Azul aumenta oferta para comprar rodovias da Avianca Brasil em São Paulo-Rio enquanto greve se aproxima

São Paulo (Reuters) – A companhia aérea brasileira Azul SA fez na segunda-feira uma nova oferta para comprar algumas das companhias aéreas falidas da Avianca Brasil, oferecendo US $ 145 milhões e revertendo a decisão de não participar.

Avião Embraer ERJ-190AR Air Brazil se prepara para pousar no Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, Brasil, em 21 de março de 2019. REUTERS / Sergio Moraes

A Avianca Brasil entrou com pedido de recuperação judicial em dezembro, levando a uma feroz batalha por oportunidades no aeroporto e direitos de pouso e decolagem em aeroportos lotados, que deveriam ser vendidos em um leilão de falência que foi suspenso por tempo indeterminado.

Na tarde de segunda-feira, os pilotos e a tripulação do Avianca Brasil disseram por meio de seu sindicato que fariam uma greve geral por tempo indeterminado na sexta-feira, citando atrasos salariais frequentes. A frota da empresa caiu para menos de 10 aviões, o que já atrapalhou as viagens aéreas no Brasil, mas também tornou difícil para a empresa levantar os fundos tão necessários.

A Azul estava interessada nos slots da Avianca Brasil porque isso permitiria à transportadora entrar na lucrativa rota entre os aeroportos domésticos de São Paulo e do Rio de Janeiro, um dos mais densos do mundo.

A Azul, a terceira companhia aérea do Brasil, agora se propõe a comprar slots para quase 28 voos diários entre as duas cidades brasileiras, de acordo com processos judiciais. Mas não está claro se será aceito e o plano continuará nas mãos de um juiz brasileiro.

A empresa disse em um arquivamento em março que a Azul apresentou uma oferta de US $ 105 milhões para comprar as faixas.

READ  Ponte do Guadiana, entre Espanha e Portugal, recupera antes do seu aniversário

A Azul está há semanas fora de cena por sua participação no leilão da Avianca Brasil, onde seus maiores concorrentes, Gol Linhas Aéreas Inteligentes SA e Grupo Latam Airlines, concorreram nas licitações, que já dominam os voos entre São Paulo e Rio de Janeiro.

As duas empresas apresentaram uma oferta combinada de US $ 140 milhões no mês passado, com cada uma contribuindo com US $ 70 milhões. A nova oferta da Azul é agora US $ 5 milhões maior do que a oferta da Gol e da Latam.

Não houve comentários da Avianca Brasil. Latam e Gul não responderam aos pedidos de comentários.

A Azul não se comprometeu recentemente sobre se deve ou não permanecer envolvida.

“É o Brasil, cara. Tudo está na mesa”, disse o CEO da Azul, John Rodgerson, em uma teleconferência com analistas na semana passada.

O plano da Gol e da Latam causou uma cisão entre as companhias aéreas e levou a Azul a deixar o grupo da indústria aérea ABEAR, que também inclui a Gol e a Latam, negando qualquer interesse nos ativos e criticando seus concorrentes.

“Basicamente, o que eles fizeram foi ter um plano de fechamento para nos tirar do mercado”, disse Rodgerson em uma entrevista na semana passada, referindo-se a Jules e Latam. “Acho que a maneira como eles agiram foi inadequada.”

A Avianca Brasil e a conhecida Avianca Holdings SA, sediada na Colômbia, participam da controladora Synergy Group.

(Reportagem de Marcello Rochabon) Reportagem adicional de Carolina Mandel e Alberto Allerigi Jr .; Edição de Paul Simão, Jeffrey Pinko e Jonathan Otis

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.