setembro passado e elevou os custos de empréstimos de 2%, uma baixa recorde. Na ata de sua decisão sobre a taxa de juros de 21 a 22 de março, eles escreveram que os fluxos de crédito estão desacelerando nas margens e o mercado de trabalho está em declínio com “relativa estabilidade”.

– com a ajuda de Andrew Rosati.

(Atualiza mais detalhes do relatório e dos dados do setor a partir do quinto parágrafo.)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *